Exílio e interrupção: as diferentes condições da retomada dos arquivos nos cinemas de Patrício Guzmán e Eduardo Coutinho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.25611

Palavras-chave:

Patrício Guzmán, Eduardo Coutinho, A batalha do Chile, Cabra marcado para morrer, cinema latino-americano, exílio

Resumo

Tomando como pressuposta a ideia de que a montagem dos arquivos, em uma reelaboração da militância, poderia contribuir para um processo de entendimento da história, propomos, neste artigo, comparar dois filmes do contexto das ditaduras latino-americanas, a saber: a trilogia A batalha do Chile (GUZMÁN, 1975, 1976, 1979) e Cabra marcado para morrer (COUTINHO, 1984). A partir de uma comparação, buscamos perceber como se articulam a tomada e a retomada. Procuramos compreender como os aspectos formais dos filmes dão a ver a maneira como são atravessados por seus contextos, pelas condições às quais estão submetidos. Propomos, como hipótese, a ideia de que, enquanto os filmes de Guzmán, montados a partir de uma história ainda recente, são atravessados pela distância geográfica do exílio, o filme de Coutinho é atravessado pela interrupção temporal de quase 20 anos entre o filme que seria feito em 1964 e aquele que se realizou em 1984.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Fagioli, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, Minas Gerais / Brasil

     

 

Referências

A BATALHA do Chile I: A insurreição burguesa. Direção: Patrício Guzmán. Cuba/França, 1975. P&b, 94min.

A BATALHA do Chile II: O golpe de estado. Direção: Patrício Guzmán. Cuba/França, 1976. P&b, 89min.

A BATALHA do Chile III: O poder popular. Direção: Patrício Guzmán. Cuba/França, 1979. P&b, 79min.

AB’SÁBER, Tales A. M. Cabra marcado para morrer, cinema e democracia. In: OHATA, Milton (org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 504-523.

AGUIAR, Carolina Amaral de. O Chile na obra de Chris Marker: um olhar para a Unidade Popular desde a França. 2013. Tese. (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

AVELLAR, José Carlos. A ponte clandestina: Birri, Glauber, Solanas, Getino, García Espinosa, Sanjinés, Alea – Teorias de cinema na América Latina. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora 34/Edusp, 1995.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Lisboa: Edições 70, 1981.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERNARDET, Jean-Claude. Vitória sobre a lata de lixo da história. In: OHATA, Milton (org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013., p. 465-478

BRENEZ, Nicole. História das formas, 1960 – 2000. Recine, Revista do Festival Internacional de Cinema de Arquivo. Rio de Janeiro, Ano 3, nº 3, p. 36-57, dez 2006.

BRENEZ, Nicole. René Vautier: devoirs, droits et passion des images. La Furia Umana, n. 14, 2012. Disponível em: http://www.lafuriaumana.it/index.php/archives/41-lfu-14/121-nicole-brenez-rene-vautier-devoirs-droits-et-passion-des-images. Acesso em: 13 ago. 2015.

CABRA marcado para morrer. Direção: de Eduardo Coutinho. Brasil, 1984. Cor/p&b, 120min.

CHASKEL, Pedro. Entre el passado y el presente. Enfoque. Santiago: Ediciones del Instituto Chileno Canadiense de Cultura. n. 11, abril de 1989. p. 16-19.

CHILE, memória obstinada. Direção: de Patrício Guzmán. Chile, 1997. Cor/p&b, 57min.

CHRISTOFOLETTI, Patrícia. América em transe: cinema e revolução na América Latina (1965-1972). Tese. 2011. (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

CINECHILE. Manifesto de los Cineastas de la Unidad Popular. Revista Punto Final, n. 120, 22 de dezembro de 1970. Disponível em: http://www.cinechile.cl/archivo-66. Acesso em: 16 maio 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Images in spite of all. Four photographs from Auschwitz. Chicago: University of Chicago Press, 2008.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GUZMÁN, Patrício. Lo que debo a Chris Marker. Texto escrito em 2 de agosto de 2012. Disponível em: http://lafuga.cl/lo-que-debo-a-chris-marker/556. Acesso em: 26 set. 2020.

LEANDRO, Anita. O tremor das imagens: notas sobre o cinema militante. Devires, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 98-117, jul-dez 2010.

LINDEPERG, Sylvie. Imagens de arquivos: imbricamento de olhares. Entrevista concedida a Jean-Louis Comolli. In: Catálogo Forum.doc. Belo Horizonte: Filmes de quintal, 2010. p. 318-345.

MACHADO, Patrícia. Imagens que restam: a tomada, a busca dos arquivos, o documentário e a elaboração das memórias da ditadura militar brasileira. 2016. Tese. (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MESQUITA, Cláudia. Entre agora e outrora: a escrita da história no cinema de Eduardo Coutinho. In: Revista Galáxia, n. 31, São Paulo, abril de 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-25542016124255.

MESQUITA, Cláudia. Obra em processo ou processo como obra? Transcrição da fala que integrou o ciclo Cinema Brasileiro Anos 2000: 10 questões, promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil, no dia 5 de maio de 2011, no Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/anos2000/questao9.php. Acesso em: 27 de abril de 2017.

MOUESCA, Jacqueline. Los anos del exilio. In: ______. Plano secuencia de la memoria de Chile: veinticinco años de cine chileno. Madri: Eds. del Litoral, 1988. p. 137-158.

MUNIZ, Sérgio. Censura, autocensura, autopreservação – 1964-1985. 19o FESTCURTASBH: Festival de Curtas de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Fundação Clóvis Salgado, 2017.

NAVARRO, Vinícius; RODRÍGUEZ, Juan Carlos. New documentaries in Latin America. Nova Iorque: Palgrave Macmillan: Nova Iorque, 2014. DOI: https://doi.org/10.1057/9781137291349.

PICK, Zuzana M. La imagen cinematográfica y la representación de la realidad. Reflexión histórica y crítica sobre el cine documental en Chile. In: Literatura chilena: creación y crítica. Los Angeles: Ediciones de la Frontera, Ano 8, n. 27, jan-mar de 1984. p. 34-40

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio. In: ______. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p. 46-60

SCHWARZ, Roberto. O fio da meada. In: OHATA, Milton (org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013, p. 459-464.

XAVIER, Ismail. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

Downloads

Publicado

2020-10-08

Como Citar

Fagioli, J. (2020). Exílio e interrupção: as diferentes condições da retomada dos arquivos nos cinemas de Patrício Guzmán e Eduardo Coutinho. Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 30(3), 107-130. https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.25611

Edição

Seção

Dossiê – Imaginários e Cinema Latino-Americano