NECESSIDADES SENTIDAS E OBSERVADAS: SUAS INFLUÊNCIAS NA SATISFAÇÃO DE PACIENTES E PROFISSIONAIS

  • Alessandra Bomfim Usual Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Aline Alves Araujo Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Fernanda Vaz de Melo Diniz Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Marisa Maia Drumond Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Resumo

A concepção de necessidade sentida tem sob asculida na literatura em contraponto à necessidade observada. Em geral, nos serviços de saúde, a necessidade normativa se sobrepõe à necessidade senlidaEssa questão tem motivado iniciativas de construção de novos modelos.0 objetivo deste trabatio foi detectar compatibilidades e incompalibiklades entre as expectativas do paciente ao procurar o tratamento (necessidade sentida) e o planejamento proposto e reakkado pelo profissional (necessidade observada), e a influência desses elementos na satisfação de ambos. Foram realkadas entrevistos em um Centro de Saúde da rede púbka, em um consultõrio particular e em urna cónica convenbda. Partictaram deste estudo pacientes adultos e dentistas. Foram estabelecidos categorias relacionadas à presença de satisfação do paciente e do profÉsional com o tratamento proposto e realkado.Concluiu-se, no grupo estudado, que a satisfação de pacientes e profissionais com o tratamento executado não esteve relacionada com o sistema de atendimento e que a satisfação dos pacientes esteve relacionada ao alienamento das necessidades sentidas, a informação e esclarecimento sobre as necessidades observadas pelo proffsSonal e à criação de vínculos entre o paciente e o profÉsional de forma que o primeiro se sinta acotido e cuidado. A satisfação dos profissionais esteve relacionada ao planejamento e execução do tratamento compatíveis com os princjblos normativos e científicos e à satisfação de seu paciente. O acolhimento dos usu &los, a escuta de suas necessidades e o planejamento a partis da percepção das necessidades sentidas e observadas, contribui para a criação de vínculos entre dentistas e pacientes e para a satisfação de ambos com o atendimento prestado.
Descrilores: necessidade sentida, necessidade observada, satisfação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Bomfim Usual, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Aluna do Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletivo pela UFMG.
Aline Alves Araujo, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Aluna do Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletivo pela UFMG.
Fernanda Vaz de Melo Diniz, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
Aluna do Curso de Especialização em Odontologia em Saúde Coletivo pela UFMG.
Marisa Maia Drumond, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Professora do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da UFMG - Doutora em Odontologia Social pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

Laurell Asa C. A saúde doença como processo social. In: Nunes, Everardo D. Medicina Social: aspectos históricos e teóricos. São Paulo: Global, 1983.cap.4, p.133-158.

Sheham A. A determinação de necessidades de tratamento odontológico: uma abordagem social. In: Pinto, V.G..Saúde Bucal Coletiva. 4. ed. São Paulo: Santos, 2000. copio, 13.223-291

Souza ECF, Oliveira AGRC. O processosaúde-doença. h: Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Departamento de Odontologia preventiva e social: textos selecionados. Natal: EDUFRN, 1997. p.87-92.

Turrini RNT. Resolutividade dos serviços de saúde e satisfação do cliente. In: C iancia ruib, Tâmara I. (org.)Saúde na família e na comunidade. São Paulo: Robe Editorial, 2002. p.102 -122.

Minayo MCS. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 6.ed. São Paulo - Rio de Janeiro : Hucitec - Abrasco, 1999.269p.

Coleman GC. Planejamento do Tratamento Odontológico. In: Coleman GC, Nelson JF. Princípios de Diagnóstico Bucal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996. cap.12. p.147-165.

Haikal DS, Ferreira EF, Moreira AN. Saúde bucal em um grupo de idosos institucbnalizados.(Dissertação) Belo Horizonte, Minas Gerais: Faculdade de Odontologia da UFMG. 2004. 133 p.

Paes AMC, Portilb JAC. Autopercepção de quaidade de vida relativa à saúde bucal. Revista Brasileira de Odontologia em Saúde Coletiva. 2000; 1:75-88.

Matthbs RE, Atchison KA, Lubben JE, De-Jong F,SchweitzerSO. Factorsaffecting self-ratings of oral health. J Public Health Dent. 1995; 55: p.197-204.

Jokovic A, Locker D. Disatisfactbn with oral health status In an okier adult population.J Oral Health Dent. 1997; 57: p.40-47.

Silva SRC, Fernandes RAC. Autopercepção das condições de saúde bucal por Idosos. Rev. Saúde Púbica. 2001; 35: p.86-90.

Martins EM. Construindo o valor saúde bucal. Ação coletiva.1999; 11: p.5-9.

Boltanskl L As classes sociais e o corpo. 3. ed. Rio de Janeiro: 1989: 191p.

Miranda CF. Atendendo o paciente: (perguntas e respostas para o profissional de saúde). Belo Horizonte: Crescer, 1996: 257p.

BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasia 2004 Disponível em Acesso em 25 juho 2004

Carneiro AMO, Werneck MAF. Percepção em saúde bucal: valores, atitudes e problemas de uri grupo de pessoas residentes na área rurcd de Brazlândb- DF (Dissertação). Belo Horizonte, Minas Gerais: Faculdade de Odontologia da UFMG. 2001. 2449.

Vaia W. Sobre participação popular uma questão de perspectiva. Caderno de saúde pública.1998; 14: p. 7-18.
Publicado
2016-03-02
Como Citar
Usual, A. B., Araujo, A. A., Diniz, F. V. de M., & Drumond, M. M. (2016). NECESSIDADES SENTIDAS E OBSERVADAS: SUAS INFLUÊNCIAS NA SATISFAÇÃO DE PACIENTES E PROFISSIONAIS. Arquivos Em Odontologia, 42(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3399
Seção
Artigos