Percepções de discentes de odontologia sobre a atenção primária à saúde

Autores

  • Heriberto Fiuza Sanchez
  • Marisa Maia Drumond
  • Efigênia Ferreira e Ferreira

Resumo

Objetivo: Buscou-se compreender percepções de estudantes de odontologia com relação à atenção primária e sua relação com a prática profissional. Métodos: Pesquisa qualitativa, que teve como método de coleta de dados uma entrevista semiestruturada junto a estudantes do nono período de uma Faculdade de Odontologia de uma Universidade Pública. Oito entrevistas, baseadas num roteiro semiestruturado, foram realizadas, gravadas e posteriormente transcritas por um único pesquisador, em local na própria Faculdade que permitia a realização dessas entrevistas. Optou-se pela análise do conteúdo temática, feita por três pesquisadores, simultânea e independentemente. Resultados: Obteve-se três temas: A concepção da Atenção Primária, o aprendizado na Atenção Primária e a prática relatada em Atenção Primária. Os estudantes descrevem a atenção primária como um nível caracterizado por procedimentos clínicos simples, de baixo custo. Apontam a importância do professor como um elemento ativo e de cenários que os aproximem da realidade, no processo de aprendizagem. Sentem-se sensibilizados com as situações adversas dos assistidos, apresentando tendência a uma visão integral dos indivíduos, mas este fato não consegue alterar sua prática, que permanece centrada em atos clínicos odontológicos. Conclusão: Deve-se investir cada vez mais em metodologias ativas de ensino-aprendizagem, o que poderá contribuir para formar profissionais mais qualificados para o Sistema Único de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

(1) A renaissance in primary health care. Lancet. 2008;372:863.
(2) Chan M. Return to Alma-Ata. Lancet. 2008;372:865-6.
(3) World Health Organization. Primary health care now more than ever. WHO; 2008.
(4) Schraiber LB, Nemes MIB, Mendes-Gonçalves RB, orgs. Saúde do adulto: programas e ações na unidade básica. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2000. 287p.
(5) Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa Saúde da Família. [acesso em 17 de Março de 2017]. Disponível em: www.cfo.org.br/jornal/n42/leiseprojetos.htm
(6) Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a APS à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24:S7-S16.
(7) Moretti-Pires RO. Complexidade em saúde da família e formação do futuro profissional da saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2009;13:153-66.
(8) Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 3, de19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais nos Cursos de Odontologia. Diário Oficial, Brasília, 04 mar 2002; Seção 1: 10. [acesso em 17 de Março de 2017]. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf
(9) Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró–Saúde. [acesso em 2008 Nov 04]. Disponível em: www.abem-educmed.org.br/pro_saude/publicacao_pro-saude.pdf.
(10) Giang KB, Minh HV, Hien NV, Ngoc NM, Hinh ND. Knowledge of primary health care and career choice at primary health care settings among final year medical students – Challenges to human resources for health in Vietnam. Glob Public Health. 2015;10:S120-30.
(11) Giddon DB, Swann B, Donoff RB, Hertzman-Miller R. Dentists as oral physicians: the overlooked primary health care resource. J Prim Prev. 2013;34:279-91.
(12) Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad Saúde Publica. 2008;24:S100-S10.
(13) Santos ÂM, Assis MMA, Nascimento MÂA, Jorge MSB. Vínculo e autonomia na prática de saúde bucal do Programa Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2008;42:464-70.
(14) Fleury-Teixeira P, Vaz FAC, Campos FCC, Álvares J, Aguiar RA, Oliveira VA. Autonomia como categoria central no conceito de promoção de saúde. Cienc Saúde Coletiva. 2008;13:2115-22.
(15) Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. Rio de Janeiro: Abrasco; 2014. 408p.
(16) Trivinos ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação – o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2009. 175p
(17) Mendonça PB, Piccinin LC, Capucho CM, Campos CJR. Efeito de descargas epilépticas lateralizadas no fluxo do pensamento. Arq Neuro-Psiquiatr. 2001;59:318-23.
(18) Lorenzetti J, Trindade LL, Pires DEP, Ramos FRS. Tecnologia, inovação tecnológica e saúde: uma reflexão necessária. Texto & Contexto Enferm. 2012;21:432-9.
(19) Almeida PF, Fausto MCR, Giovanella L. Fortalecimento da atenção primária à saúde: estratégia para potencializar a coordenação dos cuidados. Rev Panam Salud Publica. 2011;29:84-95.
(20) Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, Ministério da Saúde; 2002.
(21) Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14:1523-31.
(22) Viegas SMF, Penna CMM. The dimensions of the comprehensiveness on healthcare within the routine of the Family Health Strategy in the Jequitinhonha Valley, Minas Gerais, Brazil. Interface. 2015;19:1089-100.
(23) Ceccim RB, Feuerwercker L. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. 2004;20:1400-10.
(24) Foucault M. O nascimento da clínica. Forense Universitária; 2006. 231p
(25) Junqueira CR, Junqueira SR, Almeida FCS, Zilbovicius C, Araújo ME, Ramos DLP. A formação humanística, social e ética do graduando em Odontologia. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;14:25-36.
(26) Cerqueira TCS. O professor em sala de aula: reflexão sobre os estilos de aprendizagem e a escuta sensível. Psic Rev Psicol Vetor Ed. 2006;7:29-38.
(27) Lazzarin HC, Nakama L, Cordoni Júnior L. O papel do professor do professor na percepção dos alunos de Odontologia. Saúde Soc. 2007;16:90-101.
(28) Vigotsky LS. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed; 2003.
(29) Vendruscolo C, Prado ML, Kleba ME. Integração ensino-serviço no âmbito do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21:2949-60.
(30) Goulart BNG, Chiari BM. Humanização das práticas do profissional de saúde - contribuições para reflexão. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15:255-68.
(31) Paixão HH, Campos H, Lima WA. O paciente como objeto de ensino. Arq Centro Est Fac Odontol UFMG. 1981;18:37-44.
(32) Santos Filho SB, Barros MEB, Gomes RS. The National Humanization Policy as a policy produced within the healthcare labor process. Interface. 2009;13:603-13.
(33) Gontijo LPT, Almeida MCP, Gomide LRS, Barra LP. A saúde bucal coletiva na visão do estudante de odontologia – análise de uma experiência. Cienc Saúde Coletiva. 2009;14:1277-85.
(34) Bordenave JD, Pereira A. A estratégia de ensino aprendizagem. 26ª ed. Petrópolis: Vozes; 2005.
(35) Sánchez CZ, González CV. Ética en el currículo de las carreras de odontología. Acta Bioeth. 2008;14:212-8.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Sanchez, H. F., Drumond, M. M., & e Ferreira, E. F. (2017). Percepções de discentes de odontologia sobre a atenção primária à saúde. Arquivos Em Odontologia, 53. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3724

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)