Identificação de indivíduos por meio das marcas de mordida em alimentos utilizando a engenharia reversa e a prototipagem rápida: caso simulado

  • Michelle Michel Nascimento Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, BA
  • Viviane Almeida Sarmento Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS
  • Valter Estevão Beal SENAI CIMATEC, Salvador, BA
  • Luis Carlos Cavalcante Galvão Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS
  • Jeidson Antônio Morais Marques Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS

Resumo

Objetivo: Este trabalho objetivou avaliar a viabilidade do uso da engenharia reversa e da prototipagem rápida para auxiliar na identificação de indivíduos através da marca de mordida em alimentos (chocolate e fatia de bolo). Materiais e Métodos: A amostra foi composta por oito voluntários. Por meio de sorteio, três voluntários foram definidos para serem os suspeitos. Posteriores sorteios foram feitos para que a mordida fosse realizada nos respectivos alimentos. Depois de definida a amostra os modelos dos suspeitos e os alimentos mordidos foram digitalizados utilizando o software Measuring System ATOS I - Industrial 3D Digitizer v6.1. Viewer-8 and TRITOP of GOM Inspect v1.2.1 (Germany). Gerado o arquivo das imagens, estas foram
comparadas através da análise tridimensional. A partir do modelo virtual dos alimentos mordidos estes dados foram enviados para uma impressora de prototipagem rápida onde foi confeccionado o protótipo dos alimentos
mordidos. Posteriormente, foi feita a comparação direta do protótipo do alimento com o modelo de gesso dos suspeitos. Através da engenharia reversa e da prototipagem rápida foi possível identificar com precisão
o autor da mordida no alimento chocolate. Entretanto, o alimento fatia de bolo apresentou dificuldade para a correta identificação do suspeito. Resultados: Os resultados obtidos permitiram concluir que a textura do
alimento bolo, bem como, sua fragilidade e consistência podem influenciar na obtenção das imagens 3D e consequente construção do protótipo. Conclusão: Novos estudos com outros tipos de alimentos necessitam ser
realizados para verificar a aplicabilidade da prototipagem rápida, devido ao seu grande poder de confronto e, principalmente, pela capacidade de transformar uma evidência perecível em uma prova manipulável e perene.
Descritores: Força de mordida. Odontologia legal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Michel Nascimento, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, BA
Curso de Pós Graduação em Odontologia Legal, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, BA, Brasil
Viviane Almeida Sarmento, Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS
Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil
Valter Estevão Beal, SENAI CIMATEC, Salvador, BA
Departamento de Desenvolvimento de Produtos Industriais, SENAI CIMATEC, Salvador, BA, Brasil
Luis Carlos Cavalcante Galvão, Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS
Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil
Jeidson Antônio Morais Marques, Universidade Estadual de Feira de Santana -UEFS
Curso de Odontologia, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil

Referências

1. Marques JAM, Galvão LCC, Silva M. Marcas de mordidas. Feira de Santana: Universidade Estadual Feira de Santana; 2007.
2. McKenna CJ, Haron MI, Brown KA, Jones AJ. Bitemarks in chocolate: a case report. J Forensic Odontostomatol. 2000; 18:10-4.
3. Bowers CM. Problem-based analysis of bitemark misidentifications: the role of DNA. J Forensic Int. 2006; 159: S104-9.
4. Caldas JCFG, Pachini RC, Belmonte LN, Spadácio C, Daruge E. Elucidação de um crime através da marca de mordida: relato de um caso. [internet]. [acesso em 2010 set 03]. Disponível
em: http://www.malthus.com.br/artigos. asp?id=62&endpch=Marcas%20de%20mordi.
5. Aboshi H, Taylor JA, Takei T, Brown KA. Comparison of bitemarks in foodstuffs by computer imaging: a case report. J Forensic
Odontostomatol. 1994; 12:41-4.
6. Nambiar P, Carson G, Taylor JA, Brown KA. Identification from a bitemark in a ward of chewing gum. J Forensic Odontostomatol. 2001;
19:5-8.
7. Bernitz H, Kloppers BA. Comparison microscope identification of a cheese bitemark: a case report. J Forensic Odontostomatol. 2002; 20:13-6.
8. Silva M. Perícias odontolegais. In: Figini ARL, Leitão e Silva JR, Jobim LF, Silva M. Identificação humana. 2ª ed. São Paulo: Millenuim; 2003. p.325-416.
9. Sweet D. Human bitemarks: examination, recovery and analysis. In: Bowers CM, Bell GL. Manual of forensic odontology. 3rd ed. Am
Society Forensic Odontol; 1997; 148-69.
10. Nogi FM, Marques JAM, Melani RFH. Análise da utilização do software Adobe Photoshop no estudo e na interpretação de marcas de mordidas. RPG Rev Pos-Grad. 2003; 10:259.
11. Naether S, Buck U, Campana L, Breitbeck R, Thali M. The examination and identification of bite marks in foods using 3D scanning and 3D comparison methods. Int J Legal Med. 2011.
12. Meurer E. Oliveira MG, Meurer MI, SilvaJVL, Santa Bárbara A, Heitz C. Biomodelos de prototipagem rápida em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial. Rev Bras Cir Per. 2007; 1:172-
80.
13. Meurer MI, Meurer E, Silva JVL, Bárbara AS, Nobre LF, Oliveira MG, et al. Aquisição e manipulação de imagens por tomografia
computadorizada da região maxilofacial visando à obtenção de protótipos biomédicos. Radio Bras. 2008; 41:49-54.
14. Foggiatto JA. O uso da prototipagem rápida na área médico-odontológica. [internet]. [acesso em 2010 set 11]. Disponível em: http://www. pessoal.utfpr.edu.br/foggiatto/arquivos/O_Uso_
da_Prototipagem_na_area_medico-odontologica. pdf.
15. Cavagnini G, Sansoni G, Angelo Vertuan A, Docchio F. 3D optical body scanning: application to forensic medicine and to maxillofacial
reconstruction. International Conference on 3D Body Scanning Technologies; 2010; Switzerland. p.167-78.
16. Thali MJ, Braun M, Markwalder TH, Brueschweiler W, Zollinger U, Malik NJ, Yen K, Dirnhofer R. Bite mark documentation
and analysis: the forensic 3D/CAD supported photogrammetry approach. J Forensic Sci. 2003; 135:115-21.
17. Martin-de-las-Heras S, Venezuela A, Ogayar C, Valverde J, Torres JC. Computer-based production of comparison overlays from 3D-scanned dental casts for bite mark analysis. J Forensic Sci. 2005;
50:1-7.
18. Blackwell SA, Taylor RV, Gordon I, Ogleby CL, Tanijiri T, Yoshino M, et al. 3D imaging and quantitative comparison of human dentitions and simulated bite marks. Int J Legal Med. 2007;
121:9-17.
19. Martin-de-las-Heras S, Tafur D. Comparison of simulated human dermal bitemarks possessing three-dimensional attributes to suspected biters using a proprietary three-dimensional comparison.
J Forensic Int. 2009; 190:33-7.
20. Lasser AJ, Warnick AJ, Berman GM. Threedimensional comparative analysis of bitemarks. J Forensic Sci. 2009; 54:658-61.
21. Stols G, Bernitz H. Reconstruction of deformed bite marks using affine transformations. J Forensic Sci. 2010; 55:784-7.
22. Tuceryan M, Li F, Blitzer HL, Parks ET, Platt JA. A framework for estimating probability of a match in forensic bite mark identification. J Forensic Sci. 2011; 56:83-9.
23. Santoro V, Lozito P, De Donno A, Introna F. Experimental study of bite mark injuries by digital analysis. J Forensic Sci. 2011; 56:224-8.
24. Clement JG, Blackwell SA. Is current bite mark analysis a misnomer? J Forensic Int. 2010; 190:33-7.
25. Avon SL, Victor C, Mayhall JT, Wood RE. Error rates in bite mark analysis in an in vivo animal model. J Forensic Int. 2010; 201:45-55.
26. Pretty AI. The barriers to achieving an evidence base for bitemark analysis. J Forensic Int. 2006; 159:S110–20.
27. Pretty IA, Sweet D. A paradigm shift in the nalysis of bitemarks. J Forensic International. 2010; 201:38-44.
28. Silva INL, Beck JCP, Soares BGR, Burnett Jr LH, Beltrão MC. Associação de exame tomográfico e método de engenharia reversa para a confecção de estruturas dentárias e coroas protéticas. Rev
Liberato. 2009; 10:7-13.
29. ABFO. ABFO Bitemarks Guideline. San Antonio: ABFO; 2009.
30. Oliveira DCA, Simões PS, Marques JAM, Galvão LCC, Oliveira RN, Musse JO. Avaliação de marcas de mordidas em alimentos produzidas por próteses dentárias. Arq Odontol. 2010; 46:38-42.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Nascimento, M. M., Sarmento, V. A., Beal, V. E., Galvão, L. C. C., & Marques, J. A. M. (2016). Identificação de indivíduos por meio das marcas de mordida em alimentos utilizando a engenharia reversa e a prototipagem rápida: caso simulado. Arquivos Em Odontologia, 48(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3603
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)