Levantamento de marcas de mordidas humanas em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal de Feira de Santana-BA, entre 2007 e 2014

  • Haylla Priscilla de Lima Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
  • Bárbara Maria Santos Melo Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Jamilly de Oliveira Musse Professora do Departamento de Saúde/UEFS.
  • Mona Lisa Cordeiro Asselta da Silva Universidade Estatual de Feira de Santana - BA
  • Maria Conceição Oliveira Costa Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
  • Jeidson Antônio Morais Marques Universidade de São Paulo

Resumo

Objetivo: Descrever a prevalência de marcas de mordidas em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal de Feira de Santana no período de 2007 até 2014, levando em consideração a análise do perfil sociodemográfico das vítimas, a relação destas com os supostos agressores, bem como fatores inerentes às particularidades da violência, características da mordida e região do corpo atingida. Métodos: Estudo de casuística, de caráter exploratório com base em dados secundários, produzidos a partir das perícias realizadas por peritos odontolegistas registradas em laudos arquivados no Instituto Médico Legal (IML), no período de 2007 à 2014. Resultados: Os resultados apontam um maior índice de vítimas do sexo feminino (78,1%), entre 20-60 anos (53,1%), faiodermas, estudantes (28,6%) e naturais de Feira de Santana (56,2%). A região de cabeça e pescoço (29,2%) e membros superiores (29,2%) tiveram destaque nas agressões e a maioria das vítimas apresentaram mais de uma lesão, apresentando-se clinicamente como escoriações (34,2%) e equimoses (31,6%). Em nenhum dos casos houve tentativa de identificação do agressor pela mordida. Conclusão: Desse modo, conclui-se que a maior parte das vítimas de violência física que apresentaram lesão provocada por mordida humana era do sexo feminino, faioderma e adultos. Os supostos agressores na maioria dos casos tem ou tiverem um vínculo conjugal com a vítima. As marcas de mordidas foram predominantes na região de cabeça e pescoço e membros superiores. Como manifestação clínica destacou-se as escoriações e equimoses. Descritores: Odontologia legal. Registro da relação maxilomandibular. Violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Haylla Priscilla de Lima, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
Graduanda em Odontologia, Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil.
Bárbara Maria Santos Melo, Universidade Estadual de Feira de Santana
Graduanda em Odontologia, Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil.
Jamilly de Oliveira Musse, Professora do Departamento de Saúde/UEFS.
Mestre e Doutora em Ciências Odontológicas, Área de Concentração: Odontologia Social (USP); Perita Odontolegista no Departamento de Polícia Técnica da Bahia/IML. Professora do Departamento de Saúde/UEFS.
Mona Lisa Cordeiro Asselta da Silva, Universidade Estatual de Feira de Santana - BA
Especialista em Odontologia Legal, Feira de Santana, BA, Brasil.
Maria Conceição Oliveira Costa, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
Profª Titular da Universidade Estadual de Feira de Santana/UEFS, Pós-doutorado -Université du Québec à Montreal/UQAM e Coordenadora do NNEPA/PPGSC/UEFS; Feira de Santana, Bahia, Brasil
Jeidson Antônio Morais Marques, Universidade de São Paulo
Mestre e Doutor em Ciências Odontológicas, Área de Concentração: Odontologia Social (USP); Professor do Departamento de Saúde/UEFS

Referências

1. Marques JAM. Metodologias de identificação de marcas de mordida. São Paulo. Dissertação [Mestrado] - Faculdade de Odontologia da Universidade São Paulo; 2004.
2. Peres AS, Peres SHCS, Nishida CL, Grandizoli DK, Ribeiro IWJ, Gobbo LG, et al. Peritos e perícias em Odontologia. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. 2007; 19(3): 320-4.
3. Galvão LCC. Estudos médicos legais. Porto Alegre: Sagra; 1996.
4. Coutinho CGV, Ferreira CA, Queiroz LR, Gomes LO, Silva UA. O papel do odontolegista nas perícias criminais. RFO. 2013; 18(2): 217-23.
5. Jenny C. Child abuse and neglect: diagnosis, Treatment and Evidence. St Louis: Saunders Elsevier; 2011. 579-83p.
6. Queiroz FB. Agressão humana e marcas de mordidas: a vulnerabilidade de mulheres e crianças. São Paulo. Dissertação [Mestrado] - Faculdade de Saúde Pública da Universidade São Paulo; 2010.
7. Marques JAM. Prevalência de lesões causadas por mordidas humanas e desenvolvimento de técnica para análise de mordidas na pele em investigações criminais. São Paulo. Tese [Doutorado] - Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual Paulista; 2007.
8. Vanrell JP. Odontologia legal e antropologia forense. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.
9. Franco CPPG. Marcas de mordida e a medicina dentária forense. Porto. Dissertação [Mestrado] - Universidade Fernando Pessoa; 2014.
10. Almeida CVS. Marcas de mordida e a identificação humana. Porto. Dissertação [Mestrado] - Universidade Fernando Pessoa; 2012.
11. Sweet D, Lorente M, Lorente JA, Valenzuela A, Villanueva E. An improved method to recover saliva from human skin: the Double swab technique. J Forensic Sci. 1997; 42: 320-2. 12. Nogi FM, Marques JAM, Melani RFH. Análise da utilização do software Adobe Photoshop no estudo e interpretação das marcas de mordidas humanas. Rev Pós-Grad FOUSP. 2003; 10(3): 259.
13. Kouble R, Craig G. A comparasion between direct and indirect methods available for human bitemarks anlysys. J Forensics Sci. 2004; 49(1): 111-8.
14. Meurer E, Oliveira MG, Meurer MI, Silva JVL, Santa Bárbara A, Heitz C. Biomodelos de prototipagem rápida em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial. Rev Bras Cir Per. 2007;1: 17280.
15. Meurer MI, Meurer E, Silva JVL, Bárbara AS, Nobre LF, Oliveira MG, et al. Aquisição e manipulação de imagens por tomografia computadorizada da região maxilofacial visando à obtenção de protótipos biomédicos. Radiol Bras. 2008; 41: 49-54.
16. Nascimento MM, Sarmento VA, BEAL VE, Galvão LCC, Marques JAM. Identificação de indivíduos por meio das marcas de mordida em alimentos utilizando a engenharia reversa e a prototipagem rápida: caso simulado. Arq Odontol. 2012; 48(3): 134-41.
17. Goetten FS. Avaliação de lesões corporais em vítimas de mordeduras: uma revisão da literatura Rev Bras Crimin. 2014; 3(2): 41-5.
18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Primeiros resultados do censo demográfico 2014 [acesso 2015 ago]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas. php?lang=&codmun=291080&idtema=119& search=bahia|feira-de-santana|estimativa-dapopulacao-2014.
19. Pesce R. Violência familiar e comportamento agressivo e transgressor na infância: uma revisão da literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14(2): 507-18.
20. Nucci GS. Crimes contra a dignidade sexual. 3ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais; 2009.
21. Bezerra FL. Perfil da violência contra mulheres analisadas junto ao NUMOL/CG no ano de 2012. Campina Grande. Monografia; 2014.
22. Souza CS, Costa COM, Carvalho RC, Araújo TM, Amaral MT. Notificação da violência infantojuvenil em Serviços de Emergência do Sistema Único de Saúde em Feira de Santana, Bahia, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(1): 80-93.
23. Secretaria de Segurança Pública da Bahia. [Internet]. Principais registros de ocorrências policiais na 1ª Coorpin - Feira de Santana 2011 [acesso 2015 ago]. Disponível em: http://www. ssp.ba.gov.br/Feira_de_Santana_2011.pdf
24. Secretaria de Segurança Pública da Bahia. [Internet]. Principais delitos por município – Interior-2012 [acesso 2015 ago]. Disponível em: http://www.ssp.ba.gov.br/wp-content/ estatistica/2012/INTERIOR/09_INTERIOR_ MUNIC_2012.pdf
25. Secretaria de Segurança Pública da Bahia. [Internet]. Principais Delitos por Município – Interior-2013 [acesso 2015 ago]. Disponível em http://www.ssp.ba.gov.br/wp-content/ estatistica/2013/INTERIOR/09_INTERIOR_ MUNIC_2013.pdf
26. Secretaria de Segurança Pública da Bahia [Internet]. Principais delitos por município – Interior-2014 [acesso 2015 ago]. Disponível em http://www.ssp.ba.gov.br/wp-content/ estatistica/2014/INTERIOR/09_INTERIOR_ MUNIC_2014.pdf
27. Wulkan M, Parreira Júnior JG, Botter DA. Epidemiologia do trauma facial. AMB Rev Assoc Med Bras. 2005; 51: 290-5.
28. Deslandes SF, Gomes R, Silva CMFP. Caracterização dos casos de violência doméstica contra a mulher, atendidos em dois hospitais públicos do Rio de Janeiro. Cad Saúde Pública. 2000; 16: 129-37.
29. Ogundare BO, Bonnick A, Bayley N. Pattern of mandibular fractures in an urban major trauma center. J Oral Maxillofac Surg. 2003; 61: 713-8.
30. Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP, Dossi MO. Violência doméstica: análise de lesões em mulheres. Cad Saúde Pública 2006, 22: 2567-73.
31. Freeman Aj, Seen Dr, Arendt DM. Seven hundred seventy eight bite marks: analysis by anatomic location, victim and biter demographics, type of crime, and legal disposition. J Forensic Sci. 2005 Nov;50(6):1436-43.
32. Pimenta RMC, Matos FRO, Silva MLCA, Rodrigues AAAO, Marques JAM, Musse JO. Lesões bucomaxilofacial em vítimas periciadas em Feira de Santana-BA. Arq Odontol. Belo Horizonte. 2013; 49(4): 154-61.
33. Rezende EJC, Araújo TM, Moraes MAS, Santana JSS, Radicchi R. Lesões buco-dentais em mulheres em situação de violência: um estudo piloto de casos periciados no IML de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Epidemiol. 2007; 10: 202-14.
34. Costa SALS. Estudo de marcas de mordida no abuso de crianças e jovens. Porto. Monografia. Faculdade de Medicina Dentária, Universidade do Porto; 2011.
35. Verma AK, Kumar S., Bhattacharya S. Identification of a person with the help of bite mark analysis. J Oral Biol Craniofac Res. 2013, 3(2): 88-91.
36. Sweet D, Pretty I. A look at forensic dentistry – Part 2: teeth as weapons of violence-identification of bitemark perpetrators. Br Dent J. 2001; 190(8), 415-8.
37. Berrios DC, Grady D. Domestic violence – risk factors and outcomes. West J Med. 1991;
155(2):133-135.
38. Le BT, Dierks EJ, Ueecks BA, et al. Maxillofacial injuries associated with domestic violence. J Oral Maxillofac Surg. 2001; 59: 1277-84.
39. Schraiber LB, D‘Oliveira AFPL, França-Júnior I, Pinho AA. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2002;36(4):470-7.
40. Jong LC. Perfil epidemiológico da violência doméstica contra a mulher em cidade do interior paulista. São Paulo. Dissertação [Mestrado]. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2000.
41. Reis JC, Fradique FS. Significações sobre causas e prevenção das doenças em jovens adultos, adultos de meia idade e idosos. Psicologia. 2003; 19: 47-57.
Publicado
2016-11-18
Como Citar
de Lima, H. P., Melo, B. M. S., Musse, J. de O., da Silva, M. L. C. A., Costa, M. C. O., & Marques, J. A. M. (2016). Levantamento de marcas de mordidas humanas em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal de Feira de Santana-BA, entre 2007 e 2014. Arquivos Em Odontologia, 52(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3711
Seção
Artigos