Relação entre risco à cárie dentária e variáveis socioeconômicas e demográficas em usuários da Estratégia Saúde da Família no município de Amparo, SP: um estudo longitudinal

  • Marcelo Bacci Coimbra
  • Fabiana de Lima Vazquez Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Karine Laura Cortellazzi Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Vanessa Pardi New York University College of Dentistry
  • Fabio Luiz Mialhe Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Marcelo de Castro Meneghim Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Antonio Carlos Pereira Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Resumo

Objetivo: avaliar a influência das variáveis socioeconômicas e demográficas no CPOD e na classificação de risco à carie dentária entre adultos e idosos das Unidades de Saúde da Família no município de Amparo, SP. Materiais e Métodos: a amostra contou com 109 indivíduos nascidos até 1989 e que tinham concluído o último tratamento odontológico em 2003 com nova avaliação clínica em 2010. Os critérios de risco à cárie foram aqueles propostos pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Para verificar a associação entre as variáveis dependentes (risco e CPOD) com as independentes (idade, renda, número de pessoas na família, grau de instrução, habitação, posse de automóvel, orientação profissional, acesso aos serviços de saúde e motivo da consulta) utilizou-se análise bivariada pelo teste de Qui-quadrado. Em seguida realizou-se regressão múltipla de Poisson. Resultados: observou-se um aumento significativo no CPOD médio em todos os grupos etários, entre os anos de 2003 e 2010. Em relação ao risco à cárie dentária, 49 indivíduos se mantiveram ou migraram para o risco moderado, 55 permaneceram no alto risco e 5 migraram do risco moderado para o alto risco. Observou-se associação significativa entre o risco à cárie com o índice CPOD, o acesso aos serviços e o motivo da consulta. Os indivíduos que tiveram acesso aos serviços privados apresentaram menor risco de desenvolverem aumento de CPOD do que aqueles sem acesso. Conclusões: o acesso ao serviço odontológico privado reduziu o risco de aumento no índice CPOD. A experiência anterior de cárie, representada por maiores valores de CPOD, influenciou o risco atual de cárie nessa população.
Descritores: Epidemiologia. Atenção primária à saúde. Saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Bacci Coimbra
Secretaria Municipal de Saúde, Amparo, SP, Brasil
Fabiana de Lima Vazquez, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Programa de Pós-Graduação Odontologia, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Karine Laura Cortellazzi, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Programa de Pós-Graduação Odontologia, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Vanessa Pardi, New York University College of Dentistry
Programa de Pós-Graduação, New York University College of Dentistry, New York, USA
Fabio Luiz Mialhe, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Marcelo de Castro Meneghim, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Antonio Carlos Pereira, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Referências

1. Roncalli AG. Os Indicadores de saúde estariam indicando o que se propõem a indicar? O caso do CPOD. In: Botazzo C, Oliveira MA. Atenção básica no Sistema Único de Saúde: abordagem
interdisciplinar para os serviços de saúde bucal. São Paulo: Páginas & Letras; 2008. p.123-43.
2. Baldani MH, Narvai PC, Antunes JLF. Cárie dentária e condições sócio-econômicas no Estado do Paraná, Brasil, 1996. Cad Saúde Pública. 2002; 18:755-63.
3. Marcenes W, Bonecker MJS. Aspectos epidemiológicos e sociais das doenças bucais. In: Buischi YP. Promoção de saúde bucal na clínica
odontológica. São Paulo: Artes Médicas; 2000. p.75-98.
4. Bellon ML. Dimensionamento de amostra em levantamentos epidemiológicos baseado na mudança da prevalência de cárie dentária e suas implicações nos custos. 2007 [dissertação]. Piracicaba (SP): Faculdade de Odontologia da UNICAMP; 2007.
5. Brasil, Ministério da Saúde. Levantamento epidemiológico em saúde bucal: Brasil, zona urbana, 1986. Brasília: Ministério da Saúde; 1988.
6. Brasil, Ministério da Saúde. CPO-D médio nas capitais Brasileiras, 1996. [internet]. [acesso em 2011 jul 20]. Disponível em http://www.saúde. gov.br/programas/bucal.
7. Brasil, Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais.
Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
8. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal, 2010. [acesso 2011 jul 13]. Disponível em: http://observasaude.
fundap.sp.gov.br/BibliotecaPortal/Acervo/ Saúde%20Bucal/SB_Result2010.pdf.
9. Rihs LB, Gushi LL, Sousa MLR, Wada RS. Cárie dentária segundo o nível socioeconômico em Itapetininga. Rev Odonto Cienc. 2005; 20:367- 71.
10. Gushi LL, Soares MC, Forni TIB, Vieira V, Wada RS, Sousa MLR. Cárie dentária em adolescentes de 15 a 19 anos de idade no Estado de São Paulo, Brasil, 2002. Cad Saúde Pública. 2005; 21:1383-
91.
11. Brandão IMG, Arcieri RM, Sundefeld MLM, Moimaz SAS. Cárie precoce: influência de variáveis sócio-comportamentais e do lócus de
controle da saúde em um grupo de crianças de Araraquara, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006; 22:1247-56.
12. Tagliaferro EPS, Pereira AC, Meneghim AC, Ambrosano GMB. Classification of dental caries predictors in a seven-year longitudinal study. J Publ Health Dent. 2006; 66:169-73.
13. Meneghim MC, Kozlowski FC, Pereira AC, Ambrosano GMB, Meneghim ZMAP. Classificação socioeconômica e sua discussão
em relação à prevalência de cárie dentária. Cienc Saúde Coletiva. 2007; 12:523-9.
14. Pereira SM, Tagliaferro EPS, Ambrosano GMB, Cortelazzi KL, Meneghim MC, Pereira AC. Dental caries in 12-year-old schoolchildren and its relationship with socioeconomic and behavioural
variables. Oral Health Prev Dent. 2007; 5:299- 306.
15. Cortellazzi KL, Pereira SM, Tagliaferro EP, Tengan C, Ambrosano GM, Meneghim MC, et al. Risk indicators of dental caries in 5-year-old
Brazilian children. Community Dent Health. 2008; 25:253-6.
16. Tagliaferro EPS, Ambrosano GMB, Meneghim Risco à cárie dentária em usuários da Estratégia Saúde da Família MC, Pereira AC. Risk indicators and risk predictors of dental caries in schoolchildren. J
Appl Oral Sci. 2008; 16:408-13.
17. Cortellazzi KL, Tagliaferro EPS, Assaf AV, Tafner APM, Ambrosano GMB, Bittar TO. Influência de variáveis socioeconômicas, clínicas e demográfica na experiência de cárie dentária em pré-escolares
de Piracicaba, SP. Rev Bras Epidemiol. 2009; 12:490-500.
18. Leite ICG, Ribeiro RA. Cárie dentária na dentição decídua de crianças assistidas em algumas creches públicas de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2000; 16:717-22.
19. São Paulo, Secretaria de Estado de Saúde. Coordenadoria de Planejamento em Saúde. Área técnica em saúde bucal. A organização das ações de saúde bucal na atenção básica: versão cidade
de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado de Saúde; 2001.
20. Organização Mundial da Saúde. Levantamento epidemiológico básico de saúde bucal. Manual de instruções. 4ª ed. Geneva: WHO, 1997.
21. Narvai PC, Forni TIB, Junqueira SR, Cury JA, Castellanos RA, Soares MC. Uso de produtos fluorados conforme o risco à cárie dentária: uma revisão crítica. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2002;
56:101-7.
22. Prefeitura Municipal de Amparo, Secretaria de Saúde. Saúde bucal: condições de saúde bucal em municípios localizados na região de Campinas, 2011. Mimeo.
23. Groisman S, Moraes NM, Chagas LD. A evolução da atenção à saúde no Brasil: o contexto da saúde bucal. Rio de Janeiro: Cadernos da Aboprev II; 2005.
24. Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal. [acesso em 2011 jul 03]. Disponível em: http:// www.firjan.org.br/IFDM.
25. Martins SP. Fundamentos de direito da seguridade social. 6ªed. São Paulo: Atlas, 2005.
26. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.
27. Gérvas J, Fernandéz MP. El fundamento científico de la función de filtro del médico general. Rev Bras Epidemiol. 2005; 8:205-18.
28. Manfredini MA. Saúde bucal no Brasil em 2008 e nos 20 anos de Sistema Único de Saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. p. 155-71.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Coimbra, M. B., Vazquez, F. de L., Cortellazzi, K. L., Pardi, V., Mialhe, F. L., Meneghim, M. de C., & Pereira, A. C. (2016). Relação entre risco à cárie dentária e variáveis socioeconômicas e demográficas em usuários da Estratégia Saúde da Família no município de Amparo, SP: um estudo longitudinal. Arquivos Em Odontologia, 48(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3604
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)