Impacto de programas educativos sobre condições bucais de escolares de 6 e 7 anos em duas escolas municipais do interior do Estado de São Paulo/Brasil

Autores

  • Marcelo de Castro Meneghim Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Cláudia Elisa de Campos Esmeriz Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Patrícia Vilas- Boas Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Zuleica Maria Pedroso Meneghim Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Antonio Carlos Pereira Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Resumo

Objetivo: Avaliar e comparar as condições de saúde bucal em escolares de dois municípios de diferentes portes populacionais, sob mesmas condições de acesso a flúor e diferentes programas educativos em saúde bucal. Materiais e Métodos: O cálculo amostral baseou-se na experiência de cárie, com margem de erro de 10%, perda amostral de 20% e nível de confiabilidade de 95%, totalizando 95 voluntários. Os critérios utilizados para a avaliação clínica da cárie foram os preconizados pela OMS (1999), bem como o registro clínico de lesões ativas em esmalte (lesões de mancha branca) baseado nos critérios propostos por Nyvad e Fyfee. A avaliação das condições para a presença de placa bacteriana foi verificada pelo Índice de Placa, proposto por Loe. O estudo foi do tipo randomizado, pareado e cego. A análise dos dados foi por meio de estatística descritiva do índice CPO, lesão de cárie inicial em esmalte e níveis de placa, utilizando-se Kruskal-
Wallis, análise univariada (Qui-Quadrado) e Odds Ratio, todos ao nível de significância α=0,05. Resultados: O índice ceo-d (desvio-padrão) para os escolares foi de 1,6 (2,27) no município de Iracemápolis e 1,9 (2,4) em
Piracicaba, com um Odds Ratio de 0,84 (0,37-1,92), apresentando 47,4% livres de cáries e 71,5% com placa presente na cavidade bucal. Não houve diferença estatisticamente significativa na gravidade de cárie entre
os municípios no presente estudo. Conclusão: Os resultados demonstram necessidade de avaliar melhor os programas educativos e num maior espaço de tempo da sua aplicabilidade.
Descritores: Epidemiologia. Cárie dentária. Educação em saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Castro Meneghim, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Cláudia Elisa de Campos Esmeriz, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Programa de Pós-Graduação em Odontologia Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Patrícia Vilas- Boas, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Zuleica Maria Pedroso Meneghim, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Programa de Pós-Graduação em Odontologia Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Antonio Carlos Pereira, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Referências

1. Downer MC. Caries prevalence in the United Kingdom. Int Dent J.1994; 44:365-70.
2. Marthaler TM, O’Mullane DM, Vrbic V. The prevalence of dental caries in Europe 1990-1995. Orca saturday afternoon symposium 1995. Caries Res. 1996; 30:237-55.
3. Poorterman, JH, Aartman IH, Kieft JA, Kalsbeek H. Value of bite-wing radiographs in a clinical epidemiological study and their affect on the DMFS index. Caries Res. 2000; 34:159-63.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Levantamento epidemiológico em saúde bucal: Brasil, zona urbana, 1986. Brasília: Ministério da Saúde; 1988.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de assistência à saúde. Departamento de Assistência e Promoção à Saúde. Coordenação de Saúde Bucal. Levantamento epidemiológico em saúde bucal: 1ª
etapa - cárie dental. Brasília: Ministério da saúde; 1996.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção básica coordenação nacional de saúde bucal. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
7. Petersson HG, Bratthall D. The caries decline: a review of reviews. Eur J Oral Science. 1996; 104:436-43.
8. Loe CM, Scwarz E, Wong MCM. Arresting dentincaries in chinese preschoolchildren. Int J Pedriatr Dent. 1998; 8:253-60.
9. Schwarz E, Loe CM, Wong MCM. Prevention of early childhood demonstration trial on chinese pre-schoolchildren. Int J Pedriatr Dent. 1998; 58:12-8.
10. Pine CM, Mc Goldrick PM, Burnside G. Anintervention programmer to establish regular tooth brushing: understanding parents beliefs and
motivating children. Int Dent J. 2000; 50: 312-23.
11. Antunes JLF, Narvai PC. Políticas de saúde bucal no Brasil e seu impacto sobre as desigualdades em saúde. Rev Saúde Pública. 2010; 44:36065.
12. Zanin, LS. Avaliação de um programa educativo direcionado a crianças com alto risco à cárie [dissertação]. Piracicaba (SP): Faculdade de Programas educativos sobre condições bucais de escolares 40-46 Odontologia da UNICAMP; 2004.
13. Borges ESMT, Toledo OA. Prevalência de cárie em crianças de 0-5 anos. Avaliação após 5 anos de um programa preventivo. Rev ABO Nacional. 1999; 7:298-303.
14. Hawkins RJ, Zanetti DL, Main PA, Jokovic A,Dwyer JJM, Otchere DF, Locker D. Oral hygiene knowledge of high-risk grade one children:
an evaluation of two methods of dental health education. Community Dent Oral Epidemiol. 2000; 28:336-43.
15. Fabre RC, Viela EM, Biffi EMA. Programa de prevenção e educação em saúde bucal para crianças de 3 a 5 anos: um relato de experiência. Rev CROMG. 1998;4:101-7.
16. Ekstrand KR, Kuzmina IN, Kuzmina E, Christiansen ME. Two and a half-year outcome of caries-preventive programs offered to groups
of children in the Solntsevsky district of Moscow. Caries Res. 2000; 34:8-19.
17. Silveira JLGC, Oliveira V, Padilha WWN.Avaliação da redução do índice de placa visível e do índice de sangramento gengival em uma prática de promoção de saúde bucal com crianças. Pesqui.
Odontol Bras. 2002; 16:32-42.
18. Organização Mundial de Saúde. Levantamentos básicos em saúde bucal. 4ª ed. São Paulo: Santos; 1999.
19. Nyvad B, Machiulskiene V, Baelum A. Reliabilityof a new caries diagnostic system differentiating between active and inactive caries lesions. Caries Res. 1999; 33:252-60.
20. Fyffe HE, Deery C, Nugent ZJ, Nuttall NM, Pitts NB. Effect of diagnostic threshold on the validity and reliability of epidemiological caries diagnosis using the dundee selectable threshold method for
caries diagnosis (DSTM). Community Dent Oral Epidemiol. 2000; 28:42-51.
21. Cortelazzi KL, Tagliaferro EPS, Assaf AV, Tafner APMF, Ambrosano GMB, Bittar TO, et al. Influência de variáveis socioeconômicas, clínicas e demográfica na experiência de cárie dentária em pré-escolares de Piracicaba, SP. Rev Bras Epidemiol. 2009; 12:490-500.
22. Loe H. The gingival index, the plaque index and the retention index systems. J Periodontol. 1967; 38:610-6.
23. Brasil. Ministério da Saúde. SB Brasil. 2010 [Internet]. [acesso em 2011 jul 17]. Disponível em: www.saúde.gov.br
24. Souza Filho MD, Carvalho GDF, Martins MCC. Consumo de alimentos ricos em açúcar e cárie dentária em pré-escolares. Arq Odontol. 2010; 46:152-59.
25. Tomita NE, Nadanovsky P, Vieira ALF, Lopes ES. Preferências por alimentos doces e cárie dentária em pré-escolares. Rev Saúde Pública. 1999; 33:542-6.
26. Narvai PC, Frazão P, Roncalli AG, Antunes JLF. Cárie dentária no Brasil: declínio, polarização, iniqüidade e exclusão social. Rev Panam Salud Publica. 2006; 19:385-93.
27. C arvalho JC, Ekstrand KR, Thylstrup A. Resultsafter 3 year of nom-operative occlusal caries treatment of erupting permanent first molars. Community Dent Oral Epidemiol. 1992; 20:187- 92.
28. Camargo EC, Menezes HS. Programa de controle da cárie dentária e higiene bucal em escolares “Prevenção bucal: saúde total”. Rev Dent on line. 2003; 3:1-11.
29. Marinho VCC, Higgins JPT, Sheiham A, Logan S. Combinations of topical fluoride (toothpastes, mouthrinses, gels, varnishes) versus single topical fluoride for prevent dental caries in children and
adolescents. Cochrane Database Syst Rev. 2004. DOI 10.1002/14651858.CD002781.
30. Cangussu MCT, Costa MCN. O flúor tópico na redução da cárie dental em adolescentes de Salvador – BA, 1996. Pesqui Odontol Brás. 2001; 15:348-53.

Publicado

2016-05-23

Como Citar

Meneghim, M. de C., Esmeriz, C. E. de C., Boas, P. V.-., Meneghim, Z. M. P., & Pereira, A. C. (2016). Impacto de programas educativos sobre condições bucais de escolares de 6 e 7 anos em duas escolas municipais do interior do Estado de São Paulo/Brasil. Arquivos Em Odontologia, 48(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3590

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)