O mercado de trabalho odontológico em saúde coletiva: possibilidades e discussões

  • Antonio Carlos Pereira Universidade de Campinas - UNICAMP
  • Fábio Luiz Mialhe Universidade de Campinas - UNICAMP
  • Stela Márcia Pereira Universidade de Campinas - UNICAMP
  • Marcelo de Castro Meneghim Universidade de Campinas - UNICAMP

Resumo

Devido a uma aparente saturação do campo de trabalho privado, principalmente nos grandes centros, o trabalho na área de saúde bucal coletiva no setor público ou privado tem sido um nicho de mercado em plena expansão neste início de século. A partir do exposto, o presente artigo teve como objetivo discutir
esses aspectos específicos, abordando as possibilidades para o profissional que se interessar em exercer sua profissão dentro deste campo de saberes e práticas.
Descritores: Odontologia em saúde pública. Mercado de trabalho. Especialidades odontológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Pereira, Universidade de Campinas - UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), Universidade de Campinas (UNICAMP), Piracicaba,
SP, Brasil

Fábio Luiz Mialhe, Universidade de Campinas - UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), Universidade de Campinas (UNICAMP), Piracicaba,
SP, Brasil

Stela Márcia Pereira, Universidade de Campinas - UNICAMP

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), Universidade de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Marcelo de Castro Meneghim, Universidade de Campinas - UNICAMP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), Universidade de Campinas (UNICAMP), Piracicaba,
SP, Brasil

Referências

1. Brasil. Ministério do Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios:
acesso e utilização de serviços de saúde 2003. Rio de Janeiro: IBGE, 2001.
2. Pinheiro RS, Torres TZG. Uso de serviços odontológicos entre os estados do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2006; 11:999-1010.
3. Assada R M. Paradoxos da lei dos planos de saúde. Rev ABO Nac. 2002; 10:266-7.
4. Vieira C, Costa NR. Estratégia profissional e mimetismo empresarial: os planos de saúde odontológicos no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2008; 13:1579-88.
5. Zanetti CHG. A crise da Odontologia brasileira: as mudanças estruturais do mercado de serviços e o esgotamento do modo de regulação curativo de massa. Anais Universitários. Série Ciências
Sociais e Humanas. 1999. 21p.
6. Rouquayrol MZ, GoldBaum M. Epidemiologia, história natural e prevenção de doenças. In: Rouquayrol MZ, Filho NA. Epidemiologia e
saúde. 6ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. p.17-35.
7. Birman J. A physis da saúde coletiva. Rev Saúde Coletiva 2005; 15: 11-6.
8. Paim JS, Almeida FN. Saúde coletiva: uma “nova saúde pública” ou campo aberto a novos paradigmas? Rev Saúde Pública 1998; 32: 299- 316.
9. Narvai PC, Frazão P. Epidemiologia, política e saúde bucal coletiva. In: Antunes JLF, Peres MA. Fundamentos de Odontologia: epidemiologia da saúde bucal. Rio de janeiro: Guanabara Koogan,
2006.
10. Conselho Nacional de Secretários da Saúde. Para entender a gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2003.
11. Bahia L, Luiz RR, Salm C, Costa AJL, Kale PL, Cavalcanti MLT. O mercado de planos e seguros de saúde no Brasil: uma abordagem exploratória sobre a estratificação das demandas segundo o
PNAD 2003. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11:951- 65.
12. Brasil. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. O SUS pode ser seu melhor plano de saúde. Brasília: IDEC; 2003.
13. Pucca Jr GA. A política nacional de saúde bucal como demanda social. Ciênc Saúde Coletiva. 2006; 11:234-46.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Centro de especialidades, 2004. [Acesso em 2007 jul 12]. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/saudebucal/especialidades.php
15. Silva AA. O mercado de trabalho odontológico. JAOS. 2000; 22:17-29.
16. Kriger L, Morita MC. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004; 4:17:21.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Fundo Nacional de Saúde. Gestão financeira do Sistema Único de Saúde: manual básico. 3ªed. rev e ampl. Brasília: Ministério da Saúde; 2003. (Série A. Normas e
Manuais Técnicos).
18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Cadernos de atenção básica, 17).
19. Aerts D, Abegg C, Cesar K. O papel do cirurgiãodentista
no Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004, 9:131-8.
20. Dickson M, Abegg C. Desafios e oportunidades para a promoção de saúde bucal. In: Buischi YP, organizador. Promoção de saúde bucal na clínica odontológica. São Paulo: Artes Médicas; 2000. p.39-66.
21. Sheiham A, Moysés SJ. O papel dos profissionais de saúde bucal na promoção de saúde. In: Buischi, Y. Promoção de saúde bucal na clínica odontológica. São Paulo: Artes Médicas/APCD;2000. p.23-37.
22. Costa EA. Vigilância Sanitária: proteção e defesa da saúde. São Paulo: Hucitec; 1999.
24. Chaves SCL, Silva LMV. As práticas profissionais no campo público de atenção à saúde bucal: o caso de dois municípios da Bahia. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12:1697:710.
25. Conselho Federal de Odontologia. Perfil do cirurgião-dentista do Brasil, 2003. [acesso em 2007 jul 10]. Disponível em: www.cfo.org.br/ download/pdf/perfil_CD.pdf
26. Andrade M, Tescarollo A. Vida fora do consultório. Rev ABO Nac. 2006; 14:3-14.
27. Gazeta Mercantil. Iniciativa privada quer participar da saúde pública 30/04/2007. [acesso em 2007 mai 31 mai]. Disponível em: www. febrafarma.org.br
28. Almeida A. A solução para o problema da saúde é mista e solidária. Estud Av. 1999; 35: 17-24.
29. Malta DC, Cecílio LCO, Merhy EE, Franco TB, Jorge AO, Costa MA. Perspectivas na regulação da saúde suplementar diante dos modelos
assistenciais. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9:433- 44.
30. Freitas CHSM. Dilemas no exercício profissional da odontologia: a autonomia em questão. Interface. 2007; 11:25-8.
31. Canabrava CM, Andrade EIG, Janones FA. Sistema único de saúde e o terceiro setor: caracterização de entidades, não hospitalares, que
possuem serviços em atenção básica de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23:115-26.
32. Mapa do terceiro setor. [acessado em 2007 jul 12]. Disponível em: http://www.mapadoterceirosetor. org.br
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Pereira, A. C., Mialhe, F. L., Pereira, S. M., & Meneghim, M. de C. (2016). O mercado de trabalho odontológico em saúde coletiva: possibilidades e discussões. Arquivos Em Odontologia, 46(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3550
Seção
Artigos