Extensão universitária e trabalho voluntário na formação do acadêmico em Odontologia

  • Stela Márcia Pereira Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • Fábio Luiz Mialhe Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Luciano José Pereira Universidade Federal de Lavras - UFLA
  • Márcia de Fátima Soares Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS
  • Elaine Pereira da Silva Tagliaferro Universidade Estadual Paulista - FOAR-UNESP
  • Marcelo de Castro Meneghim Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Antonio Carlos Pereira Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Resumo

Este estudo destacou a importância da vivência do acadêmico em odontologia em atividades extramuros e experiências de trabalho voluntário para a aquisição de conhecimentos e habilidades importantes na futura prática profissional. Foi realizada uma revisão bibliográfica nas bases de dados Medline, Scielo e  Lilacs, selecionando os artigos relacionados às atividades de extensão e voluntariado desempenhadas pelos alunos de odontologia. A extensão universitária e o serviço voluntário ainda encontram dificuldades, dentro dos cursos de Odontologia, para se estabelecerem como práticas importantes para a formação do aluno. Entretanto, o mercado de trabalho atual exige um profissional com conhecimentos tanto da técnica quanto
das características socioculturais da comunidade no desenvolvimento de sua prática odontológica, uma vez que o ser humano necessita ser compreendido nos seus aspectos biopsicosociais para ser tratado de forma integral. Desta forma, os cursos de Odontologia deveriam prestigiar de forma igualitária na formação do aluno, tanto as habilidades reabilitadoras como as de promoção de saúde, adquiridas, em grande parte, em atividades extra-murais, de maneira a resgatar a formação integral do profissional da saúde. Além disso,
o acadêmico deve estar atento às oportunidades oferecidas nestes aspectos durante a graduação, já que a odontologia está se tornando mais competitiva, e o cirurgião-dentista que resume sua vida profissional apenas
ao seu consultório, perde a chance de fazer-se conhecer e atuar em outros espaços sociais.
Descritores: Comunidade-Instituição. Educação superior. Ensino. Aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stela Márcia Pereira, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras, MG, Brasil
Fábio Luiz Mialhe, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil
Luciano José Pereira, Universidade Federal de Lavras - UFLA
Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras, MG, Brasil
Márcia de Fátima Soares, Centro Universitário de Lavras- UNILAVRAS

Departamento de Odontologia em Saúde Coletiva, Curso de Odontologia, Centro Universitário de Lavras (UNILAVRAS), Lavras, MG, Brasil

Elaine Pereira da Silva Tagliaferro, Universidade Estadual Paulista - FOAR-UNESP

Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Araraquara, Universidade Estadual Paulista (FOAR-UNESP),
Araraquara, SP, Brasil

Marcelo de Castro Meneghim, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil
Antonio Carlos Pereira, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Referências

1. Aquilante AG, Tomita NE. O estudante de odontologia e a educação. Rev ABENO. 2004; 5:6-11.
2. Aoba T, Fejerskov O. Dental fluorosis: chemistry and biology. Crit Rev Oral Biol Med. 2002; 13:155-70.
3. Elderton RJ. Ciclo restaurador repetitivo. In: Kriger L. ABOPREV: Promoção de saúde bucal. São Paulo: Artes Médicas; 1997. p. 195-203.
4. Madeira MC. Ensino, pesquisa e extensão. In: Carvalho ACP, Kriger L. Educação Odontológica. São Paulo: Artes Médicas; 2006. 264p.
5. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do
Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União. Brasília 2002; 10.
6. Zoletti G, Giondo M. Análise qualitativa sobre a opinião acadêmica da faculdade de odontologia da UFRJ com relação ao papel do CD na sociedade. [acesso em 2007 fev 02]. Disponível em: www.
odontologia.com.br
7. Botazzo C. Saúde bucal e cidadania: transitando entre a teoria e a prática. In: Pereira AC. Odontologia em saúde coletiva, planejando ações e promovendo saúde. Porto Alegre: Artmed; 2003. p.17-27.
8. Marcos B. Reflexões sobre ensino e saúde. Belo Horizonte: Littera Maciel; 1998.
9. Medeiros UV. Saúde Bucal: comunidade, percepção da necessidade de saúde bucal pela comunidade. Rev APCD. 1989; 43:120-4.
10. Moraes N, Bijella VT. Educação odontológica do paciente. Rev APCD. 1982; 36:300-7.
11. Chaves MM. Odontologia Social. São Paulo: Artes Médicas; 1986.
12. Gomes AS, Gianlupi EM, Abreu CB. A importância da conscientização e da prática preventiva em odontologia. Rev Odonto Ciênc. 1993; 8:115-24.
13. Dickson M, Abegg C. Desafios e oportunidades para a promoção de saúde. In: Buischi YP. Promoção de saúde Bucal na clínica odontológica, série EAP-APCD. São Paulo: Artes Médicas; 2000.
14. Pinto VG. Saúde Bucal Coletiva. São Paulo:
Santos; 2000.
15. Frank MC. Providing volunteer dentistry in a foreign country. Tex Dent J. 2002; 119:1130-1.
16. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais-INEP. Diretrizes Curriculares: Propostas das Comissões do Exame Nacional
de Cursos - Ministério da Educação e Cultura- MEC. Brasília 1998: 87-98.
17. Brasil. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras e pela Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação e do Desporto. Plano Nacional de Extensão Universitária. 2000-2001:17.
18. Ministério da Saúde - Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação profissional em Saúde - Pró-Saúde.
Série C. Projetos, Programas e Relatórios. 1º edição, Brasília 2005. [acesso em 2007 fev 25]. Disponível em: ttp://www.saude.gov.br/bvs
19. Brasil. Ministério da Educação. Programa de Apoio à Extensão Universitária- PROEXT. [acesso em 2007 jan 01]. Disponível em: www. mec.gov.br
20. Silva OD. O que é extensão universitária? Rev Integ Ens Pesq Ext. 1997; 3:148-9.
21. Matos PE, Tomita NE. A inserção da saúde bucal no Programa Saúde da Família: da universidade aos pólos de capacitação. Cad Saúde Pública. 2004; 20:1538-44.
22. Sousa EM, Macedo TF, Batista MD, Leite AL. Extensão Universitária na rede pública de ensino: um compromisso relevante. João Pessoa. 2002; 5:181-5. [acesso em 2007 jan 01]. Disponível em: http://www.adufpb.org.br/publica/conceitos/07/ art_30.pdf
23. Unisol-Universidades: Guia de Referência para ações do UNISOL - Módulo Nacional. Brasília 2002: 1-22.
24. Palmier AC. A participação da faculdade de odontologia da UFMG no programa sorriso no campo. Anais do II Congresso de Brasileiro de
Extensão Universitária. Belo Horizonte. 2004. [acesso em 2008 jun 10]. Disponível em: http:// www.ufmg.br/congrext/Saude/area_de_saude. html
25. Werneck MA, Lucas SD. Estágio supervisionado em odontologia: uma experiência da integração ensino/serviço de saúde bucal. Arq Centro Estud Curso Odontol. 1996; 32:95-108. [acesso em
2008 jun 10]. Disponível em: www.amweb.com. br/odonto/arquivos/estagio.doc.
26. Paixão HH. Saúde e doença: um estudo de representação social. Arq Centro Estud Curso Odontol. 1986; 23:9-17. In: Silva CJ, Ferreira
EF, Magnago FM, Alves RG. Percepção de saúde bucal dos usuários do Sistema Único de Saúde do município de Coimbra/Minas Gerais. Rev Fac Odontol. 2006; 47:23-8.
27. Resende VL, Castilho LS, Viegas CM, Soares MA. Atendimento odontológico a pacientes com necessidades especiais. Anais do II Congresso de Brasileiro de Extensão Universitária. Belo Horizonte. 2004. [acesso em 2008 jun 10]. Disponível em: http://www.ufmg.br/congrext/ Saude/area_de_saude.html
28. Santa-Rosa TT, Vargas AM, Ferreira EF. O internato rural e a formação de estudantes do curso de Odontologia da UFMG. Interface
Comunic Saúde Educ. 2007; 11:451-66.
29. Valença AM. A educação em saúde na formação do cirurgião-dentista. Niterói: EDUFF, 1998.
30. Celeste RK, Miguens SA, Delgado S. Projeto mantendo sorrisos/fala criança. Uma integração odontologia e fonoaudiologia. I Congresso de Brasileiro de Extensão Universitária, 353. João
Pessoa: PRAC, UFPB, 2002.
31. Barros ES, Maciel AE, Menezes VA, Mesquita MF. Programa de extensão universitária de alunos da faculdade de odontologia de Pernambuco FOP/UPE. I Congresso Brasileiro de Extensão
Universitária, 340. João Pessoa: PRAC, UFPB, 2002.
32. Lima FA, Mialhe FL, Takejima SY, Hoeppner MG, Klein AL. Atenção odontológica a crianças do município de Maria Helena/PR. A construção de um modelo de ensino-extensão. I Congresso
Brasileiro de Extensão Universitária, 263. João Pessoa: PRAC, UFPB, 2002.
33. Sampaio TP, Padilha WW, Almeida RV, et al. Extensão em odontologia: da teoria à prática: elaboração de um modelo assistencial por graduandos da UFPB. I Congresso de Extensão
Universitária, 348. João Pessoa: PRAC, UFPB, 2002.
34. Moimaz SA, Saliba NA, Garbin CA, Zina LV, Furtado JF, Amorin JA. Serviço extramuro odontológico: impacto na formação profissional. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2004; 4:53-7.
35. Carvalho MS, Souza-Santos R. Análise de dados espaciais em saúde pública: métodos, problemas, perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005; 21 361- 78.
36. Galassi MA, Barbin EL, Spanó JC, Melo JA, Tortamano N, Carvalho AC. Atividades extramuros como estratégia viável no processo
ensino-aprendizagem. Rev ABENO. 2005; 6:66-9.
37. Mendes RF, Moura MS, Prado Júnior RR, et al. Contribuição do estágio supervisionado da UFPI para a formação humanística, social e integrada. Rev ABENO. 2005; 6:61-5.
38. Universidade Metodista de Piracicaba. Programa para o Serviço Voluntário. [acesso em 2007 jan 02]. Disponível em: http://www.unimep.br.
39. Meneghim MC, Pereira AC, Mialhe FL, Pardi V, Assaf AV, Zanin L, et. al. Projeto “Sempre Sorrindo”: a experiência da parceria entre FOP/ UNICAMP, Fundação Belgo-Mineira e Prefeitura Municipal de Piracicaba. I Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 264. João Pessoa: PRAC, UFPB, 2002.
40. Conrado CA, Gomes GS. Dental teaching in Brazil and the need for change. Braz Dent J. 1992; 2:145-6.
41. Programa dos Voluntários das Nações Unidas no Brasil - PNUD Brasil. [acesso em 2007 fev 12]. Disponível em: www.pnud.org.br/unv.html
42. Fundação Educar DPASCHOAL. Seja um Voluntário. [acesso em 2007 fev 02]. Disponível em: www.voluntarios.com.br
43. Andrade, M. Construindo sorrisos. Rev ABO Nac. 2000; 8:262-70.
44. Fatos & Notícias. Fabio Bibancos leva projeto dentistas do bem para o Fórum Mundial de Empreendedores Sociais na Suíça. [acesso
em 2007 mar 12]. Disponível em: www. fatosenoticias.com.br
45. Ferreira RA. Os bons samaritanos. Rev APCD. 1998; 52:182-91.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Pereira, S. M., Mialhe, F. L., Pereira, L. J., Soares, M. de F., Tagliaferro, E. P. da S., Meneghim, M. de C., & Pereira, A. C. (2016). Extensão universitária e trabalho voluntário na formação do acadêmico em Odontologia. Arquivos Em Odontologia, 47(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3568
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)