Estimativa de dose efetiva e detrimento em exames de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC)

  • Virgínia Medeiros Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Keli Bahia Felicíssimo Zocratto Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte
  • Cláudia Borges Brasileiro Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Resumo

Objetivo: Estimar a dose efetiva (E) e o detrimento associados aos exames de Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico (TCFC), seguindo as últimas recomendações da International Comission on Radiological Protection (ICRP). Materiais e Métodos: A E foi calculada multiplicando-se as doses
absorvidas/equivalentes pela medula óssea, tireóide, pele, superfície óssea, glândulas salivares, cérebro e órgãos remanescentes (região extra-torácica, linfonodos, músculo e mucosa oral), resultantes de diferentes
equipamentos e protocolos de aquisição de imagens, pelo fator de peso desses tecidos. O detrimento foi estimado multiplicando-se o valor de E pelo coeficiente de probabilidade de efeitos estocásticos resultantes
de baixas doses de radiação que é 5,7 x 10-2 eventos por Sievert (Sv). Os equipamentos e protocolos foram agrupados de acordo com o volume irradiado (campo de visão). A média, desvio padrão e coeficiente de
variação de cada grupo foram calculados. Resultados: Protocolos que empregaram um campo de visão maior resultaram em aumento da dose efetiva e do detrimento. As médias (desvio-padrão) das doses efetivas
para campos de visão pequeno, médio e grande foram 33,91 μSv (13,38), 82,85 μSv (74,26) e 107,99 μSv (43,82), respectivamente. O grupo de campo de visão pequeno apresentou menor coeficiente de variação
(39%). Conclusão: A E resultante da TCFC é alta comparada a outros exames radiográficos convencionais, embora o detrimento seja relativamente pequeno. A indicação dos exames e a seleção dos protocolos devem
ser criteriosamente justificadas de forma que os benefícios resultantes da exposição dos pacientes à radiação superem o potencial detrimento.
Descritores: Tomografia computadorizada de feixe cônico. Dosagem de radiação. Medição de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgínia Medeiros Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Keli Bahia Felicíssimo Zocratto, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte
Curso de Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG, Brasil
Cláudia Borges Brasileiro, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Núcleo de Radiações Ionizantes (NRI), Departamento de Engenharia Nuclear, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Ludlow JB, Davies-Ludlow LE, White SC. Patient risk related to common dental radiographic examinations: the impact of 2007 International Commission on Radiological Protection regarding dose calculation. J Am Dent Assoc. 2008; 139:1237-43.
2. Garib DG, Raymundo Jr R, Raymundo MV, Raymundo DV, Ferreira SN. Tomografia computadorizada de feixe cônico (cone beam):
entendendo este novo método de diagnóstico or imagem com promissora aplicabilidade na ortodontia. Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2007; 12:139-56.
3. Mohan R, Singh A, Gundappa M. Three dimensional imaging in periodontal diagnosis: utilization of cone beam computed tomography. J Indian Soc Periodontol. 2011; 15:11-7.
4. Roberts JA, Drage NA, Davies J, Thomas DW. Effective dose from cone beam CT examinations in dentistry. Br J Radiol. 2009; 82:35-40.
5. Qu X-M, Li G, Ludlow JB, Zhang Z-Y, Ma X-C. Effective radiation dose of ProMax 3D cone-beam computerized tomography scanner with different dental protocols. Oral Surg Oral Med Oral Pathol
Oral Radiol Endod. 2010; 110:770-6.
6. Torres MGG, Campos PSF, Neto Segundo NP, Ribeiro M, Navarro M, Crusoé-Rebello I. Avaliação de doses referenciais obtidas com
exames de tomografia computadorizada de feixe cônico adquiridos com diferentes tamanhos de
voxels. Dental Press J Orthod. 2010; 15:42-3.
7. Pauwels R, Beinsberger J, Collaert B, Theodorakou C, Rogers J, Walker A, et al. Effective dose range for dental cone beam computed tomography scanners. Eur J Radiol. 2012; 81:267-71.
8. Wrixon AD. New ICRP recommendations. J Radiol Prot. 2008; 28:161-8.
9. Ludlow JB, Ivanovic M. Comparative dosimetry of dental CBCT devices and 64-slice CT for oral and maxillofacial radiology. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2008; 106:106- 14.
10. Wrixon AD. New recommendations from the International Commision on Radiological Protection: a review. Phys Med Biol. 2008;
53:R41-R60.
11. International Commission on Radiological Protection. The 2007 Recommendations of the International Commission on Radiological
Protection. ICRP Publication 103. Ann ICRP. 2007; 37:1-332.
12. Gibbs SJ, Pujol Jr. A, Chen T-S, James Jr. A. Patient risk from intraoral dental radiography. Dentomaxillofac Radiol. 1988; 17:15-23.
13. Hatcher, D. Operational principles for cone-beam computed tomography. J Am Dent Assoc. 2010; 141:3S-6S.
14. Scarfe WC, Farman AG. What is cone-beam CT and how does it work. Dent Clin N Am. 2008; 52:707-30.
15. Tetradis S, Anstey P, Graff-Radford S. Cone beam computed tomography in the diagnosis of dental disease. J Calif Dent Assoc. 2010; 138:27- 32.
16. Loubele M, Bogaerts R, Van Dijck E, Pauwels R, Vanhersden S, Suetens P, et al. Comparison between effective radiation dose of CBCT and MSCT scanners for dentomaxillofacial applications. Eur J Radiol. 2009; 71:461-8.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Ferreira, V. M., Zocratto, K. B. F., & Brasileiro, C. B. (2016). Estimativa de dose efetiva e detrimento em exames de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC). Arquivos Em Odontologia, 48(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3616
Seção
Artigos