Percepção infantil através de desenhos e caracterização verbal sobre o cirurgião-dentista

  • Daniel Soares Paes De Andrade Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
  • Talita Barbosa Minhoto Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
  • Fernanda de Araújo Trigueiro Campos Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
  • Monalisa Cesarino Gomes Universidade Estadual da Paraíba -UEPB
  • Ana Flávia Granville- Garcia Universidade Estadual da Paraíba -UEPB
  • Jainara Maria Soares Ferrreira Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ

Resumo

Objetivo: A pesquisa teve como objetivo interpretar a percepção de crianças sobre o cirurgião-dentista por meio da análise de desenhos e caracterização verbal. Materiais e Métodos: Um estudo transversal, com abordagem quantitativa e qualitativa, foi realizado com 60 crianças entre 7 e 12 anos de idade em escola pública e privada. Os pais/responsáveis responderam um questionário sociodemográfico e as crianças foram entrevistadas para caracterização do cirurgião-dentista, tipo e frequência de atendimento odontológico. Além disso, foi solicitado que as crianças desenhassem à mão livre o cirurgião-dentista. A análise dos desenhos foi realizada por meio de um roteiro previamente validado e os dados foram analisados no software Statistical Package for the Social Science (SPSS) versão 13.0 sob a forma de estatística descritiva e inferencial (Teste Exato de Fisher e Qui-quadrado de Pearson) com nível de significância de 5%. Resultados: Através da análise
dos desenhos, a maioria das crianças apresentou uma impressão negativa do cirurgião-dentista (51,7%). De forma mais frequente, o cirurgião-dentista realizava procedimentos preventivos (71,7%), era amistoso
(76,7%) e explicava os procedimentos a serem realizados nas crianças (79,4%), porém a maior parte das crianças não compreendia as explicações (53,8%), de acordo com a entrevista realizada com as crianças. Além
disso, houve associação estatisticamente significativa apenas entre sexo masculino e imagem negativa do cirurgião-dentista (p = 0,009). Conclusão: As crianças apresentaram uma impressão negativa do cirurgiãodentista
e teve associação com o sexo masculino. Além disso, as crianças não compreendiam as explicações dos procedimentos, apesar da explicação prévia. Assim, torna-se necessário o planejamento de ações para
desmistificação da imagem negativa do cirurgião-dentista e sensibilização dos profissionais sobre a psicologia aplicada para crianças.
Descritores: Odontologia. Criança. Relações dentista-paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Soares Paes De Andrade, Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
Departamento de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil.
Talita Barbosa Minhoto, Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
Departamento de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil.
Fernanda de Araújo Trigueiro Campos, Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
Departamento de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil.
Monalisa Cesarino Gomes, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB
Departamento de Clínica Odontológica, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campina Grande, Paraíba, Brasil.
Ana Flávia Granville- Garcia, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB
Programa de Pós-Graduação em Odontologia, UEPB, Campina Grande, Paraíba, Brasil.
Jainara Maria Soares Ferrreira, Centro Universitário de João Pessoa -UNIPÊ
Departamento de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Referências

1. Bhatia S, Chadwick B. Behaviour management of anxious children. Dent Nurs. 2010; 6:88-92.
2. Davies EB, Buchanan H. An exploratory study investigating children’s perceptions of dental behavioural management techniques. Int J Paediatr Dent. 2013;23:297-309.
3. Massoni ACL, Ferreira JMS, Colares V, Duarte RC. Roteiro para interpretação de desenhos: facilitando a abordagem da criança no consultório odontológico. Arq Odontol. 2008;44:31-6.
4. Bottan ER, Oglio JD, Araújo SM. Ansiedade ao Tratamento Odontológico em Estudantes do Ensino Fundamental. Pesqui Bras
Odontopediatria Clín Integr. 2007; 7:241-6.
5. Aminabadi NASL, Ghoreishizadeh A, Ghoreishizadeh M, Oskouei SG. Can drawing be considered a projective measure for children’s
distress in paediatric dentistry? Int J Paediatr Dent. 2011;21:1-12.
6. Driessnack M. Children’s drawings as facilitators of communication: a meta-analysis. J Pediatr Nurs. 2005;20:415-23.
7. Looman WS. A developmental approach to understanding drawings and narratives from children displaced by Hurricane Katrina. J
Pediatr Health Care. 2006;20:158-66.
8. Colares V, Arribas BS, Frei D, Lira MF. A percepção do dentista pela criança surda. Rev Fac Odontol Pernamb. 1999;17:33-40.
9. Colares V, Santos MF. Visão que a criança tem do dentista através da interpretação de desenhos. Rev ABO Nac. 2000;7:359-63.
10. Taani DQ, El-Qaderi SS, Abu Alhaija ES. Dental anxiety in children and its relationship to dental caries and gingival condition. Int J Dent Hyg. 2005;3:83-7.
11. Fioravante DP, Soares MRZ, Silveira JM, Zakir NSA. Análise funcional da interação profissional-paciente em odontopediatria. Estud
Psicol. 2007;24:267-77.
12. Ferreira MA, Manso MC, Gavinha S. Ansiedade e fobia dentária: avaliação psicométrica num estudo transversal. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac. 2008;49:77-86.
13. Ten Berge M, Veerkamp J, Hoogstraten J. Dentists behavior in response to child dental fear. J Dent Child. 1999;66:36-40.
14. Klingberg G, Broberg A. Dental fear / anxiety and dental behaviour management problems in children and adolescents: a review of prevalence and concomitant psychological factors. Int J
190 10.7308/aodontol/2013.49.4.05 Paediatr Dent. 2007;17:391-406.
15. Carrillo-Diaz M, Crego A, Romero-Maroto M. The influence of gender on the relationship between dental anxiety and oral health-related emotional well-being. Int J Paediatr Dent. 2013;23:180-7.
16. Wogelius P, Poulsen S, Sørensen T. Prevalence of dental anxiety and behaviour management problems among six to eight years old Danish children. Acta Odontol Scand. 2003;61:178-83.
17. Ramos-Jorge J, Marques LS, Homem MA, Paiva SM, Ferreira MC, Ferreira FO, et al. Degree of dental anxiety in children with and without toothache: prospective assessment. Int J Paediatr
Dent. 2013;23:125-30.
18. Pavarino MG, Prette AD, Prette ZAP. Agressividade e empatia na infância: Um estudo correlacional com pré-escolares. Interação Psicol.
2005;9:215-25.
19. Ferreira JMS, Aragão AKR, Colares V. Técnicas de controle do comportamento do paciente infantil: revisão de literatura. Pesqui Bras
Odontopediatria Clín Integr. 2009;9:247-51.
20. Fayle AS, Tahmassebi JF. Pediatric Dentistry in the new millennium: 2. Behavior managementhelping children to accept dentistry. Dent Update. 2003;30:294-8.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Andrade, D. S. P. D., Minhoto, T. B., Campos, F. de A. T., Gomes, M. C., Garcia, A. F. G.-, & Ferrreira, J. M. S. (2016). Percepção infantil através de desenhos e caracterização verbal sobre o cirurgião-dentista. Arquivos Em Odontologia, 49(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3642
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)