Arquivos em Odontologia Volume 44 Nº 03 Julho/Setembro de 2008 l l 31 Roteiro para interpretação de desenhos: facilitando a abordagem da criança no consultório odontológico

  • Andreza Cristina de Lima Targino Massoni Universidade de Pernambuco - UPE
  • Jainara Maria Soares Ferreira Universidade de Pernambuco - UPE
  • Viviane Colares Universidade de Pernambuco - UPE
  • Ricardo Cavalcante Duarte Universidade Federal da Paraíba- UFPB

Resumo

Um dos aspectos que favorece o atendimento odontológico do paciente infantil é a construção de uma relação de confiança com o profissional, sendo necessário o conhecimento do desenvolvimento psicossocial da criança. O desenho da figura humana constitui uma rica fonte de informações, refletindo as interações do indivíduo com o ambiente. O propósito deste estudo foi elaborar um roteiro para interpretação de desenhos infantis relacionados ao dentista, visando sua utilização na abordagem da criança no consultório odontológico. A amostra constou de 43 escolares da rede pública e privada, da cidade de João Pessoa-PB, na faixa etária de 7 a 12 anos, que fizeram desenhos relacionados à figura do dentista. A interpretação dos desenhos foi feita por duas examinadoras de forma independente e, posteriormente, aplicou-se o coeficiente Kappa a fim de se verificar o nível de concordância. Obteve-se um valor de Kappa considerado ótimo (0,88). Como análise geral, a imagem do dentista apresentou-se predominantemente positiva. O Roteiro proposto para interpretação dos desenhos é um método auxiliar de fácil utilização por cirurgiões-dentistas para obter informações adicionais sobre a percepção da criança da situação odontológica, colaborando com a abordagem do paciente durante o atendimento e favorecendo a relação profissional paciente.
Descritores: Técnicas psicológicas. Odontopediatria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Cristina de Lima Targino Massoni, Universidade de Pernambuco - UPE
Doutoranda em Odontopediatria, UPE
Jainara Maria Soares Ferreira, Universidade de Pernambuco - UPE
Doutoranda em Odontopediatria, UPE
Viviane Colares, Universidade de Pernambuco - UPE
Profa. Adjunta, Odontopediatria, UPE
Ricardo Cavalcante Duarte, Universidade Federal da Paraíba- UFPB
Doutor em Odontopediatria, UFPB

Referências

1. Pinkham JR. Observation and interpretation of the child dental patient’s behavior. Pediatr Dent. 1979; 1:21-6.
2. Klatchoian DA. O comportamento da criança como elemento chave em odontopediatria. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê 1998; 1:102-9.
3. Colares V, Rosenblatt A. Administração do comportamento do paciente infantil. In: Rosenblatt A. Clínica odonto pediátrica: uma
abordagem preventiva. Recife: EDUPE; 1998. p.39-52.
4. Nóbrega MS. Importância dos conhecimentos psicológicos em odontopediatria. Odont Mod. 1995; 22:10-8.
5. Colares V, Santos MF. Visão que a criança tem do dentista através da interpretação de desenhos. Rev ABO Nac. 2000; 7:359-63.
6. Neder M. Evolução dos desenhos. Como estudar desenhos de crianças. Bol Psicol 1955; 6/7:139- 44.
7. Kolck OL. Interpretação psicológica de desenhos. 5 ed São Paulo: Pioneira Ltda; 1968.
8. Luquet GH. O desenho infantil. 5 ed. Lisboa: Companhia Editora do Minho; 1969.
9. Eichenbaum IW, Dunn NA. Projective drawings by children under repeated dental stress. J Dent Child. 1971; 38:164-74.
10. Klepsch M, Logie L. Crianças desenham e comunicam: uma introdução aos usos projetivos de desenhos infantis da figura humana. 7 ed. Porto Alegre: Artes Médicas. 1984.
11. Cariola TC, Martins RP. O desenho da figura humana realizado por crianças de visão subnormal. Pediatr Mod. 2001; 37:658-64.
12. Silva SM. Condições Sociais da Constituição do Desenho Infantil. Psicol USP 1989; 9:1-13.
13. Angeline AL, Kolck OL. Alguns estudos psicológicos em desenhos livres de crianças brasileiras. Bol Psicol 1967; 18/19:85-90.
14. Bordoni T. Descoberta de um universo: a evolução do desenho infantil. Linha Direta 2000.Disponível em: < http://www.profala.com/
arteducesp62.htm >
15. Silva SR, Guedes-Pinto AC, Reginato SM, Chippari M. A percepção da criança com relação à odontopediatria: um acréscimo da psicologia a
odontologia. Rev Odontopediatr. 1992; 127-55.
16. Sandrini JC, Bonacin P, Christóforo LR. Reações minfantis frente ao atendimento odontológico e suas manifestações psíquicas. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê 1998; 1:75-89.
17. Colares V, Arribas BS, Frei D, Lira MF. A percepção do dentista pela criança surda. Rev Fac Odontol Pernamb. 1999; 17:33-40.
18. Machover K. Personality projection in the drawnings of the human figure. Springfield:Charles CT, 1949.
19. Kolck OL, Kolck TV. Análise de itens de desenhos da figura humana de um grupo de crianças de 8 anos de idade. Bol Psicol 1972; 24:43-57.
20. Koppitz EM. El dibujo de la figura humana en los niños: evaluación psicológica. Buenos Aires: Guadalupe; 1976.
21. Van Kolck OL. Técnicas de exame psicológico e suas aplicações no Brasil: Testes de aptidão. Petrópolis: Vozes;1981.
22. Di Leo JH. A interpretação do desenho infantil. 3 ed. Tradução Marlene Neves Strey. Porto Alegre: Artes Médicas; 1991.
23. Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977; 33:159-74
Publicado
2016-03-14
Como Citar
Massoni, A. C. de L. T., Ferreira, J. M. S., Colares, V., & Duarte, R. C. (2016). Arquivos em Odontologia Volume 44 Nº 03 Julho/Setembro de 2008 l l 31 Roteiro para interpretação de desenhos: facilitando a abordagem da criança no consultório odontológico. Arquivos Em Odontologia, 44(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3476
Seção
Artigos