Condições físicas e acondicionamento de escovas dentais de pré-escolares

  • Andreza Cristina de Lima Targino Massoni Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
  • Mirella Cassandra Almeida Silva
  • Matheus de França Perazzo Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
  • Rebeca Valeska Soares Pereira Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
  • Caroline Pereira Pessoa
  • Ana Flávia Granville Garcia Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Resumo

Objetivo: Observar macroscopicamente as condições físicas, higiênico-sanitárias e de acondicionamento das escovas dentais de pré-escolares regularmente matriculados em creches municipais de Campina Grande-PB. Material e Métodos: Foi um estudo transversal com análise de 407 escovas dentais, considerando identificação, condições físicas, presença de elementos residuais sólidos e locais de acondicionamento. Os dados foram coletados por meio de formulário específico e analisados por estatística descritiva. A concordância
intraexaminador de diagnóstico das condições físicas das escovas foi aferida pelo teste estatístico Kappa (0,90). Resultados: Verificou-se que 92,6% das escovas apresentaram identificação individual, sendo legível em 83,3%, feitas principalmente, com caneta esferográfica e esparadrapo (32,1%). Grande parte das escovas apresentou resíduos (69,5%), sendo que 84,0% eram sugestivos de dentifrício. Com relação às condições físicas, 44,7% das escovas foram consideradas de pouco uso. O acondicionamento das escovas era realizado, em sua maioria, em porta escovas coletivos (99,5%), de plástico (37,5%) e abertos (52,3%), havendo contato entre as cerdas e os porta escovas (75,4%). Conclusão: A maioria das escovas analisadas apresentou boas condições físicas, no entanto, considerando as condições higiênico-sanitárias, observou-se a necessidade de orientações aos cuidadores das creches quanto ao adequado acondicionamento e controle dos resíduos das escovas.
Descritores: Escovação dentária. Creches. Educação em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Cristina de Lima Targino Massoni, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Campina Grande, PB.
Mirella Cassandra Almeida Silva
Cirurgiã-Dentista, Campina Grande, PB.
Matheus de França Perazzo, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
Programa de Pós-graduação em Clínica Odontológica, UEPB, Campina Grande, PB.
Rebeca Valeska Soares Pereira, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
Curso de Odontologia, UEPB, Campina Grande, PB.
Caroline Pereira Pessoa
Cirurgiã-Dentista, Fortaleza, CE.
Ana Flávia Granville Garcia, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
Programa de Pós-graduação em Odontologia, UEPB, Campina Grande, PB.

Referências

1. Cortelli JR, Thénoux RES. The effect of mouth rinses against oral microorganisms. Braz. Oral Res. 2007; 21(1):23-8.
2. Strużycka I. The oral microbiome in dental caries. Polish Journal of Microbiology. 2014; 63(1):127-35.
3. Sharma NC, Qaqish J, Walters PA, Grender J, Biesbrock AR. A clinical evaluation of the plaque removal efficacy of five manual toothbrushes. J.
Clin. Dent. 2010; 21(1):8-12.
4. Chibinski ACR, Grando K, Fanchin PT, Campagnoli E, Santos FA, Wambier DS. Descontaminação de escovas dentais utilizadas por crianças portadoras de necessidades especiais: análise microbiológica. RSBO. 2011; 8(2):145-52.
5. Karibasappa GN, Nagesh L, Sujatha BK. Assessment of microbial contamination of toothbrush head: an in vitro study. Indian. J. Dent. Res. 2011; 22(1):2-5.
6. Richards D. How clean is your toothbrush? Evid Based Dent. 2012; 13:111.
7. Araújo RJG. Contaminação, desinfecção e acondicionamento de escovas dentais. Rev. Bras. Odontol Mil. 2012; 29(1):44-54.
8. Da Silva LAB, Filho PN, Saravia ME, Rossi A, Lucisano MP, Silva RAB. Mutans streptococci remained viable on toothbrush bristles, in vivo,
for 44h. Int. J. Paediatr. Dent. 2014; 24(4):367-72.
9. Ferreira GTS, Freixinho ABS, Machado SJ, Miasato JM. Verificação da contaminação e forma de armazenamento de escovas dentais em
um grupo de adolescentes de uma escola da rede privada de ensino. Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo. 2013; 25(1):6-10.
10. Frazelle MR, Munro CL. Toothbrush contamination: a review of the literature. Nurs. Res. Pract. 2012; 2012(1):1-6.
11. American Dental Association. For the dental patient. Toothbrush care, cleaning and replacement. J. Amer. Dental Assoc. 2008; 139(4):415.
12. Moreira ACS, Cavalcante GM. Influência da higienização na contaminação de escovas dentais. Arq. Ciênc. Saúde Unipar. 2008; 12(1): 99-103.
13. Rosema NA, Hennequin-Hoenderdos NL, Versteeg PA, Van Palenstein Helderman WH, Van der Velden U, Van der Weijden GA. Plaqueremoving
efficacy of new and used manual toothbrushes: a professional brushing study. Int. J. Dent. Hyg. 2013; 11(2):237-43.
14. Passos IA, Massoni ACLT, Ferreira JMS, Forte FDS, Sampaio FC. Avaliação das condiçõesfísicas e do acondicionamento de escovas dentais em creches de João Pessoa - Paraíba, Brasil. Rev.
Odontol. UNESP. 2006; 35(3):299-303.
15. Coutinho PG, Ditterich RG. Avaliação do índice de desgaste de escova dentais utilizadas por préescolares. Rev. Odontol. UNESP. 2007; 36(1):97-101.
16. Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Censo demográfico 2010: Sinopse. [acesso em 2014 Out 14]. Disponível em: 250400&idtema=1&search=paraiba|campinagrande|censo-demografico-2010:-sinopse->.
17. Antunes JLFA, Peres MA. Agravos e Condições Bucais. In: Antunes JLF, Peres MA. Epidemiologia da saúde bucal. 1th ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 3-31.
18. Rawls HR, Mkwayi-Tulloch NJ, Casella R, Cosgrove R. The measurement of toothbrush wear. J. Dent. Res. 1989; 68(12):1781-5.
19. Chaim LAF, Alexandrino D, Benites PR, Junqueira FG, Moretto NA. Avaliação do desgaste de escovas com cerdas macias. Periodontia. 1997; 6(1):55-8.
20. Coutinho PG, Bittar P, Ditterich RG, Rastelli MC, Romanelli MCMOV, Wambier DS. Análise do acondicionamento e condições de escovas dentais utilizadas por pré-escolares. Rev. Odonto Ciênc. 2007; 22(4):335-9.
21. Ankola AV, Hebbal M, Eshwar S. How clean is the toothbrush that cleans your tooth? Int. J. Dent. Hyg. 2009; 7(3):237-40.
22. Mobin M, Borba CM, Filho CA, Tapety FI, Noleto Ide M, Teles JB. Analysis of fungal contamination and disinfection of toothbrushes. Acta Odontol. Latinoam. 2011; 24(1):86-91.
23. Santos PA, Rodrigues JA, Garcia PPNS. Conhecimento sobre prevenção de cárie e doença periodontal e comportamento de higiene bucal de professores de ensino fundamental. Ciênc. Odontol. Bras. 2003; 6(1):67-74.
24. Garbin CAS, Rovida TAS, Garbin AJI, Arcieri RM, Souza NP, Moimaz SAS. Saúde bucal e educação infantil: avaliação do desgaste e do acondicionamento de escovas dentárias utilizadas por pré-escolares. Rev. Odontol. UNESP. 2012; 41(1):81-7.
25. Dias JA, Costa AMDD, Terra FS, Costa RD, Costa MD, Zanetti HHV. Avaliação do índice de placa bacteriana e sua relação com a condição
física e o acondicionamento das escovas dentais. Odontol. Clín-Cient. 2010; 9(3):253-5.
26. Silveira CS, Semaan FS, Maciel EV, Chavasco JK. Avaliação da eficiência do porta-escovas na prevenção da contaminação de escovas dentais por coliformes fecais e parasitas intestinais. R CROMG. 2002; 8(1):65-8.
27. Mialhe FL, Silva DD, Possobon RF. Avaliação dos cuidados relativos ao armazenamento e desinfecção das escovas dentais por acadêmicos de Odontologia. Rev. Odontol UNESP. 2007; 36(3):231-5.
28. Efstratiou M, Papaioannou W, Nakou M, Ktenas E, Vrotsos IA, Panis V. Contamination of a toothbrush with antibacterial propertiesby oral
microorganisms. J. Dent. 2007; 19(4):331-7.
29. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Bucal. Brasília, DF, 2006. 91 p.
Publicado
2016-06-14
Como Citar
de Lima Targino Massoni, A. C., Almeida Silva, M. C., Perazzo, M. de F., Soares Pereira, R. V., Pessoa, C. P., & Garcia, A. F. G. (2016). Condições físicas e acondicionamento de escovas dentais de pré-escolares. Arquivos Em Odontologia, 51(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3682
Seção
Artigos