Futebóis – da horizontalidade epistemológica à diversidade política

  • Arlei Damo Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Este ensaio tem por objetivo recuperar o contexto no qual o conceito de “futebóis” foi forjado e de pensar seus usos possíveis no presente e no futuro dos estudos esportivos. Primeiramente, argumento que o conceito foi usado em um momento no qual a produção em ciências sociais sobre a temática esportiva encontrava-se em expansão, procurando se estabelecer enquanto um polo discursivo próprio. Sugiro que, naquela ocasião, a noção de futebóis objetivava promover uma horizontalidade epistemológica, não devendo as ciências sociais se aterem ao futebol de espetáculo. Atualmente nos encontramos noutro contexto, marcado pela contestação da proeminência androcêntrica e pela renovação do campo, sob diferentes aspectos. Se há duas décadas a noção de “futebóis” ajudou a perceber o amplo espectro de práticas futebolísticas pesquisáveis, nota-se no presente uma mobilização crítica no sentido de discutir as implicações políticas que perpassam a definição de temas e as formas de dialogar com certos movimentos esportivos e políticos que defendem as práticas não hegemônicas. Sugiro que esta mudança de perspectiva está em curso – atestada, por exemplo, pelo interesse notável pelo futebol de mulheres – e tem a ver também com mudanças ocorridas no futebol de espetáculo, as quais contribuíram para afastá-lo das classes populares, razão principal pela qual o futebol tornou-se um tema legítimo – ainda que periférico – no campo das ciências sociais brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlei Damo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Possui mestrado e doutorado em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em 2003/2004 foi estagiário de pesquisa junto ao Institut dEthnologie Méditerranéenne et Comparative (Université dAix-Marseille I & III). Pesquisador do CNPq. Autor dos livros Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França (prêmio Capes e Anpocs de melhor tese de 2005), Futebol e identidade social e coautor com Ruben Oliven de Fútbol y cultura (Buenos Aires, Argentina) e Megaeventos Esportivos no Brasil. Além do interesse por temas na área de antropologia/sociologia do esporte, desenvolve pesquisa na área da antropologia da economia e da política.

Referências

ANTUNES, Fátima. Futebol de fábrica em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Sociologia), USP, São Paulo, 1992.

BANDEIRA, Gustavo. Do Olímpico à Arena: elitização, racismo e heterossexismo no currículo de masculinidade dos torcedores de estádio. Tese (Doutorado em Educação), UFRGS, Porto Alegre, 2017.

BROMBERGER, Christian. Le match de football: ethnologie d’une passion partisane à Marseille, Naples et Turim. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’home, 1995.

BURLAMAQUI, Luiz. A outra razão: as transformações do futebol e os seus dirigentes (1982-1995). Dissertação (Mestrado em História), UFF, Niterói, 2013.

CALDAS, Waldenyr. O pontapé inicial: memória do futebol brasileiro. São Paulo: Ibrasa, 1990.

CAMARGO, Wagner Xavier. Dilemas insurgentes no esporte: as práticas esportivas dissonantes. Revista Movimento, v. 22, p. 1337-50, 2016.

CAMARGO, Wagner Xavier; KESSLER, Cláudia Samuel. Além do masculino/feminino: gênero, sexualidade, tecnologia e performance no esporte sob perspectiva crítica. Horizontes Antropológicos, v. 23, n. 47, p. 191-225, 2017.

DAMATTA, Roberto. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro, Pinakotheke, 1982.

DAMO, Arlei. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – IFCH da UFRG, Porto Alegre, 2005.

DAMO, Arlei. Do dom à profissão. São Paulo: Hucitec, 2007.

DAMO, Arlei. Del opio de los pueblos a la Antropología de lo Obvio: Lectura crítica de los escritos de Roberto DaMatta sobre futbol. Lúdicamente, n. 3. p. 1-12, 2014.

DAMO, Arlei. Futebol, engajamento e emoção. In: HELAL, Ronaldo; AMARO, Fausto. (Org.). Esporte e mídia – novas perspectivas: a influência de Hans Ulrich Gumbrecht. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. 74-94, 2015.

DAMO, Arlei. Novas abordagens sobre o esporte em ciências humanas no Brasil. In: SPAGGIARI, Enrico; MACHADO, Jeancarlo; GIGLIO, Sérgio. (Org.). Entre Jogos e Copas – reflexões sobre uma década esportiva. São Paulo: Intermeios, p. 330-350, p. 2016.

DAMO, Arlei. Das palavras e dos palavrões – um olhar antropológico sobre formas de sociabilidade e construções narrativas nos estádios de futebol. Sociabilidades Urbanas Revista de Antropologia e Sociologia, v. 1, p. 81-100, 2017a.

DAMO, Arlei. Romantismo e futebol nas ciências humanas brasileiras. In: CORNELSEN, Elcio; CAMPOS, Priscila; SILVA, Silvio Ricardo da. Futebol, linguagem, artes, cultura e lazer (Vol II). Rio de Janeiro: Jaguatirica, p. 9-29, 2017b.

DEBORD, Guy. La société du spectacle. Paris: Gallimard, 1992.

FRANZINI, Fábio. As raízes do país do futebol: estudo sobre a relação entre o futebol e a nacionalidade brasileira (1919-1950). Dissertação (Mestrado em História) – FFLCH, USP, São Paulo, 2000.

FRANZINI, Fábio. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, v. 25, n. 50, p. 315-28, 2005.

FRYDENBERG, Julio. "Prácticas y valores en el processo de popuIarización deI fútbol, Buenos Aires 1900-1910". Entrepasados: Revista de História. Ano VI, 1997.

FRYDENBERG, Julio. História social del fútbol – del amateurismo a la profesionalización. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2011.

GIGLIO, Sérgio Settani. A história política do Futebol Olímpico (1894-1988). São Paulo: Intermeios/FAPESP, 2018.

GIGLIO, Sérgio; SPAGGIARI, Enrico. 2010. “A produção das ciências humanas sobre futebol no Brasil: um panorama (1990-2009)”. Revista de História, n. 163, p. 293-350.

HOLLANDA, Bernardo Buarque de. O fim do estádio-nação? Notas sobre a construção e remodelagem do Maracanã para a Copa de 2014. In: CAMPOS, Flávio; ALFONSI, Daniela. (Org.). Futebol – objeto das ciências sociais. São Paulo: Leya, p. 321-348, 2014.

KESSLER, Cláudia Samuel. Mais que Barbies e ogras: uma etnografia do futebol de mulheres no Brasil e nos Estados Unidos. Tese (Doutorado em Antropologia Social), IFCH-UFRGS, Porto Alegre, 2015.

LOPES, Felipe Tavares Paes; HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. “Ódio eterno ao futebol moderno”: poder, dominação e resistência nas arquibancadas dos estádios da cidade de São Paulo. Tempo, v. 24, n. 2, p. 206-232, 2018.

MASCARENHAS, Gilmar. A bola nas redes e o enredo do lugar: uma geografia do futebol e seu advento no Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Geografia), USP, São Paulo, USP, 2001.

MAZZONI, Tomaz. História do futebol no Brasil (1984-1945). São Paulo: Edições Leia, 1950.

MYSKIW, Mauro. Nas controvérsias da várzea: trajetórias e retratos etnográficos em um circuito de futebol da cidade de Porto Alegre. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento), EEF – UFRGS, Porto Alegre, 2012.

PEREIRA, Leonardo. Footballmania: uma história social do futebol. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PIMENTA, Rosangela. Desvendando o jogo: o futebol amador e a pelada na cidade e no sertão. Tese (Doutorado em Sociologia) – UFPE, Recife, 2009.

RODRIGUES FILHO, Mário. O negro no futebol brasileiro. 4a ed. Rio de Janeiro: Mauad, p. 2003 [1964].

SANTOS, João Manoel Casquinha Malaia. Revolução vascaína: a profissionalização do futebol e a inserção sócio-econômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934). Tese (Doutorado em História Econômica) – USP, São Paulo, 2010.

SOARES, Antônio Jorge. História e a invenção de tradições no futebol brasileiro. In: HELAL, Ronaldo; SOARES, Antônio; LOVISOLO, Hugo. A invenção do país do futebol. Rio de Janeiro: Mauad, 2001, p. 77-99.

SPAGGIARI, Enrico. Família joga bola: constituição de jovens futebolistas na várzea paulistana. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – FFLCH, USP, São Paulo, 2014.

TOLEDO, L. Henrique. Lógicas no futebol. São Paulo: Hucitec/FAPESP, 2002.

VELHO, Tulio Barreto. Gilberto Freyre e o futebol-arte. Revista USP, v. 62, p. 233-8, 2004.

ZELIZER, Viviana. “Circuits within Capitalism”. In: NEE, Victor; SWEDBERG, Richard (eds). The Economic Sociology of Capitalism. Princeton: Princeton University Press, 2005, p. 289-321.

Publicado
2019-04-24
Seção
DOSSIÊ