Futebol dos futebóis: dissolvendo valências simbólicas de gênero e sexualidade por dentro do futebol

  • Luiz Henrique Toledo Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Wagner Xavier Camargo Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Resumo

O futebol, entre inúmeras práticas lúdicas historicamente esportivizadas, manteve-se hegemônico a partir de múltiplas projeções e experiências valorativas, políticas, estéticas e sensoriais, tornando-se paulatinamente uma espécie de “índice canônico” para se pensar, de modo geral, formas de sociabilidade na contemporaneidade. Em seus desdobramentos simbólicos, ele não apenas se expandiu territorialmente, como tem oferecido um conjunto de metáforas aos “modos de existência” de indivíduos e grupos. Partindo desta ideia de senso comum sobre dada “hegemonia” do futebol, mas partilhada academicamente, propomos perceber que tais “modos” se materializam e se disseminam em “múltiplos futebóis” que alcançaram expressões politizadas e que podem ser explorados “de dentro” deste fenômeno global. Para tanto, trazemos um caso ocorrido durante a Copa do Mundo da Rússia-2018 e refletimos sobre a sexualização de corpos no contexto futebolístico midiatizado, pensando o futebol pela relativização de seus modos simbólicos de impor suas regras e sociabilidade esportivas, tomadas tacitamente como universais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Henrique Toledo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutor em Antropologia (USP)

Mestre em Antropologia (USP)

Graduado em Antropologia (USP)

Wagner Xavier Camargo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Pós-doutor em Antropologia Social (UFSCar, 2016)

Doutor em Ciências Humanas (UFSC, 2012)

Mestre em Educação Física Adaptada (UNICAMP, 1999)

Bacharel em Sociologia (1996)

Licenciado em Antropologia (1995)

Referências

ARCHETTI, Eduardo. Masculinidades – fútbol, tango y polo en la Argentina. Buenos Aires, Editorial Antropofagia, 2003.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Wagner Xavier de. A Champions LiGay e a colonização do futebol. São Paulo, Ludopédio, v. 113, n. 12 , 2018, p. 1-6.

COSTA, Carlos Eduardo. Inkidene Hekugu – uma etnografia da luta e dos lutadores no Alto Xingu. (Tese de Doutorado). PPGAS-UFSCar, São Carlos 2013.

DAMATTA, Roberto. “Tem pente aí? reflexões sobre a identidade masculina”. In: CALDAS, Dario. Homens. São Paulo: SENAC, 1997, p. 31-49.

DUGGAN, Lisa; HUNTER, Nan D. Contextualizing the Sexuality Debate: a chronology 1966-2005. In: ______. Sex Wars: sexual dissident and political culture. New York/London: Routledge/Taylor and Francis Group, 2006, p. 15-28.

ELIAS, Norbert. Em busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

OLÉCIO, Reinaldo. A sociabilidade esportiva das igrejas Renascer em Cristo e Bola de Neve. Luiz Henrique de Toledo & Carlos Eduardo Costa (orgs). Visão de jogo: antropologia das práticas esportivas. São Paulo: Terceiro Nome, 2009.

POTECHI, Bruna. Fazer mulher, fazer lei: uma etnografia da produção de leis no Congresso Nacional Brasileiro. (Tese de Doutorado). PPGAS-UFSCar, São Carlos 2018.

PRECIADO, Paul B. Terror Anal. Apuntes sobre los primeros días de la revolución sexual. IN: HOCQUENGUEM, Guy. El deseo homosexual. Espanha: Editora Melusina, 2009, p. 133-174.

RICH, Adrienne. La heterosexualidad obligatoria y la existencia lesbiana. In: NAVARRO, M.; STIMPSON, C. R. (eds.) Sexualidad, género y roles sexuales. México: Fondo de Cultura Económica, 1999, p. 159-211.

SÁEZ, Javier; CARRASCOSA, Sejo. Por el culo: políticas anales. Barcelona: Ed Triangulín, 2011.

TOLEDO, Luiz Henrique. Vaias, xingamentos e apupos: nacionalismo esportivo à flor da pele. Cuadernos del Mundial. Brasil 2014. CLACSO. Disponível em: https://www.clacso.org.ar/cuadernosdelmundial/opinion16.php. Acesso em: 03 dez 2018.

WAGNER, Roy. Símbolos que representam a si mesmos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

Publicado
2019-04-24
Seção
DOSSIÊ