Identidades e identificações nas memórias de ex-árbitros de futebol de Minas Gerais

Main Article Content

Gabriel Farias Alves Correia
Fernanda Rocha da Silva
Alexandre de Pádua Carrieri

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender o que é ser árbitro de futebol e como são construídas as identidades e identificações com essa função a partir das memórias de ex-árbitros que foram vinculados à Federação Mineira de Futebol (FMF). Para tanto, buscamos suporte teórico nas discussões sobre identidades, compreendendo-as como fluídas e dinâmicas; e na literatura sobre memórias, discutindo sua construção para atender aos interesses do tempo presente. Utilizando as convergências entre as metodologias histórica e qualitativa, realizamos 21 entrevistas narrativas semiestruturadas com ex-árbitros de futebol de Minas Gerais, complementadas por análises documentais e anotações de caderno de campo. Os dados, analisados a partir da perspectiva de análise de narrativas, sugerem que as identidades dos ex-árbitros de futebol sofrem influências das condições sociais das quais eles foram inseridos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Correia, G. F. A., Silva, F. R. da, & Carrieri, A. de P. (2021). Identidades e identificações nas memórias de ex-árbitros de futebol de Minas Gerais. FuLiA / UFMG, 5(3), 141–168. https://doi.org/10.35699/2526-4494.2020.24146
Seção
PARALELAS
Biografia do Autor

Gabriel Farias Alves Correia, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando e Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Membro do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade

Fernanda Rocha da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Membra do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade.

Alexandre de Pádua Carrieri, UFMG

Professor Titular da FACE/UFMG. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenador do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade.

Referências

AGUIAR, A. R. C.; CARRIERI, A. P. “Água de lona” e “sangue de serragem” nos discursos de sujeitos circenses. Organizações & Sociedade, v. 23, n. 77, p. 247-262, 2016.

BARRETO, R. O. Cartografia dos modos de ser da velhice e do trabalho rurais no Médio Vale do Jequitinhonha. Tese (Doutorado em Administração), UFMG, Belo Horizonte, 2018.

BARROS, A.; CARRIERI, A. P. O cotidiano e a história: construindo novos olhares na administração. Revista de Administração de Empresas, v. 55, n. 2, p. 151-161, 2015.

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOM MEIHY, J. C. S.; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2013.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2015 [1994].

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CABANA, R. P. L.; ICHIKAWA, E. Y. As identidades fragmentadas no cotidiano da Feira do Produtor de Maringá. Organizações & Sociedade, v. 24, n. 81, p. 285-304, 2017.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Editora Brasiliense. 1987.

CORREIA, G. F. A; PEREIRA, H. G.; CARRIERI, A. P. “Ser um ambulante é necessidade que nós temos de trabalhar”: cotidiano e identificação de trabalhadores pipoqueiros de Belo Horizonte. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 21, n. 2, p. 165-180, 2018.

COSTA, A.M.; SILVA, M. A. C. A Pesquisa Histórica em Administração: uma proposta para práticas de pesquisas. Revista Administração: Ensino e Pesquisa, v. 20, n. 1, p. 1-20, 2019.

DAMO, A. S. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Kafka: por una literatura menor. Mexico: Ediciones Era, 1978.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora,1997.

FARIA; E.; SOUZA, V. L. T. Sobre o conceito de identidade: apropriações em estudos sobre formação de professores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 15, n. 1, p. 35-42, 2011.

FERREIRA, B. R. T.; LEÃO, A. L. M. S.; PAIVA JÚNIOR, F. G. Identificação e diferença na construção de identidades culturais de torcedores rivais dos três grandes clubes da cidade do Recife: entre a defesa e o ataque em interações sociais virtuais. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, n. 2, p. 85-96, 2014.

FERREIRA, M. M. História, tempo presente e história oral. Topoi, v. 3, n. 5, p. 314-332, 2002.

FERREIRA, R. D. A.; BRANDÃO, M. R. F. Árbitro brasileiro de futebol profissional: percepção do significado do arbitrar. Revista da Educação Física/UEM, v. 23, n. 2, p. 229-238, 2012.

GOODMAN, L. Snowball Sampling. Annals of Mathematical Statistics, n. 32, p. 148-170, 1961.

GUARINELLO, N. L. História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, v. 24, n. 48, p. 13-38, 2004.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

INTERNACIONAL FOOTBALL ASSOCIATION BOARD. Regras do jogo. Zurich: IFAB, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3o71wkE. Acesso em: 15 maio 2019.

JOAQUIM. N. F.; CARRIERI, A. P. Construção e desenvolvimento de um projeto de história oral em estudos sobre gestão. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 85, p. 303-319, 2018.

MCLELLAN, E.; MACQUEEN, K. M.; NEIDIG, J, L. Beyond the Qualitative Interview: Data Preparation and Transcription Field Methods. Field Methods, v. 15, n. 1, p. 63-84, 2003.

MENEZES, V. Identidade e processos de identificação: um apanhado teórico. Revista Intratextos, v. 6, n. 1, p. 68-81, 2014.

MONTEIRO, D. F. B.; PEREIRA, V. J.; OLIVEIRA, L. L.; LIMA, O. L.; CARRIERI, A. P. O trabalho sujo com a morte: o estigma e a identidade no ofício de coveiro. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 6, n. 1, p. 77-98, 2017.

MYSKIW, M.; STIGGER, M. P. O futebol “de várzea” é “uma várzea”!? Etnografia da organização no circuito municipal de Porto Alegre. Movimento, v. 20, n. 2, p. 445-469, 2014.

NEVES, L. A. N. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

NUNES, C. C.; MATTEDI, M. A. Memórias da constituição do cenário esportivo amador em Santa Catarina. Licere, v, 18, n. 2, p. 1-33, 2015.

PENTLAND, B. T. Building process theory from narrative: from description to explanation. Academy of Management Review. v. 24, n. 4, p. 711-714, 1999.

PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa histórica. Cadernos de Pesquisa, n. 114, p. 179-195, 2001.

POLLAK, M. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

RIESSMAN, C. K. Narrative Methods for the Human Sciences. London: Sage, 2008.

SANTOS, I. C. As mulheres árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho. Dissertação (Mestrado em Crítica Cultural). Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas, 2016.

SILVA, E. L.; COSTA, L. C. O desemprego no brasil na década de 1990. Emancipação, v. 5, n. 1, p. 9-36, 2005.

SILVA, G. S.; SCHMIDT, C. Futebol, mídia e sociedade: a espetacularização da imagem do sucesso e suas influências. Revista UEPG Ciências Sociais Aplicadas, v. 27, n. 1, p. 95-114, 2019.

SOUSA, M. G. S.; CABRAL, C. L. O. A narrativa como opção metodológica de pesquisa e formação de professores. Horizontes, v. 33, n. 2, p. 149-158, 2015.

VAN VUUREN, M.; TEURLINGS, J.; BOHLMEIJER, E. T. Shared Fate and Social Comparison: Identity Work in the Context of a Stigmatized Occupation. Journal of Management & Organization, v. 18, n. 1, p. 263-280, 2012.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009, p. 7-68.

YATES, J. Understanding Historical Methods in Organization Studies. In: BUCHELI, M.; WADHWANI, D. R. (Orgs). Organizations in Time: History, Theory, Methods. Oxford: Oxford University Press, 2013, p. 265-283.