O caso Muralha a pimenta do jornalismo esportivo e a construção de um vilão

Conteúdo do artigo principal

Leda Maria da Costa

Resumo

Nas narrativas jornalísticas sobre futebol, os vilões são personagens que personificam os problemas que se imaginam estar por trás de uma derrota. Por vilões, entendem-se os jogadores que foram considerados culpados por alguma ou várias derrotas. Se o herói percorre uma trajetória ascendente, em que um status de superioridade lhe é conferido, o vilão costuma ser lançado numa trajetória de queda que o conduz a um território de acusações. Essa trajetória descendente foi vivida por Barbosa, o goleiro da seleção masculina de 1950, após a derrota para o Uruguai. Em termos clubísticos, o goleiro Muralha, no ano de 2017, passou por processo semelhante. Este trabalho tem como objetivo analisar o processo de construção do vilão Muralha, ex-goleiro do Flamengo, a partir das narrativas do jornal Extra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
COSTA, L. M. da. O caso Muralha: a pimenta do jornalismo esportivo e a construção de um vilão. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 5, n. 1, p. 48–72, 2021. DOI: 10.35699/2526-4494.2020.29579. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/29579. Acesso em: 16 abr. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

BARBOSA, Marialva; ENNE, Ana Lúcia. O jornalismo popular, a construção narrativa e o fluxo do sensacional. ECO-PÓS, v. 8, n. 2, p. 67-87, ago.-dez., 2005.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Seguido de a influência do jornalismo e Os jogos Olímpicos. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BROMBERT, Victor H. Em louvor de anti-heróis: figuras e temas da moderna literatura europeia. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

BROOKS, Peter. The melodramatic imagination. Yale University Press, 1995.

COSTA, Leda. A trajetória da queda: as narrativas da derrota e os principais vilões da Seleção Brasileira em Copas do Mundo. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

COSTA, Leda. Maracanazo, adeus? Da tragédia de 1950 a vergonha de 2014 nas narrativas da derrota da seleção brasileira na imprensa. Tríade: comunicação, cultura e mídia. Sorocaba/SP, v. 4, n. 7, p. 126-149, jun. 2016.

DAMO, Arlei Sander. Paixão partilhada e participativa – o caso do futebol. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 57, p. 45-72, jul.-dez., 2012.

DEJAVITE, Fábia. Infotenimento: informação + entretenimento no jornalismo. São Paulo: Paulinas Editora, 2006.

ECO, Umberto. A falação esportiva. Viagem na irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

FILHO, João Lyra. Taça do Mundo 1954. Rio de Janeiro: Pongetti, 1954.

FILHO, Mário. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

GIRARD, René. O bode expiatório. Trad. Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, 2004.

GUILHERME, Paulo. Goleiros: heróis e anti-heróis da camisa 1. São Paulo: Alameda, 2006.

HAMBURGUER, Esther. Novela é torcida. Ciência Hoje. Disponível em: https://bit.ly/3gMqcdA.

HELAL, Ronaldo. Cultura e idolatria: ilusão, consumo e fantasia. In: ROCHA, Everardo (org.). Cultura e imaginário. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

HELAL, Ronaldo. Mídia, construção da derrota e mito do herói. In: HELAL, Ronaldo; SOARES, Antonio Jorge; LOVISOLO, Hugo. A invenção do país do futebol. Rio de Janeiro: Mauad, 2001.

HELAL, Ronaldo. Mídia, ídolos e heróis do futebol. Comunicação, movimento e mídia na educação física, Santa Maria, Rio Grande do Sul, v. 2, p. 32-52, 1999.

HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. Ed. comemorativa 70 anos. Ricardo Benzaquen de Araújo; Lilia Moritz Schwarcz (org.). São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HUPPES, Ivete. Melodrama: O gênero e sua permanência. Cotia: Ateliê Editorial, 2000.

LEWIS, S. C. Studies in Words. Cambridge University Press, 1960.

LUDWIG, Paula Fernanda. Como se cria um vilão? Rumores e intrigas entre teatro e literatura do melodrama à dramaturgia brasileira no século XIX. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

MEYER, Marlyse. Folhetim, uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

NETO, Geneton Moraes. Dossiê 50: os onze jogadores revelam os segredos da maior tragédia do futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NUNES, Angelina Silva. Boneco cidadão: a arma do jornal popular carioca Extra. Alcar, 10 Encontro Nacional de História da Mídia. UFRGS, 2015.

OSELAME, Mariana. Padrão Globo de jornalismo esportivo. Famecos, PUC-RS, Porto Alegre, n. 24, 2010.

PERDIGÃO, Paulo. Anatomia de uma derrota. Porto Alegre: L & PM, 1986.

RODRIGUES, Nelson. A pátria em chuteiras: novas crônicas de futebol. Organização de Ruy Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

THOMASSEAU, Jean-Marie. O melodrama. Trad. Claudia Braga e Jacqueline Penjon. São Paulo: Perspectiva, 2005.