Entre Torcidas Organizadas e Torcidas Antifascistas considerações sobre as políticas do torcer e suas resistências

Conteúdo do artigo principal

Phelipe Caldas
Marianna Andrade
Roberto Souza Junior

Resumo

Neste artigo, pretendemos analisar comparativamente dois modelos de adesão torcedora em torno do futebol. A saber, as torcidas organizadas e as torcidas antifascistas. Para isso, tomamos como ponto de partida o engajamento de torcedores nos protestos a favor da democracia, contra o Governo Bolsonaro, e que tomaram as ruas de algumas cidades brasileiras durante a pandemia. Discutiremos os alcances de ambos os projetos associativistas no contexto da cidade de São Paulo, e como contraponto traremos um caso singular de um torcedor organizado que também é torcedor antifascista na capital paraibana de João Pessoa. O objetivo é mostrar as estratégias existentes entre essas duas formas de engajamento e, mais do que isso, perceber o quão podem ser múltiplas e complexas as ações torcedoras provocadas pelos mais variados contextos sócio-históricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
CALDAS, P.; ANDRADE, M.; SOUZA JUNIOR, R. Entre Torcidas Organizadas e Torcidas Antifascistas: considerações sobre as políticas do torcer e suas resistências. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 7, n. 1, p. 52–81, 2022. DOI: 10.35699/2526-4494.2022.35626. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/35626. Acesso em: 26 maio. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Phelipe Caldas, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutorando em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos, mestre em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba, graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela UFPB. É escritor e cronista. Autor de cinco livros: Academias de Bambu, Além do Futebol, O Menino que Queria Jogar Futebol, Sobreviventes e Quando a Saudade me Visita. Dedica-se atualmente às pesquisas acadêmicas sobre futebol, torcidas e formas de torcer. Integra o Laboratório de Estudos das Práticas Lúdicas e de Sociabilidade (LELuS/UFSCar) e o Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnografias Urbanas (Guetu/UFPB). É membro-fundador da Rede Nordestina de Estudos em Mídia e Esporte (ReNEme).

Marianna Andrade, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Mestranda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Bacharel em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Tem experiência na área da antropologia com foco em antropologia urbana e antropologia das práticas esportivas. Atualmente pesquisa as relações de gênero nas torcidas organizadas de futebol. Compõe o Grupo de Estudos sobre Futebol dos Estudantes da EFLCH (GEFE) e o LELuS (Laboratório de Estudos das Práticas Lúdicas e Sociabilidade).

Roberto Souza Junior, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Mestrando em Antropologia Social (PPGAS - UFSCar). Bacharel em Ciências Sociais, também pela Universidade Federal de São Carlos (2016 - 2019). Trabalha na área de Antropologia, com ênfases em Antropologia Urbana, Antropologia das práticas esportivas e Antropologia visual. Pesquisador associado ao LELuS (Laboratório de Estudos das Práticas Lúdicas e de Sociabilidade) e bolsista CAPES. Atualmente trabalha em perspectiva etnográfica - e fotográfica - com torcidas organizadas de futebol que são também escolas de samba do carnaval paulistano.

Share |

Referências

BARTH, Fredrik. O Guru, o Iniciador: e outras variações antropológicas. Trad. John Cunha Comerford. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000.

BALE, Jhon. Sports Geography: Second Edition. London and New York: Routledge, 2003.

CAMPOS, Flávio de; TOLEDO, Luiz Henrique de. O Brasil na arquibancada: notas sobre a sociabilidade torcedora. Revista USP, n. 99, p. 123-138, 2013.

CANALE, Vitor dos Santos. Um movimento em muitas cores: o circuito de relações das torcidas organizadas paulistas entre 1968 e 1988: Uma histó-ria da ATOESP (Associação das Torcidas Organizadas do Estado de São Pau-lo. Tese (Doutorado em História), Escola de Ciências Sociais da Fundação Ge-túlio Vargas, Rio de Janeiro, 340p., 2020.

CARVALHO, Phelipe C. Pontes. O Belo e suas Torcidas: um estudo compa-rativo sobre as formas de pertencimento que cercam o Botafogo da Paraíba. Dissertação (Mestrado em Antropologia), UFPB, João Pessoa, 202p., 2019.

DAMO, Arlei Sander. Para o que Der e Vier: o pertencimento clubístico no fu-tebol brasileiro a partir do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e seus torcedores. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), UFRGS, Porto Alegre, 240p, 1998.

DANIEL, Petra; KASSIMERI, Christos. The Politics and Culture of FC St. Pauli: from leftism, through antiestablishment, to commercialization, Soccer & Socie-ty, v. 14, n. 2, mar. 2013, p. 167-182.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia – Vol. 3. Trad. Aurélia Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo, Editora 34, 1996.

DORNELLES, Jonatas. Antropologia e Internet: quando o "campo" é a cidade e o computador é a "rede". Horizontes Antropológicos, v. 10, n. 21, p. 241-271, 2004.

FLORENZANO, José Paulo. A democracia corinthiana: práticas de libertação no futebol brasileiro. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Pontifícia Univer-sidade Católica de São Paulo, São Paulo, 306p, 2003.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de; SANTOS, João Manuel Casqui-nha Malaia; TOLEDO, Luiz Henrique de; MELO, Victor Andrade de. A Torcida Brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

HOLLANDA, Bernardo B. Buarque de; MEDEIROS, Jimmy. Violência, Juven-tude e Idolatria Clubística: uma pesquisa quantitativa com torcidas organizadas de futebol no Rio de Janeiro e em São Paulo. Revista Hydrav. 1, n. 2, p. 97-125, 2016.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de; MEDEIROS, Jimmy. Escolas de Samba e Torcidas Organizadas de Futebol: análise de um caso de sincretismo no carnaval paulistano. Mosaico, Rio de Janeiro, v. 9, n. 14, p. 23-47, 2018.

KUSCHNIR, Karina. O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MARICATO, Ermínia ET AL., Cidades Rebeldes: passe livre e as manifesta-ções que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no Pedaço: cultura popular e lazer na cidade. 3ª ed. São Paulo: Hucitec/Unesp, 2003.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma et-nografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, p.11-30, jun. 2002.

MAGNANI, José Guilherme. Os Circuitos dos Jovens Urbanos. Tempo Social. v. 17, n. 2, p. 173-205, 2005.

OLIVEIRA, Eric Monné Fraga de. O ópio do povo? O futebol e as manifesta-ções políticas no Brasil entre 2013 e 2020. Sociedade e Cultura, v. 24, 2021.

PEIRANO, Mariza. Três Ensaios Breves. Brasília, UnB, Série Antropologia, n. 230, p. 17-29, 1998.

PINHEIRO, Caio Lucas Morais. As Ondas que (se) Movem (n)o Mar das Tor-cidas: das charangas à guinada antifascista nas Ultras Resistência Coral (1950-2020). Tese (Doutorado em História), UFRGS, Porto Alegre, 424p, 2020.

SIMÕES, Irlan. Clientes versus Rebeldes: novas culturas torcedoras nas are-nas do futebol moderno. Rio de Janeiro, Editora Multifoco, 2017.

TOLEDO, Luiz Henrique de; SOUZA JUNIOR, Roberto de Alencar Pereira de. Redes populares de proteção: torcidas organizadas de futebol no contexto da pandemia da COVID-19, Ponto Urbe, n. 26, p. 1-20, 2020.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcidas Organizadas de futebol. Campinas: Autores Associados/Anpocs, 1996.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Short cuts: histórias de jovens, futebol e condutas de risco. Revista Brasileira de Educação, v. 6, n. 5, p. 209-221, 1997.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcer: metafísica do homem comum. Revista de História. São Paulo, n. 163, p. 175-189, 2010.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Políticas da corporalidade: sociabilidade torcedo-ra entre 1990-2010. In: Buarque de Hollanda, Bernardo; Malaia, João M. C.; Toledo, Luiz Henrique de; Melo, Victor Andrade. A Torcida Brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Quase lá: a copa do mundo no Itaquerão e os im-pactos de um megaevento na socialidade torcedora. Horizontes Antropológi-cos, v. 19, n. 40, p. 149-184, dez. 2013.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcer: perspectivas analíticas em antropologia das práticas esportivas. Tese (Titularidade em Antropologia), UFSCar, São Car-los, 319p, 2019.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Lógicas no Futebol: dimensões simbólicas de um esporte nacional. Tese (Doutorado em Antropologia Social), USP, São Paulo, 2002.

TIBLE, Jean. Movimentos. Cadernos de Campo, v. 28, n. 2, São Paulo: USP, p. 15-20, 2019.

TSOUKALA, Anastassia. “Administrar a Violência nos Estádios da Europa: quais racionalidades?”. In: HOLLANDA, Bernardo Borgues Buarque de; REIS, Heloisa Helena Baldy dos (orgs.). Hooliganismo e Copa de 2014. Rio de Ja-neiro: 7Letras, p. 21-35.