Corpos, identidades e amizades práticas torcedoras de mulheres transgêneras no futebol de homens

Conteúdo do artigo principal

Mariana Carolina Mandelli

Resumo

Considerando o alto grau de binarismo e cis-heteronormatividade do futebol brasileiro, no qual a LGBTfobia e a misoginia configuram os padrões simbólicos e materiais das dinâmicas relacionais entre torcedores, torcedoras e torcedorxs, como as mulheres transgêneras podem torcer por seus times? Este artigo tem como objetivo discutir as práticas torcedoras de mulheres trans por meio dos depoimentos de três torcedoras que se autodefinem assim, explorando como as ideias de corpo, identidade e amizade criam e conformam suas formas de torcer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
MANDELLI, M. C. Corpos, identidades e amizades: práticas torcedoras de mulheres transgêneras no futebol de homens. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 8, n. 3, p. 155–175, 2023. DOI: 10.35699/2526-4494.2023.45304. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/45304. Acesso em: 18 abr. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

ABRAHÃO, Bruno Otávio de Lacerda. O ‘preconceito de marca’ e a ambiguidade do ‘racismo à brasileira’ no futebol. Tese (Doutorado em Educação Física), Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2010.

ALMEIDA, Caroline Soares de. Do sonho ao possível: projeto e campo de possibilidades nas carreiras profissionais de futebolistas brasileiras. Tese (Doutorado em Antropologia Social), UFSC, Florianópolis, 2018.

ALMEIDA, Guilherme. “‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades”. Estudos Feministas, v. 20, n. 2, 2012, p. 513-523.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Antropologia e sexualidade: consensos e conflitos teóricos em perspectiva histórica. In: SOARES, Lígia; VAZ, Júlio. (Org.). A sexologia, perspectiva multidisciplinar. Coimbra: Quarteto, v. II, p. 53-72, 2003.

ANJOS, Luiza Aguiar dos. De “São bichas, mas são nossas” à “Diversidade da alegria”: uma história da torcida Coligay. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano), UFRGS, Porto Alegre, 2018.

BANDEIRA, Gustavo Andrada. Emoções masculinas nos estádios de futebol. In: Fazendo Gênero 9: Diásporas, diversidades, deslocamentos, Congresso, UFSC, 2010.

BANDEIRA, Gustavo Andrada. Do Olímpico à Arena: elitização, racismo e heterossexismo no currículo de masculinidade dos torcedores de estádio. Tese (Doutorado em Educação), UFRGS, Porto Alegre, 2017.

BANDEIRA, Gustavo Andrada; DANTAS, Marina de Mattos. Em busca de um torcer não-fascista. Ludopédio, São Paulo, v. 135, n. 32, 2020.

BONFIM, Aira. Football Feminino entre festas esportivas, circos e campos suburbanos: uma história social do futebol praticado por mulheres da introdução à proibição (1915-1941). Dissertação (Mestrado em História), FGV/Rio de Janeiro, 2019.

BUTLER, Judith. Inscrições corporais, subversões performativas; Da paródia à política”. In: ______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008, p. 183-201; p. 205-214.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto?. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAMPOS, Priscila Augusta Ferreira. Mulheres torcedoras do Cruzeiro Esporte Clube presentes no Mineirão. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer), UFMG, 2010.

CARVALHO, Mario. “Travesti”, “mulher transexual”, “homem trans” e “não binário”: interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas. Cadernos Pagu, 2018, n. 52.

CORNEJO, Giancarlo. Por uma pedagogia queer da amizade. Áskesis, v. 4 n. 1, p. 130-142, 2015.

COSTA, Leda Maria da. Marias-chuteiras X “Torcedoras Autênticas”: identidade feminina e futebol. XII Encontro Regional de História. ANPUH Rio de Janeiro, 2006.

COSTA, Leda Maria da. O que é uma torcedora? Notas sobre a autorrepresentação do público feminino de futebol. Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 4, 2006-07.

DUARTE, Luis Fernando Dias. A sexualidade nas Ciências Sociais: leitura crítica das convenções. In: GREGORI, Maria Filomena; PISCITELLI, Adriana e CARRARA, Sérgio. (Org.). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 39-80.

FOUCAULT, Michael. Da amizade como modo de vida [Entrevista]. Gai Pied, n. 25, p. 36-39, 1981.

FOUCAULT, Michael. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

GÓIS, João Bôsco Hora. Desencontros: as relações entre os estudos sobre a homossexualidade e os estudos de gênero no Brasil. Estudos Feministas, v. 11, n. 1, 2003.

HARAWAY, Donna. "Gênero" para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, n. 22, p. 201-246, 2004.

MORAES, Carolina Farias. As torcedoras querem (poder) torcer. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade), UFBA, Salvador, 2018.

PISANI, Mariane da Silva. ‘Sou feita de chuva, sol e barro’: o futebol de mulheres praticado na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia Social), FFLCH, USP, São Paulo, 2018.

PINTO, Maurício Rodrigues. Pelo direito de torcer: das torcidas gays aos movimentos de torcedores contrários ao machismo e à homofobia no futebol. Dissertação (Mestrado em Ciências), USP, São Paulo, 2017.

MURAD, Mauricio. A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

MURAD, Mauricio. Para entender a violência no futebol. Coleção Benvirá. São Paulo: Saraiva, 2012.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. Torcidas organizadas de futebol: violência e autoafirmação, aspectos da construção das novas relações sociais. Taubaté: Vogal, 1997.

PRECIADO, Paul. Multidões queer: notas para uma política dos ‘anormais’. Estudos Feministas, v. 19, n. 1, 2011.

RUBIN, Gayle. The Traffic in Women. Notes on the “Political Economy” of Sex. In: REITER, Rayna. (Ed.) Toward an Anthropology of Women. New York: Monthly Review Press, 1975.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, 1995, p. 71-99.

SPAGGIARI, Enrico. Família joga bola: constituição de jovens futebolistas na várzea paulistana. Tese (Doutorado em Antropologia Social), FFLCH, USP, São Paulo, 2015.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Lógicas no futebol. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2002.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Quase lá: a Copa do Mundo no Itaquerão e os impactos de um megaevento na socialidade torcedora. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 40, 2013, p. 149-184.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcer: metafísica do homem comum. Revista de História, USP, v. 1, 2010, p. 175-190.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcidas organizadas de futebol. Campinas: Autores Associados/Anpocs, 1996.

TONINI, Marcel Diego. Além dos gramados: história oral de vida de negros no futebol brasileiro (1970-2010). Dissertação (Mestrado em História Social). FFLCH, USP, 2011.

VANCE, Carole. A antropologia redescobre a sexualidade: comentário crítico. Physis, revista de Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 7-31, 1995.

YORK, Sara Wagner/GONÇALVES JUNIOR, Sara Wagner; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes; BENEVIDES, Bruna. Manifestações textuais (insubmissas) travesti. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n.3e75614, 2020.

Entrevistas

F.*. Entrevista I. [dez. 2022]. Entrevistadora: Mariana Carolina Mandelli. Santo André, 2022. 1 arquivo .mp3 (60 min.).

T.* Entrevista II. [out. 2022]. Entrevistadora: Mariana Carolina Mandelli. Santo André, 2022. 1 arquivo .mp3 (50 min.).

N.* Entrevista III. [maio. 2022]. Entrevistadora: Mariana Carolina Mandelli. Santo André, 2022. 1 arquivo .mp3 (45 min.).