Tradução, literatura e futebol nas entrelinhas da crítica

Conteúdo do artigo principal

Mauricio Mendonça Cardozo

Resumo

No futebol, o jogo se joga a cada um dos 90 e tantos minutos de uma partida, o que também significa dizer que é no decurso desse tempo que o jogo vai se construindo como objeto crítico, estético, histórico, desportivo etc., ganhando novos ritmos e tensões, ensaiando reviravoltas, redesenhando hierarquias e se evidenciando, assim, como experiência intensamente efêmera e dinâmica. Ao apito final do árbitro, o jogo se encerra, os sujeitos de sua construção vão para os vestiários, o placar se torna definitivo; no entanto, a construção do jogo como objeto de leitura não cessa nesse mesmo instante, na medida em que sobrevive como objeto de debate e disputa da crítica e do comentário desportivo, ganhando suas mais diversas ressignificações. Partindo de um esforço de aproximação entre o objeto-jogo (de futebol) e o objeto-obra (literária), em sua condição comum de objetos de um processo contínuo de ressignificação por parte da crítica, este trabalho propõe uma reflexão sobre as noções de futebol-arte e de tradução-arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
CARDOZO, M. M. Tradução, literatura e futebol nas entrelinhas da crítica. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 9, n. 2, p. 47–70, 2024. DOI: 10.35699/2526-4494.2024.49210. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/49210. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

ARROJO, Rosemary. A que são fiéis tradutores e críticos de tradução? Paulo Vizioli e Nelson Ascher discutem John Donne. In: ARROJO, Rosemary. Tradução, desconstrução e psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1993, p.15-26.

ASCHER, Nelson. Donne em tradução erudita. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 abr. 1985.

ASCHER, Nelson. Nelson Ascher rebate críticas de Paulo Vizioli. Folha de São Paulo, 12 mai. 1985.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor, tradução de Susana Kampff Lages. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). Organização, apresentação e notas de Jeanne Marei Gagnebin; tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011.

BRITTO, Paulo Henriques. Fidelidade em tradução poética: o caso Donne. Terceira Margem. Revista do Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura, UFRJ, Rio de Janeiro, ano X, número 15, p. 239-254, 2006.

CAMPOS, Augusto de. Verso Reverso Controverso. São Paulo: Editora Perspectiva, 1978.

CAMPOS, Augusto de. John Donne, o Dom e a Danação. Florianópolis: Noa Noa, 1978.

CAMPOS, Augusto de. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMPOS, Augusto de. Invenção. De Arnaut e Raimbaut a Dante e Cavalcanti. São Paulo: Arx, 2003.

CAMPOS, Haroldo de. A obra de arte aberta. In: CAMPOS, Haroldo. Teoria da Poesia Concreta (Textos críticos e manifestos 1950-1960). São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975, p. 30-33.

CARDOZO, Mauricio Mendonça. Espaço versus prática da crítica de tradução literária no Brasil. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 19, p. 205-234, 2007.

DE MARTINI, Marcus. A authoritas do traduzido e a legitimação do tradutor: ou o dia em que John Donne foi chamado para defender os sonetistas. eLyra: revista da rede internacional lyracompoetics, Porto, Universidade do Porto, n. 9, 2017, p. 259-283.

DICK, André. Augusto de Campos: em busca da “alma” e da “forma”. IHU on-line, São Leopoldo, 6 out. 2008. Disponível em: https://bit.ly/49MVMTj. Acesso em: 19 abr. 2024.

FREYRE, Gilberto. Foot-ball mulato. Diário de Pernambuco, Recife, 17 jun. 1938, p. 4.

GHIRARDI, José; MILTON, John. John Donne no Brasil. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 45, p. 77-101, 2003.

GZH. Fernando Diniz responde Mano sobre conciliar trabalho no Fluminense com Seleção Brasileira: “Viver é perigoso”. GZH, Porto Alegre, 9 jul. 2023, Esportes. Disponível em: https://bit.ly/3Uq4ORF.Acesso em: 19 abr. 2024.

HAMILTON, Jamie. Dice games. Fernando Diniz, aesthetics and the manipulation of chance. Medium, EUA, 13 jul. 2023. Disponível em: https://bit.ly/3JrnHgR. Acesso em: 19 abr. 2024.

KASSAB, Álvaro; GOMES, Eustáquio. Augusto de Campos. O “vocalista” da alma e da forma. Jornal da Unicamp, Campinas, 24 a 30 nov. 2008, p. 5-8. Disponível em: https://bit.ly/4d8Pq3F. Acesso em: 19 abr. 2024.

MANSUR, Carlos Eduardo. Fernando Diniz, técnico do Atlético-PR: “Futebol é mais arte que ciência”. O Globo, Rio de Janeiro, 12 fev. 2018, Esportes. Disponível em: https://bit.ly/44eG427. Acesso em: 19 abr. 2024.

MARQUES, José Carlos; CÉSAR, Nathaly Barbieri Marcondes. O futebol-arte brasileiro: uma tradição continuamente reinventada e contestada. FuLiA/UFMG, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, 2018, p. 1-22. Acesso em: 15. set. 2023.

MELLO, Simone Homem de. “Muito do que traduzíamos partia da ideia de traduzir o aparentemente intraduzível”. Augusto de Campos em entrevista. TOLEDO, Alemanha, jan. 2021, Cities of Translators – São Paulo. Disponível em: https://bit.ly/4b2UZyB. Acesso em 19 abr. 2024.

MOSTARO, Filipe Fernandes Ribeiro. O futebol-arte na imprensa nacional: a construção de um estilo de jogo. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 11, n. 2, 2014, p. 354-366.

PASOLINI, Pier Paolo. O gol fatal, tradução de Mauricio Santana Dias. Folha de S. Paulo, Caderno Mais!, São Paulo, 6 mar. 2005.

PEREIRA, Camila; LOVISOLO, Hugo. 1938: o nascimento mítico do futebol-arte brasileiro. In: HELAL, Ronaldo; CABO, Álvaro. (Orgs.). Copas do Mundo: comunicação e identidade cultural no país do futebol. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

PEREIRA, Cristina Monteiro de Castro. Entrevista com Augusto de Campos. Revista Brasileira de Literatura Comparada, ABRALIC, São Paulo, número 19, p.13-23, 2011.

PRIKLADNICKI, Fábio. Augusto de Campos: “As melhores traduções são aquelas que não parecem tradução”. GZH, Porto Alegre, 17 set. 2012, Cultura e Lazer. Disponível em: https://bit.ly/3Qbr1Rb. Acesso em 19 abr. 2024.

REDAÇÃO DO GE. Perfil da Copa do Mundo dá boas-vindas a Fernando Diniz na Seleção: "Chegou a hora do futebol arte". GE, Rio de Janeiro, 4 jul. 2023, Seleção Brasileira. Disponível em: https://bit.ly/3Q8pzPa. Acesso em: 19 abr. 2024.

VIZIOLI, Paulo. John Donne: o poeta do Amor e da Morte. São Paulo: J. C. Ismael, 1985.

VIZIOLI, Paulo. Paulo Vizioli responde a Ascher. Folha de São Paulo, São Paulo, 5 maio 1985.