Sistemas geodésicos de referência adotados no Brasil e a conversão dos dados geográficos para o sistema oficial SIRGAS2000: transformações e avaliação de erros

Autores

  • André Ferreira Borges IGC/UFMG mestrado em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais
  • Marcos Antonio Timbó Universidade Federal de Minas Gerais
  • Marcelo Antonio Nero Universidade Federal de Minas Gerais
  • Plínio da Costa Temba Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X%20..13414

Palavras-chave:

Geodésia, Sistema Geodésico de Referência, SIRGAS2000

Resumo

A evolução tecnológica e científica propiciou o melhoramento dos Sistemas Geodésicos de Referência (SGR) ao longo do tempo, tanto no aspecto de definição, como no de realização do sistema. Dessa maneira, o presente trabalho aborda a utilização de diferentes SGR usados no Brasil. O assunto carece de discussões consistentes com relação à produção e uso de dados cartográficos no Brasil, tendo em vista que é tema pouco conhecido ou relegado a segundo plano por muitos profissionais que lidam com análises de dados geográficos. O desconhecimento ou subestimação do SGR pode causar erros nos produtos cartográficos e nas análises decorrentes, se os dados espaciais forem transformados de maneira inadequada. Assim, os produtos cartográficos nacionais existentes estão referenciados com base em diferentes sistemas, a saber: Córrego Alegre (realizações 1961 e 1970/1972), Astro Datum Chuá, SAD69 (realização inicial, realização 1996, realização técnica Doppler ou GPS), e por último, o SIRGAS2000 (materialização 2000,4) que é o sistema oficial atualmente em vigor. Neste contexto, o presente trabalho tem como objetivo fazer uma discussão analítica dos diversos Sistemas Geodésicos de Referência historicamente usados no Brasil e apresentar uma abordagem comparativa das discrepâncias de coordenadas entre eles com base em estudo de caso no município de Nova Lima - MG. O estudo conclui que a existência de metadados, o entendimento apropriado dos Sistemas Geodésicos de Referência e uma análise local criteriosa são indispensáveis para obter bons resultados nas análises espaciais que requerem conversão de SGR

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLITZKOW, D.; MATOS, A. C. O. C.; GUIMARÃES, G. N.; COSTA, S. M. A. O conceito atual dos referenciais usados em geodésia. Revista Brasileira de Cartografia, no. 63/5, pp. 633-648, 2011.

BORGES, A. F; TIMBÓ ELMIRO, M. A; NERO, M. A; TEMBA, P. C. Métodos de cartografia e geoprocessamento aplicados na gestão de inconsistências de limites intermunicipais - estudo de caso entre Nova Lima e Belo Horizonte, Revista Geografias UFMG, v.11,.n.2, Belo Horizonte, 2015.

BRASIL. Decreto 89.817 de 30 de março de 1983. Normas para o controle de qualidade de documentos cartográficos. Brasília, Diário Oficial da União, 1984. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D89817.htm>. Acesso em: 10 set. 2015.

CONCAR; EXÉRCITO BRASILEIRO – CONCAR-EB. Especificação Técnica Para A Aquisição De Dados Geoespaciais Vetoriais. Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais. 2.ed. Brasil, 2011.

COSTA, M. F. Uma Proposta para Compatibilização entre Referenciais Geodésicos. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas). Departamento de Geomática, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 1999a.

COSTA, S. M. A. Integração da Rede Geodésica aos Sistemas de Referência Terrestres. Tese (Doutorado em Ciências Geodésicas). Departamento de Geomática, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 1999b.

DALAZONA, R. Implicações na Cartografia com a Evolução do Sistema Geodésico Brasileiro e Futura Adoção do Sirgas. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas). Departamento de Geomática, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2001.

DALAZONA, R.; FREITAS, S. R. C. Efeitos na cartografia devido a evolução do sistema geodésico brasileiro e adoção de um referencial geocêntrico. Revista Brasileira de Cartografia, no. 54, pp. 54-76, 2002.

FERNANDES, V. O.; RÖSCH, N. Aplicação de modelos de transformações Bursa-Wolf e Molodensky simplificada na transformação dos Sistemas Sad69 (1996) e Sirgas2000. In: II Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, Recife, 2008.

FERNANDES, V. O. Implicações da adoção do Referencial Geodésico Sirgas 2000 na Cartografia em escala grande. Tese (Doutorado em Engenharia de Transportes) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

FREITAS, S. R. C.; LAZZAROTTO, D. R. ; SLUTER, C. R. ; LUZ, R T. Avaliação da Compatibilidade dos Sistemas Geodésicos de Referência no Brasil. Boletim de Ciências Geodésicas, Curitiba, v. 10, n.2, p. 225-239, 2004.

GEMAEL, C. . Introdução à Geodésia Física. Curitiba: Editora da UFPR, 1999. 319p.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resolução PR nº 23. Especificações e Normas Gerais para Levantamentos Geodésicos. Rio de Janeiro, 1983.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resolução PR nº 22. Parâmetros para Transformação de Sistemas Geodésicos. Rio de Janeiro, 1989.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ajustamento da Rede Planimétrica do Sistema Geodésico Brasileiro. Rio de Janeiro, 1996.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistemas de Referência. Disponível em: .Rio de Janeiro, RJ, 2001.

IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resolução da Presidência do IBGE no 1/2005. Rio de Janeiro, RJ, 2005. IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. ProGrid: Guia do Usuário. Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/documentos/geodesia/projeto_mudanca_referencial_geodesico/progrid_guia_do_usuario.pdf>. Rio de Janeiro, RJ, 2009.

KWON, J. H; BAE, T.S; CHOI, Y. S; LEE, D. C; LEE, Y. W. Geodetic datum transformation to the global geocentric datum for seas and islands around Korea. Geoscience Journal, Vol. 09, n. 4, pp. 353-361, 2005.

MONICO, J.F.G. Posicionamento pelo NAVSTAR – GPS: Descrição, Fundamentos e Aplicações. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

MONICO, J. F. G. Posicionamento pelo GNSS: Descrição, Fundamentos e Aplicações. 2 ed. São Paulo, Editora UNESP, 2008.

OLIVEIRA, J. R. Análise comparativa de métodos de transformação de coordenadas para a interoperabilidade entre data geodésicos da cartografia do IgeoE. 2015. Dissertação (Mestrado em Engenharia Geográfica) - Universidade de Lisboa, 2015.Belo Horizonte, 01 de Janeiro - 30 Junho de 2016. Vol.12, nº1, 2016

OLIVEIRA, L.C. Realizações do Sistema Geodésico Brasileiro Associadas ao SAD69: Uma Proposta Metodológica de Transformação. 1998. Tese (Doutorado em Engenharia de Transportes) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 1998.

RODRIGUES, D. D. Rede geodésica de precisão no estado de Minas Gerais: avaliação de diferentes estratégias de processamento e ajustamento. 2008. Tese (Doutorado em Engenharia de Transportes) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2008.

SEEBER, G., Satellite Geodesy – Foundations, Methods and Applications – Berlin, New York. 1993.

SILVA, I.; SAGANTINE, P. C. L. Topografia para a Engenharia: Teoria e prática da geomática. Elsevier, Rio de Janeiro, 2015.

TORGE, W. Geodesy. Berlin, New York: Walter de Gruyter, 2001. 416 p.

ZANETTI, M.A.Z. Implicações Atuais no Relacionamento entre Sistemas Terrestres de Origem Local e Geocêntrica. Tese de doutorado, CPGCG, UFPR, 111pp. 2006.

ZÁVOTI, J. A Simple Proof of The Solutions Of The Helmert- and The Overdetermined Nonlinear 7-Parameter Datum Transformation. Acta Geod. Geoph. Hung., Vol. 47(4), pp. 453–464, 2012.

ZENG, H. Analytical algorithm of weighted 3D datum transformation using the constraint of orthonormal matrix. Earth, Planets and Space a Springer Open Journal, pp. 1-10, 2015.

Downloads

Publicado

2017-01-27

Como Citar

Borges, A. F., Timbó, M. A., Nero, M. A., & Temba, P. da C. (2017). Sistemas geodésicos de referência adotados no Brasil e a conversão dos dados geográficos para o sistema oficial SIRGAS2000: transformações e avaliação de erros. Revista Geografias, 45–63. https://doi.org/10.35699/2237-549X .13414

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)