O grande peixe: monstruosidade e punição no Livro de Jonas e em A estranha nação de Rafael Mendes

  • Glauber Pereira Quintão Faculdade de Letras Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Analisa-­se, neste artigo, a monstruosidade de o grande peixe, do Livro de Jonas e sua reaparição no romance A estranha nação de Rafael Mendes, 1983, de Moacyr Scliar. Por meio dessa análise, apontam-­se algumas características de contraste e de semelhança da função que esse monstro apresenta em cada um desses textos. Trabalha-­se a hipótese de que o peixe grande, no texto bíblico, seria marcado por uma função de constituição e manutenção da identidade, enquanto, no romance, o monstro apareceria como desconstrutor de sistemas de significação que pretendem ser imutáveis e herméticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauber Pereira Quintão, Faculdade de Letras Universidade Federal de Minas Gerais

Mestrando em Teoria da Literatura, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários, da Universidade Federal de Minas Gerais. Bacharel em Filosofia pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG e pesquisador do Núcleo de Estudos Judaicos da UFMG.

Referências

AUERBACH, Erich. A cicatriz de Ulisses. In: Misesis. Trad. Suzi Srankl Sperber. São Paulo: Perspectiva, 2002. p. 1-20.

ACKERMAN, James. S. Jonas. In: ALTER, Robert e KERMODE, Frank, Guia literário da Bíblia. Trad. Raul Fiker. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997. p.251-262.

BAKHTIN, Mikhail. Epos e Romance. In: Questões de literatura e de estética. Trad. Aurora Fornoni Bernadini. São Paulo: Hucitec; Unesp, 1993. p. 297-428.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas I)

BÍBLIA DE JERUSALÉM. Trad. Do texto em língua portuguesa diretamente dos originais. GORGULHO, G. da S.; STORNIOLO, I.; ANDERSON, A. F. (Coord.). São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional/Paulus, 2002.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

CUSA, Nicolau de. A douta ignorância. Trad. Reinholdo Aloysio Ullmann. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

DERRIDA, Jacques. A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas. In: _____. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 1971. p. 229-49.

FRYE, Northrop. O código dos códigos: a Bíblia e a Literatura. Trad. Flávio Aguiar. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

FUNDAMENTALISMO. In: HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JEOVÁ. In: HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.MALANGO, Eliana Branco. A interpretação judaica da Bíblia Hebraica. In: A Bíblia hebraica como obra aberta. São Paulo: Associação Editorial Humanitas: Fapesp, 2005. p. 195-9.

MANGUEL, Alberto. Jonas e a baleia. In: No bosque do espelho: ensaios sobre as palavras e o mundo. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 257-70.

NASCIMENTO, Lyslei. Borges e outros rabinos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

NOWELL, Irene. Jonas, In: Comentário bíblico. Trad. Barbara Lambert. São Paulo: Edições Loyola, 2001. p. 123-5.

SCLIAR, Moacyr. A estranha nação de Rafael Mendes. São Paulo: Círculo do Livro, 1983.

WALDMAN, Berta. O que foi que ele disse? In: Entre passos e rastros. São Paulo: Perspectiva, 2003. p. 141-52.

Publicado
2009-10-30
Como Citar
Quintão, G. P. (2009). O grande peixe: monstruosidade e punição no Livro de Jonas e em A estranha nação de Rafael Mendes. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 3(5), 29-43. https://doi.org/10.17851/1982-3053.3.5.29-43