Sobre as coleções e colecionadores em Ver: Amor, de David Grossman

  • Jorge Freitas Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Coleção, Enciclopédia, Infância

Resumo

Este artigo define-se como a análise do conceito de coleção no romance do escritor israelense David Grossman (2007), Ver: Amor. Nesse sentido, pretendemos elaborar um percurso pelas características principais do romance de Grossman que giram em torno de uma escrita enciclopédica, labiríntica, metalinguística, rizomática e fragmentária. Características, convém ressaltar, típicas de um romance pós-moderno, sobretudo, de um romance que pretende se confrontar com questões duríssimas sobre o extermínio, a morte, a catástrofe, mas que também, aponta para temas como a vida, a memória, o amor e a sobrevivência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Freitas, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Estética e Filosofia da Arte pelo Instituto de Filosofia, Arte e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto (IFAC-UFOP). Doutorando em Teoria Literária pela Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In:______. Notas de Literatura. Trad. Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34, 2003.

AGAMBEN, Giorgio. A ideia do amor. In: ______. A ideia da prosa. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2012.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trard. Irene Aron. Belo Horizonte: Ed. UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CALVINO, Italo. Coleções de areia. Trad. Maurício Santana Dias. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ECO, Umberto. O antiporfírio. In: _____. Sobre espelhos e outros ensaios. Trad. Beatriz Borges. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

FREUD, Sigmund. O inquietante. História de uma neurose infantil: (“O homem dos lobos”): além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). São Paulo: Companhia das letras, 2010.

GROSSMAN, David. Ver: Amor. Trad. Nancy Rozenchan. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Após Auschwitz. In:______. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed.34, 2006.

JAROUCHE, Mamede Mustafá (Org.). Livro das mil e uma noites. V. I: ramo sírio. Trad. Mamede Mustafá Jaraouche. São Paulo, Globo, 2006.

MAIA, Cláudia. A imagem inalcançável do todo: coleções, museus, arquivos em Italo Calvino. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

MIRANDA, Wander Melo. A liberdade do pastiche. In: ______. Nações Literárias. Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

ROUANET, Sérgio Paulo.; PEIXOTO, Nelson Brissac. É a cidade que habita os homens ou são eles que moram nela?. Revista da USP/Dossiê Walter Benjamin, n. 15, set-nov, 1992.

SILVA, Vívien Gonzaga e. As mil e uma vozes de Ver: Amor, de David Grossman. Arquivo Maaravi: Revista digital de Estudos Judaicos da UFMG. Belo Horizonte, v. 4, n. 6, mar. 2010.

Publicado
2015-05-30
Como Citar
Freitas, J. (2015). Sobre as coleções e colecionadores em Ver: Amor, de David Grossman. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 9(16), 90-107. https://doi.org/10.17851/1982-3053.9.16.90-107