Da reconstrução da Shoah em Ver: Amor, de David Grossman

  • Vítor de Carvalho Teixeira Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Enciclopédias, Coleções, David Grossman

Resumo

O romance Ver: Amor, de David Grossman, é marcado pelo desejo de reconstrução da Shoah pela ficção. Seguindo um modelo de escrita enciclopédica, o leitor se depara com uma expressão instável e cheia de ruídos, mas que intenta a todo custo fixar o múltiplo. O protagonista infantil de Grossman, Momik, vive nesse cenário caótico, querendo alicerçar uma casa e se proteger das intemperes que chegam com as dúvidas do passado. Assim, essa criança-arquivo registra tudo o que é possível e coleciona fragmentos da memória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vítor de Carvalho Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais

graduando em Letras na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BELLEI, Sérgio Luiz Prado. Hipertexto e literatura. Porto Alegre: Edipucrs, 2012. O livro-biblioteca. p. 75-93.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sergio Paulo Rounet. São Paulo: Brasiliense, 1993a. (Obras escolhidas, v. 1) Livros infantis antigos e esquecidos. p. 236-243.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho; José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1993b. (Obras escolhidas, v. 2) Desempacotando minha biblioteca; um discurso sobre o colecionador. p. 227-235.

BERGER, John. Por que olhar os animais? In: ______. Sobre o olhar. Trad. Lya Luft. Barcelona: Editora Gustavo Gili, 2003. p. 11-32.

BORGES, Jorge Luis; Guerrero, Margarida. Manual de zoologia fantástica. México: Fondo de Cultura Económica, 1996.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio: lições americanas. Trad. Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

DIONÍSIO, Angela Paiva. Um gênero além do dicionário. In: ______. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucena, 2005. p. 125-137.

ECO, Umberto. Minhas listas. In: ______. Confissões de um jovem romancista. Trad. Marcelo Pen. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 109-181.

ECO, Umberto. O antiporfírio. In: ______. Sobre os espelhos e outros ensaios. Trad. Beatriz Borges. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989. p. 316-341.

GROSSMAN, David. Ver: Amor. Trad. Nancy Rosenchan. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MACIEL, Maria Esther. As ironias da ordem: coleções, inventários e enciclopédias funcionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

MACIEL, Maria Esther. O animal escrito. Um olhar sobre a zooliteratura contemporânea. São Paulo: Lumme Editor, 2008.

MAIA, Claudia Cristina. A imagem inalcançável do todo; coleções, museus e arquivos em Italo Calvino. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

MIGUEL, Alcebíades Diniz. Um bestiário universal: ironia e pessimismo na ficção de Primo Levi. Belo Horizonte: Arquivo Maaravi: Revista de Estudos Judaicos da UFMG, Belo Horizonte, v. 3, n. 4, mar. 2009.

NASCIMENTO, Lyslei. Bestas apocalípticas e enciclopédias em Papéis avulsos, de Machado de Assis. In: JEHA, Julio; NASCIMENTO, Lyslei (Org.). Da fabricação de monstros. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. p. 40-57.

SILVA, Vívien Gonzaga e. As mil e uma vozes de Ver: Amor, de David Grossman. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 6, mar. 2010.

Publicado
2015-05-30
Como Citar
Teixeira, V. de C. (2015). Da reconstrução da Shoah em Ver: Amor, de David Grossman. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 9(16), 178-188. https://doi.org/10.17851/1982-3053.9.16.178-188