Vicissitudes da linguagem de Deus (por uma semiótica do aleph imaginário de Xul Solar e Jorge Luis Borges)

  • Alcebiades Diniz Miguel

Resumo

Este artigo trata de um estudo sobre a percepção do hebraico não somente como um sistema de signos, mas como cifras, isto é, como elementos de um sistema secreto disponível apenas em parte para a compreensão imediata, havendo camadas simbólicas complexas, voltadas para outros olhos interpretativos nas letras e demais grafismos da língua. Essa percepção foi desenvolvida por alguns autores de vanguarda e foi central para a configuração visionária e/ou narrativa de Jorge Luis Borges e seu “mestre”, Xul Solar. O hebraico, nas formulações desses escritores surgia como uma espécie de paisagem crepuscular, de miragem no horizonte interpretativo, no momento em que a própria Palavra parece se desfazer, nos liames tanto da construção narrativa quanto da formulação linguística que torna concreta uma paisagem puramente abstrata, visionária.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcebiades Diniz Miguel
Doutor em Teoria da Literatura e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BORGES, Jorge Luis. Obras completas. v. 1. Barcelona: Emecé, 1996.

BRØNDAL, Viggo. Français: Langue Abstraite. Copenhagen: Levin & Munksgaard, 1936.

FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Trad. Ivã Carlos Lopes; Luiz Tatit; Waldir Beividas. São Paulo: Discurso Editorial/Humanitas/FFLCH-USP, 2001.

LANG, Andrew. Crystal Visions, Savage and Civilised. In: The Making of Religion. Chapter V. Longmans, Green, and C°: London, New York and Bombay, 1900. p. 83-104. Disponível em: http://psychanalyse-paris.com/812-Crystal-visions-savage-and.html. Acesso em: 20 set. 2018.

LUGONES, Leopoldo. O espelho negro. Trad. Tamara Sender. In: MIGUEL, Alcebiades Diniz (Org.). Contos de assombro. São Paulo: Carambaia, 2018.

McCREA, Barry. Languages of the Night: Minor Languages and the Literary Imagination in Twentieth-Century Ireland and Europe. New Haven and London: Yale University Press, 2015.

NELSON, Daniel E. Un texto proteico: los San Signos de Xul Solar. In: ______. Los San Signos: Xul Solar y El I Ching. Buenos Aires: Fundación Pan Klub, 2012.

OTTEN, Willemien. Le langage de l'union mystique: le désir et le corps dans l'œuvre de Jean Scot Érigène et de Maître Eckhart. Les Études philosophiques, v. 104, n. 1, 2013.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguistica Geral. Trad. Antônio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1987.

SCHWARTZ, Jorge. Fervor das vanguardas, arte e literatura na América Latina. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes; Luiz Tatit; Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Publicado
2018-11-28
Como Citar
Miguel, A. D. (2018). Vicissitudes da linguagem de Deus (por uma semiótica do aleph imaginário de Xul Solar e Jorge Luis Borges). Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 12(23), 2-13. https://doi.org/10.17851/1982-3053.12.23.2-13