Medos e tensões mentais na relação com a memória sefardita no Portugal contemporâneo

  • Paulo Mendes Pinto Universidade Lusófona

Resumo

Este artigo objetiva analisar uma tensão no campo do adagiário português. Como que num inconsciente colectivo, os ditados populares são uma marca do que se consolidou ao longo dos séculos como percepção e representação. “Trabalhar que nem um mouro” ou “fazer judiarias” são dois exemplos de como a cultura popular portuguesa consignou chaves de intolerância na memória colectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Mendes Pinto, Universidade Lusófona

Embaixador do Parlamento Mundial das Religiões (2015-2018) e membro fundador da European Academy for Religions (2017). É Coordenador da área de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona. Foi o Comissário da exposição "Heranças e Memórias Judaicas em Portugal" (Torre do Tombo, Abril de 2017).

Referências

COSTA, Fernanda; MAGALHÃES, Olga. Com todas as letras, Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora, 2004.

MARTINS, Jorge. A questão judaica em Portugal. Bibliografia essencial comentada. Clio, Nova série, 9, p. 143-188, 2003.

CRUZ, M. B. A liberdade religiosa – dos direitos individuais aos direitos sociais. Revista Portuguesa de Ciência das Religiões. Lisboa, n. 1, p. 143-147, 2002.

CALHEIROS, Pedro. L’impacte de l’affaire Dreyfus au Brésil et au Portugal. Portugal, Brésil, France: Histoire et Culture. Actes du Colloque, Paris, 25-27 May 1987. Paris: Fundation Calouste Gulbenkian, 1988. p. 89-133.

GARCIA, Maria Antonieta. Os judeus de Belmonte: os caminhos da memória. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa – Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões, 1993.

GARCIA, Maria Antonieta. Denúncias em nome da fé: perseguição aos judeus no Distrito da Guarda de 1607 a 1625. Caderno de Culpas do Bispado da Guarda, do seu Distrito e das Visitações. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa – Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões, 1996.

GARCIA, Maria Antonieta et al. Guarda: história e cultura judaica. Guarda: Museu da Guarda, Câmara Municipal da Guarda, 2000.

GARCIA, Maria Antonieta. Judaísmo no feminino. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa – Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões, 1999.

GARCIA, Maria Antonieta. Fios: para um roteiro judaico da Covilhã. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2001.

GARCIA, Maria Antonieta. Inquisição e independência: um motim no Fundão – 1580. Coimbra: Alma Azul, 2006.

GARCIA, Maria Antonieta. A comunidade judaica na Covilhã: Descobertas e Inquisição: Apontamentos. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2014.

MADUREIRA, A. A Igreja Católica na origem do Estado Novo. Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

MARTINS, Jorge. A questão judaica em Portugal: Bibliografia Essencial Comentada. Clio – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, v. 9, p. 143-188, 2003.

MARTINS, Jorge. Literatura antijudaica em Portugal. História, n. 53, p. 40-47, fev. 2003,

MARTINS, Jorge. O moderno Anti-Semitismo em Portugal. Vária Escrita, n. 11, p. 291-336, 2004.

MARTINS, Jorge. Os judeus nos manuais escolares. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 6, p. 223-255, 2006.

MARTINS, Jorge. A república e os judeus. Lisboa: Nova Vega, 2010.

MARTINS, Jorge. Os judeus nos manuais escolares. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 6, p. 223-255, 2006.

MATOS, S C. Historiografia e memória nacional no Portugal do Séc. XIX. Lisboa: Colibri, 1998.

MATTOSO, J. A identidade nacional. Lisboa: Gradiva, 1998.

MIRANDA, J. As constituições portuguesas de 1822 ao texto actual da Constituição. Lisboa: Petrony, 1997.

MEA, Elvira de Azevedo, STEINHARDT, Inácio. Ben-Rosh. Biografia do Capitão Barros Basto. Lisboa: Afrontamento, 1997.

MEDINA, João. O caso Dreyfus em Portugal. Revista da Faculdade de Letras, n. 16/17, p. 115-231,1994.

MUCZNIK, Esther. Deus na escola pública. Comunicação & Cultura, n. 11, p. 79-94, 2011.

MICKZNIK, Esther; RIBEIRO, Joana Ferreira. A religião nos manuais Escolares: a study for the Comissão da Liberdade Religiosa (Committee for Religious Freedom), 2007.

OLIVEIRA, Ana Rodrigues de et al. História. [S.l.]: Texto Editores, 2005.

PIGNATELLI. A comunidade israelita de Lisboa. Lisboa: ISCSP, 2000.

PINTO, Paulo Mendes. História & Grafia: sobre a formulação da história sagrada e da decadência cívica. Lisboa: Centro de Estudos em Ciência das Religiões, 2002.

PINTO, Paulo Mendes. Para uma ciência das religiões em Portugal. Lisboa: Ed. Universitárias Lusófonas, 2005.

PINTO, Paulo Mendes. Memória – Ideologia – Imagens: Os sefarditas na historiografia portuguesa recente. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 6, 2006, p. 205-221.

PINTO, Paulo Mendes. Celebrar António Sardinha, ou a antítese do lugar para onde quero ir. Público, Lisboa, p. 54-55, mar. 2018.

RODRIGUES, Nuno Simões. Os judeus da hispânia na Antiguidade. Cadernos de Estudos Sefarditas, n. 6, p. 9-34, 2006.

SCHWARZ, Samuel. O renascimento dos marranos em Portugal, [1929]. Trad. João Schwarz (2012). Disponível em: http://www.aast.ipt.pt/pt/index.pHistória de Portugal?s=white&pid=267. Acesso em: 10 nov. 2018.

GARCIA, Maria Antonieta. Judeus de Belmonte e o poder autárquico. Disponível em: www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 10 nov. 2018.

GARCIA, Maria Antonieta. Comunidades marranas nas Beiras. Disponível em: www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 13 nov. 2018.

GARCIA, Maria Antonieta. Mães da Beira. Disponível em: www.bocc.ubi.pt. Acesso em: 10 nov. 2018.

Publicado
2018-11-28
Como Citar
Mendes Pinto, P. (2018). Medos e tensões mentais na relação com a memória sefardita no Portugal contemporâneo. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 12(23), 178-198. https://doi.org/10.17851/1982-3053.12.23.178-198