Considerações sobre o discurso “O meridiano” (Der Meridian), de Paul Celan

  • Jorge Benedito de Freitas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Meridiano, Paul Celan, Contra-palavra.

Resumo

Este artigo trata de alguns aspectos do discurso “O meridiano” (Der Meridian), do poeta romeno Paul Celan, procurando ressaltar, sobretudo, três aspectos centrais: o debate sobre a situação da poesia após Auschwitz; a presença e o encontro do poético com o “outro” e, finalmente, a data (o Schibboleth) que (de)marca o poeta no trato com a barbárie e, consequentemente, com a poesia. Diante disso, a hipótese que se apresenta é que “O meridiano” não apenas constitui-se como a peça central de uma poética celaniana, como também, destaca a composição da contra-palavra (Gegenwort) como língua poética que se confronta com a realidade fraturada pela negatividade do massacre cometido em Auschwitz. 

Biografia do Autor

Jorge Benedito de Freitas, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Doutor em Letras: Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. Trad. Arthur Morão. Lisboa: Edições 70, 1982.

ADORNO, Theodor W. Prismas: crítica cultural e sociedade. Trad. Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Ática, 1998.

ADORNO, Theodor W. Notas de literatura. Trad. Celeste Aída Galeão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

ADORNO, Theodor W. Dialética Negativa. Trad. M.A. Casanova. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENJAMIN, Walter. Origem do Drama Trágico Alemão. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

BENJAMIN, Walter. O Anjo da História. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

BUBER, Martin. Eu e Tu. Trad. Newton Aquiles von Zuben. São Paulo: Centauro, 2003.

CELAN, Paul. Sete rosas mais tarde: antologia poética. Trad. João Barrento e Y. K. Centeno. Lisboa: Cotovia, 1993;

CELAN, Paul. A arte poética: O meridiano e outros textos. Trad. João Barrento e Vanessa Milheiro. Lisboa: Cotovia, 1996.

CHIARELLO, Maurício. A filosofia, a arte e o inominável: três estudos sobre a dor da finitude na obra tardia de Theodor W. Adorno, tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2002. Orientador: Prof. Dr. Marcos Lutz Müller.

COLIN, Amy D. Paul Celan’s Poetics of Destruction. In: COLIN, Amy D. (Ed.) Argumentum e silentio. Internationales Paul Celan Symposium. Berlin: De Gruytier, 1987.

COSTA LIMA, Luís. A ficção e o poema – Antônio Machado, W.H. Auden, P. Celan, Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

DERRIDA, Jacques. Schibbolet pour Paul Celan. Paris: Galilée, 1986.

FELSTINER, Jonh. Paul Celan. Poet, Survivor, Jew. New Haven-Londow: Yale University Press, 1995.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

IBALBURCÍA, Ricardo. Simiente de lobo: Celan, Adorno y la poesía después de Auschwitz. In: Revista Transformação, São Paulo: 1998/1999: 131-150. 2018.

Publicado
2019-05-29
Como Citar
Freitas, J. B. de. (2019). Considerações sobre o discurso “O meridiano” (Der Meridian), de Paul Celan. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 13(24), 74-88. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/maaravi/article/view/14541