Gestão de documentos arquivísticos

diagnóstico situacional em Escolas Estaduais de Minas Gerais

Autores

Palavras-chave:

Gestão Documental, Metodologia de Gestão Documental, Documentos Arquivísticos, Recuperação da Informação

Resumo

Decorrente do avanço tecnológico que a sociedade vivencia, os processos e procedimentos utilizados nas instituições tendem a sofrer mudanças. Essas são necessárias e visam atender às novas demandas institucionais, sedentas por novas ferramentas e metodologias para aperfeiçoar os processos. Nesse contexto, incluem-se as instituições de ensino, especificamente, as Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais (EEMG) e os processos de Gerenciamento Arquivístico de Documentos. Essas instituições têm apresentado dificuldades ao gerenciar seus acervos documentais, nomeadamente, os acervos arquivísticos produzidos pelo Departamento de Pessoal (DP). Assim, faz-se necessário uma gestão padronizada, por meio de procedimentos de organização do dossiê funcional, visando garantir acesso e recuperação de maneira segura. Este estudo tem como objetivo, apresentar extrato do diagnóstico situacional realizado no DP das EEMG para verificar a situação da gestão dos documentos. Acredita-se que por meio do diagnóstico, tais instituições poderão implementar melhorias no processo de organização e recuperação dos documentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR ISO 15489-1: Informação e documentação – Gestão de documentos de arquivo: Parte 1: Conceitos e princípios. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

BARTALO, L. ; MORENO, N. (Orgs.). Gestão em arquivologia: abordagens múltiplas. Londrina: Eduel. 2008.

BELLOTTO, H.L. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 2006, p. 16-17.

BELLOTTO, H.L.. Arquivos Permanentes: tratamento documental. 4ª. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004

BIOLCHINI, J. Systematic review in software engineering. Technical Report ES, Rio de Janeiro, v. 679, n. 5, p. 1-30, 2005. Disponível em: https://www.cos.ufrj.br/uploadfile/es67905.pdf. Acesso

em: 30 jan. 2021.

BRASIL, SEE/MG. Manual do Secretário Escolar do Estado de Minas Gerais, Versão 2.0. Assessoria de Comunicação Social - ACS/SEE-MG. Minas Gerais,2014. Acesso em: 20 de jun. de 2020. Disponível em:

https://www2.educacao.mg.gov.br/images/stories/publicacoes/MANUAL_DO_SECRETARIO_2014_WEB.pdf

BRASIL, Arquivo Nacional. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2005, p. 62-63.

BRASIL. Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 129, jan. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8159.htm. Acesso em: 30 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.527/2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ano 148, n. 221-A, nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12527.htm#art46. Acesso em: 20 maio 2021.

DURANTI, L.; EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. Preservation of the integrity of electronic records. Chicago: Springer Science & Business Media, 2002, p. 62-63.

DURANTI, L. The concept of appraisal and archival theory. The American Archivist, Chicago, v.57, n.2, 1994.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007, p. 14-15.

HEREDIA, Antônia Herrera. Lenguaje y vocabulario archivísticos: algo más que un dicionário.

Sevilla: Consejeria de Cultura, 2011, p. 16-19.

JARDIM, J.M. As relações entre a Arquivística e a Ciência da Informação. Informare, Rio de Janeiro, 2007.

JARDIM, J.M. Caminhos e perspectivas da gestão de documentos em cenários de transformações. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, jul./dez. 2015.

LÓPEZ YEPES, J. La Documentación como disciplina: teoria e história. 2. ed. Pamplona: EUNSA, 1995, p. 32-33.

KOONTZ, H.; O'DONNELL, C. Princípios de administração. São Paulo: Pioneira, 1981.

LUSTOSA, J.G. O comportamento informacional de pesquisadores e gerentes. Teresina, PI: EDUFPI, 2006.

NEWMAN, W. WARREN. K. Diagnóstico: um pré-requisito para boas decisões. In: Administração avançada: conceitos, comportamentos e práticas no processo administrativo. São Paulo: Atlas, 1980, p. 75-78.

PONJUÁN, G.D. Gestión de la información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Rosario: Nuevo Parhadigma, 2004, p. 75-77.

RONDINELLI, R.C. Gerenciamento Arquivístico de Documentos Eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2002, p. 14-16.

SANJUAN, J.L. A norma ISO 15489:2001 y su evolución hacia un cambio de estratégia en las organizaciones. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, jul./dez., 2015.

SANTOS, H.M. Estratégias de preservação digital para documentos arquivísticos: uma breve reflexão. Cadernos BAD, Lisboa, n. 1, 2015.

SOUZA, R.R. Sistemas de recuperação de informações e mecanismos de busca na web: panorama atual e tendências. Perspectivas em Ciência da Informação, v.11, n.2, 2006.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Rio de Janeiro: FGV, 2006, p.25-26.

VALENTIM, M.L.P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. Data Grama Zero, Rio de Janeiro, v.3. n.4, ago. 2002.

Downloads

Publicado

2021-12-04

Como Citar

ARAÚJO, J. J. de; AGANETTE, E. C. . Gestão de documentos arquivísticos: diagnóstico situacional em Escolas Estaduais de Minas Gerais . Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, [S. l.], n. Especial, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/37089. Acesso em: 18 maio. 2022.