Contribuições do Design para o Ensino de Ciências por Investigação

Palavras-chave: ensino de ciências, ensino por investigação, projeto, design, projeto investigativo

Resumo

Este artigo apresenta uma investigação teórico-metodológica descritiva e propositiva que explora o potencial do Design para o Ensino de Ciências por Investigação, tendo como objetivo a ampliação dos seus formatos de prática e a superação de algumas dificuldades em situações nas quais a lógica projetual baseada em Design pode ser uma alternativa para se trabalhar com as situações-problemas, desenvolvendo constructos físicos ou teóricos que, para tal, mobilizam conhecimentos específicos e interdisciplinares. Partimos da leitura de algumas das abordagens e metodologias associadas ao processo investigativo e criativo. Explicitamos reflexões e possibilidades de encontro entre o Ensino de Ciências por Investigação e o Design, partindo da premissa de que tanto a Ciência como o Design são processos construtivos que trabalham com modelos. Essa aproximação, que denominamos como Ensino de Ciências por Projeto Investigativo (ENCIPI) valoriza os percursos trilhados e desenvolve pontos que potencializam a prática investigativa, como o aprender a lidar com o erro e com a reconfiguração de modelos. Temos como resultado a apresentação de seis etapas para o desenvolvimento de projetos investigativos articulados ao Design e influenciados por outras metodologias e abordagens. São elas: estabelecer e programar; expandir e aproximar; propor; criar; validar e aprimorar; e comunicar, implementar e aprender, e orientamos os principais movimentos de cada etapa, para professores e alunos, assim como os recursos envolvidos para as mesmas.

Biografia do Autor

Gabriel da Silva Bruno, Universidade Anhembi Morumbi
Estudante de graduação em Ciências Biológicas, facilitador de aprendizagem por projeto na Explore Aprendizagem Criativa.
Paula Carolei, Universidade Federal de São Paulo, Universidade Aberta do Brasil.
Coordenadora e docente do curso de tecnologia em Design Educacional pela Universidade Federal de São Paulo.

Referências

Almeida, A., & Sasseron, L. H. (2013). As ideias balizadoras necessárias ao professor ao planejar e avaliar a aplicação de uma sequência de ensino investigativo. In IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las ciencias. Girona, Espanha. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/viewFile/307073/397053
Bacich, L., & Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso. Recuperado de https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788584291168/
Bertoldi, A. D., Possel, M. C., Daron, R., Costa, R. C. T., & Borba, S. de. (2011). Identificando atividades de design na educação básica por meio do método Card Analysing. InfoDesign, 8(3), 20–25. Recuperado de https://www.infodesign.org.br/infodesign/article/view/153
Borges, M. C., Chachá, Silvana, G. F., Quintana, S. M., Freitas, L. C. C., & Rodrigues, M. L. V. (2014). Aprendizado baseado em problemas. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP, 47(3), 301–307. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86619
Bruno, G. S., & Carolei, P. (2018). Analise semântica de resumos científicos como recurso para evidenciar pontos críticos. In Educação em Ciências em múltiplos contextos - Atas do XVII Encontro Nacional de Educação em Ciências, XVII ENEC, I Seminário Internacional de Educação em Ciências, I SIEC. Viana do Castelo: Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Escola Superior de Educação. Recuperado de https://www.gsbruno.com.br/enec2017
Buck Institute for Education. (2008). Aprendizagem baseada em projetos: Guia para professores de ensino fundamental e médio. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.
Burnette, C. (2005a). IDESiGN_Design Thinking & Other Disciplines. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/01whyteach/02whyteach.html
Burnette, C. (2005b). IDESiGN_Evaluating What is Learned. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/06assessment/01assess.html
Burnette, C. (2005c). IDESiGN_Traditional Versus Design Based Teaching. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/03teachdt/02teachdt.html
Camargo, G. H. de, Motokane, M. T., & Castro, R. G. de. (2016). A argumentação em uma sequência didática investigativa sobre biodiversidade. In Revista da SBEnBio - Número 9 - 2016 VI Enebio e VIII Erebio Regional 3 (pp. 2244–2255). Belo Horizonte.
Carvalho (org.), A. M. P. de. (2004). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson Learning.
Carvalho, A. M. P. de. (2013). O Ensino de Ciências e a proposição de sequências didáticas investigativas. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.
Dresch, A., Lacerda, D. P., & Júnior, J. A. V. A. (2015). Design Science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman.
Dunne, A., & Raby, F. (2013). Speculative everything: design, fiction, and social dreaming. Cambridge. MA: MIT Press. Cambridge: MIT Press.
FEBRACE. (n.d.). O que é FEBRACE. Recuperado em 20 de janeiro, 2018, de http://febrace.org.br/o-que-e-a-febrace/
FEBRACE, & Intel. (2018). APICE - Aprendizagem Interativa em Ciências. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://apice.febrace.org.br/
Fontoura, A. M. (2002). EdaDe: A educação de crianças e jovens através do Design. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/82554
Latour, B. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. São Paulo: EDUSC.
Martins, B. M. R., & Couto, R. M. de S. (2016). Design como prática educativa: estudos de caso da Aprendizagem Baseada em Design. Blucher Design Proceedings, (May), 5625–5638. https://doi.org/10.5151/despro-ped2016-0534
Miller, W. R. (1988). A definição de design. Tradução de João de Souza Leite. Recuperado de http://feiramoderna.net/ufes/projeto1/MILLER-A-definicao-de-Design.pdf


Moreira, L. C., Souza, G. S. de, & Almassy, R. C. B. (2014). As atividades investigativas e a resolução de problemas no ensino de biologia: Limites e possibilidades. Revista da Associação Brasileira de Ensino de Biologia.
Motokane, M. T. (2015). Sequências Didáticas Investigativas e Argumentação no Ensino de Ecologia. Revista Ensaio, 115–137. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s07
Nelson, D. (2009). How Does Design-Based Learning Work? Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.cpp.edu/~dnelson/methodology/index.html
Oguz-unver, A. Arabacıoğlu, S. (2014). A comparison of inquiry-based learning (IBL), problem-based learning (PBL) and project-based learning (PJBL). Academia Journal of Educational Research, 2(July), 120–128. https://doi.org/10.15413/ajer.2014.0129
Organização das Nações Unidas. (2017). Plataforma Agenda 2030. Recuperado em 12 de janeiro, 2018, de http://www.agenda2030.org.br/
Ramos, D. C. (2016). O raciocínio abdutivo em atividades de modelagem matemática. Universidade Estadual de Londrina. Recuperado de http://www.uel.br/pos/mecem/arquivos_pdf/Dissertacao_Daiany Cristiny Ramos.pdf
Rodrigues, B. A., & Tarciso, A. (2008). O Ensino de Ciências por Investigação: reconstrução histórica. XI Encontro de Pesquisa Em Ensino de Física, 1–12. Recuperado de http://www.contagem.mg.gov.br/arquivos/comunicacao/femcitec_ensinodeciencia06.pdf
Salvador, D. F., Rolando, L. G. R., Oliveira, D. B. de, & Vasconcellos, R. F. R. R. (2014). Aplicando os princípios da Aprendizagem Baseada em Problemas como modelo instrucional no contexto de uma feira de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de Las Ciencias, 13(3), 292–317. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen13/REEC_13_3_3_ex839.pdf
Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. Cengage Learning.
Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. de. (2011). Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações Em Ensino de Ciências, 16(1), 59–77. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/246/172
Scarpa, D. L., & Silva, M. B. (2013). A Biologia e o ensino de Ciências por investigação: dificuldades e possibilidades. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aulas. São Paulo: Cengage Learning.
Simon, H. A. (1996). The sciences of the artificial. 3rd ed. Cambridge: MIT Press.


Solino, A. P., & Gehlen, S. T. (2014). Abordagem Temática Freireana e o Ensino de Ciências por Investigação: Possíveis relações epistemológicas e pedagógicas. Investigações Em Ensino de Ciências, 19(1), 141–162. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/100/71
Trivelato, S. L. F., & Tonidandel, S. M. R. (2015). Ensino por Investigação: eixos organizadores para sequências de ensino de biologia. Ensaio: Pesquisa em educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(spe), 97–114. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s06
Vianna, M., Vianna, Y., Adler, I. K., Lucena, B., & Russo, B. (2012). Design thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro: MJV press.
Vygotsky, L. S. (2008). Pensamento e Linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.
Zômpero, A. F., & Laburú, C. E. (2011). Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 13(3), 67–80. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172011130305
Publicado
2018-12-15
Como Citar
Bruno, G., & Carolei, P. (2018). Contribuições do Design para o Ensino de Ciências por Investigação. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 851-878. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183851