Percepção de sujeitos leitores e escritores em experiência de letramento acadêmico em Direito

Palavras-chave: Conhecendo os alunos do Direito, Formação de saberes, Letramento, Sondagem de aprendizagem

Resumo

Este artigo é um recorte do capítulo da metodologia de pesquisa de doutoramento que tem como objeto de estudo os efeitos de uma proposta didático-pedagógica de letramento em Metodologia do Trabalho Científico no que toca às marcas linguístico-discursivas que revelam movimentos de pertença à comunidade universitária. Este trabalho propõe-se a apresentar o instrumento Conhecendo os alunos do Direito, para identificar os estudantes universitários que participaram da experiência. Com esse propósito, opera-se com o pressuposto de que a formação de saberes, no âmbito disciplinar, efetiva-se a partir do modo pelo qual o sujeito, em interação social, assume posições ao tratar as informações, apreender os conceitos e reconhecer os elementos característicos da investigação científica. Construiu-se um diagnóstico dos alunos-sujeitos leitores e escritores nesse evento de letramento. Após compilação dos dados, foi possível flagrar características identitárias a respeito de como, na disciplina, eles concebem o que é ler, escrever e estudar textos científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Figueiredo Brito, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Professor de Filosofia, psicólogo clínico (PUC Minas). Mestre e doutor em Letras: Linguística e Língua Portuguesa pelo PPG-Letras PUC Minas, pesquisador do NELLF (Núcleo de Estudos da Linguagem, Letramentos e Formação), professor adjunto I do Departamento de Filosofia e da Faculdade Mineira de Direito.

Referências

ASSIS, Juliana Alves. “Eu sei, mas não consigo colocar no papel aquilo que eu sei”: representações sobre os textos acadêmico-científicos. In: RINCK, Fanny; BOCH, Françoise; ASSIS, Juliana Alves. Letramento e formação universitária. Campinas: Mercado das Letras, 2015.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências humanas. In: BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. 6. ed. Tradução por Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Tradução por Paulo Bezerra. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5. ed. São Paulo: Pontes, 2005.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

BRITO, Robson Figueiredo. Posicionamentos discursivos e identitários de sujeitos universitários em experiência de letramento acadêmico em um curso de Direito. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, PUC Minas, Belo Horizonte, 2019.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. Tradução por Fabiana Komesu. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

DAHLET, Patrick. Dialogização e paisagens do sujeito. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: dialogismo e construção de sentido. 2. ed. Campinas: Unicamp, 2005.

FINA, Ana. Discourse and Identity. In: VAN DIJK, Teun. A. (org.). Discourse Studies: a multidisciplinary introduction. Tradução por Jane Quintiliano Guimarães Silva. London: Sage Publications Ltda, 2006.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução por Luiz Felipe Baeta Neves. Petrópolis: Vozes, 1986.

GARCEZ, Lucília. A escrita e o outro: os modos de participação na construção do texto. Brasília: UNB, 2010.

HOLLAND, Doroty et al. Identity and agency in culture. In: HOLLAND, Doroty. Words. New York, Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

HYLAND, Ken. Disciplinary identities: individuality and community in academic discourse. Tradução por Jane Quintiliano Guimarães Silva. New York, Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

LEA, Mary; STREET, Brian. O modelo de “letramentos acadêmicos”: teoria e aplicações. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 477-493, jul./dez. 2014.

LESSARD, Claude; TARDIF, Maurice. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MARI, Hugo. Os lugares do sentido. Campinas: Mercado das Letras, 2008.

MORAES, Paulo W. Teixeira. Educação a partir de uma perspectiva etnográfica. Psicologia Ciência e Profissão, v. 20 n. 1, p. 58-67, mar. 2000.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução por Eni Orlandi. 5. ed. Campinas: Unicamp, 2014.

RENFREW, Alastair. Mikhail Bakhtin. Tradução por Marcos Marcolino. São Paulo: Parábola, 2017.

STREET, Brian, V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução por Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico. 14. ed. São Paulo: Libertad, 2014.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e Filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução por Shiela Grilo. São Paulo: Editora 34, 2017.

Publicado
2019-10-04
Como Citar
BRITO, R. F. Percepção de sujeitos leitores e escritores em experiência de letramento acadêmico em Direito. Revista Docência do Ensino Superior, v. 9, p. 1-20, 4 out. 2019.
Edição
Seção
Artigos