Percepção de sujeitos leitores e escritores em experiência de letramento acadêmico em Direito

Palavras-chave: Conhecendo os alunos do Direito, Formação de saberes, Letramento, Sondagem de aprendizagem

Resumo

Este artigo é um recorte do capítulo da metodologia de pesquisa de doutoramento que tem como objeto de estudo os efeitos de uma proposta didático-pedagógica de letramento em Metodologia do Trabalho Científico no que toca às marcas linguístico-discursivas que revelam movimentos de pertença à comunidade universitária. Este trabalho propõe-se a apresentar o instrumento Conhecendo os alunos do Direito, para identificar os estudantes universitários que participaram da experiência. Com esse propósito, opera-se com o pressuposto de que a formação de saberes, no âmbito disciplinar, efetiva-se a partir do modo pelo qual o sujeito, em interação social, assume posições ao tratar as informações, apreender os conceitos e reconhecer os elementos característicos da investigação científica. Construiu-se um diagnóstico dos alunos-sujeitos leitores e escritores nesse evento de letramento. Após compilação dos dados, foi possível flagrar características identitárias a respeito de como, na disciplina, eles concebem o que é ler, escrever e estudar textos científicos.

Biografia do Autor

Robson Figueiredo Brito, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Professor de Filosofia, psicólogo clínico (PUC Minas). Mestre e doutor em Letras: Linguística e Língua Portuguesa pelo PPG-Letras PUC Minas, pesquisador do NELLF (Núcleo de Estudos da Linguagem, Letramentos e Formação), professor adjunto I do Departamento de Filosofia e da Faculdade Mineira de Direito.

Referências

ASSIS, Juliana Alves. “Eu sei, mas não consigo colocar no papel aquilo que eu sei”: representações sobre os textos acadêmico-científicos. In: RINCK, Fanny; BOCH, Françoise; ASSIS, Juliana Alves. Letramento e formação universitária. Campinas: Mercado das Letras, 2015.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências humanas. In: BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. 6. ed. Tradução por Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Tradução por Paulo Bezerra. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5. ed. São Paulo: Pontes, 2005.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

BRITO, Robson Figueiredo. Posicionamentos discursivos e identitários de sujeitos universitários em experiência de letramento acadêmico em um curso de Direito. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, PUC Minas, Belo Horizonte, 2019.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. Tradução por Fabiana Komesu. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

DAHLET, Patrick. Dialogização e paisagens do sujeito. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: dialogismo e construção de sentido. 2. ed. Campinas: Unicamp, 2005.

FINA, Ana. Discourse and Identity. In: VAN DIJK, Teun. A. (org.). Discourse Studies: a multidisciplinary introduction. Tradução por Jane Quintiliano Guimarães Silva. London: Sage Publications Ltda, 2006.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução por Luiz Felipe Baeta Neves. Petrópolis: Vozes, 1986.

GARCEZ, Lucília. A escrita e o outro: os modos de participação na construção do texto. Brasília: UNB, 2010.

HOLLAND, Doroty et al. Identity and agency in culture. In: HOLLAND, Doroty. Words. New York, Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

HYLAND, Ken. Disciplinary identities: individuality and community in academic discourse. Tradução por Jane Quintiliano Guimarães Silva. New York, Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

LEA, Mary; STREET, Brian. O modelo de “letramentos acadêmicos”: teoria e aplicações. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 477-493, jul./dez. 2014.

LESSARD, Claude; TARDIF, Maurice. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MARI, Hugo. Os lugares do sentido. Campinas: Mercado das Letras, 2008.

MORAES, Paulo W. Teixeira. Educação a partir de uma perspectiva etnográfica. Psicologia Ciência e Profissão, v. 20 n. 1, p. 58-67, mar. 2000.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução por Eni Orlandi. 5. ed. Campinas: Unicamp, 2014.

RENFREW, Alastair. Mikhail Bakhtin. Tradução por Marcos Marcolino. São Paulo: Parábola, 2017.

STREET, Brian, V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução por Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico. 14. ed. São Paulo: Libertad, 2014.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e Filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução por Shiela Grilo. São Paulo: Editora 34, 2017.

Publicado
2019-10-04
Como Citar
BRITO, R. F. Percepção de sujeitos leitores e escritores em experiência de letramento acadêmico em Direito. Revista Docência do Ensino Superior, v. 9, p. 1-20, 4 out. 2019.
Edição
Seção
Artigos