Desafios cognitivos da representação da oferta e da demanda em gráficos elaborados por estudantes universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.15867

Palavras-chave:

Ensino de Economia, Estática comparativa, Erro de rotulagem

Resumo

Este trabalho analisa registros de representação gráfica de oferta e demanda construídos por estudantes de Engenharia, no intuito de identificar desafios cognitivos subjacentes ao ensino de Economia. Trata-se de uma pesquisa exploratória que utilizou gráficos elaborados por 47 alunos durante um exercício realizado em uma aula de Economia. Dentre os resultados obtidos, podem-se destacar a falta de familiaridade com a estática comparativa enquanto método de análise econômica e a dificuldade conceitual e gráfica inerente às distinções entre demanda e quantidade demandada, oferta e quantidade ofertada. Os resultados encontram respaldo empírico em trabalhos relacionados à literatura acerca dos desafios cognitivos subjacentes à interpretação de gráficos. Os desafios cognitivos observados referem-se a falhas de codificação, de rotulagem e de processamento de informação, por exemplo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruth Margareth Hofmann, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Possui graduação em Ciências Econômicas, mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é professora do curso de graduação em Engenharia de Produção da UFPR.

Referências

CAMARGO FILHO, Paulo Sérgio; LABURU, Carlos Eduardo; BARROS, Marcelo Alves de. Dificuldades semióticas na construção de gráficos cartesianos em cinemática. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 28, n. 3, p. 546-563, 2011.

CARSWELL, C. Melody; EMERY, Cathy; LONON, Andrea. M. Stimulus complexity and information integration in the spontaneous interpretation of line graphs. Applied Cognitive Psychology, n. 7, v. 4, p. 341-357, ago. 1993.

ESTRADA, Mario Arturo Ruiz. Economic graphical modeling from 2-dimensional graphs to multi-dimensional graphs. FEA Working Paper n. 19, 2010. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=1367554. Acesso em: 15 maio 2019.

FRANZBLAU, Lauren E.; CHUNG, Kevin C. Graphs, tables, and figures in scientific publications: the good, the bad, and how not to be the latter. The Journal of Hand Surgery, v. 37, n. 3, p. 591-596, 2012.

GALESIC, Mirta; GARCIA-RETAMERO, Rocio. Graph literacy: a cross-cultural comparison. Medical Decision Making. v. 31, p. 444-457, 2011.

GARCÍA GARCÍA, José Joaquín; PERALES PALACIOS, Francisco Javier. ¿Influye la formación acadêmica de los estudiantes en su comprensión de las representaciones gráficas cartesianas? Enseñanza de las Ciencias, España, número extra, VII Congreso, p. 1-5, 2005.

GATTIS, Merideth; HOLYOAK, Keith J. Mapping conceptual to spatial relations in visual reasoning. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, v. 22, n. 1, p. 231-239, 1996.

LEINHARDT, Gaea; ZASLAVSKY, Orit; STEIN, Mary Kay. Functions, graphs, and graphing: tasks, learning, and teaching. Review of Educational Research, v. 60, n. 1, p. 1-64, 1990.

MOCHÓN, Francisco. Princípios de economia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

PARKIN, Michael. Economia. São Paulo: Addison Wesley, 2009.

PASSOS, Carlos Roberto Martins; NOGAMI, Otto. Princípios de economia. 7. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

POSTIGO, Yolanda; POZO, Juan Ignacio. Cuando una gráfica vale más que 1.000 datos: la interpretación de gráficas por alumnos adolescentes, Infancia y Aprendizaje. Journal for the Study of Education and Development, v. 23, n. 90, p. 89-110, 2000.

READENCE, John; BEAN, Thomas W.; BALDWIN, Scoth. Content area literacy: an integrated approach, 8 ed. Dubuque, IA: Kendall-Hunt, 2004.

ROBERTS, Kathryn. L.; BRUGAR, Kristy A. The view from here: emergence of graphical literacy. Reading Psychology, v. 38, n. 8, p. 733-777, 2017.

SHAH, Priti. Cognitive process in graph comprehension. Tese de doutorado não publicada. 1995.

SHAH, Priti; CARPENTER, Patricia A. Conceptual limitations in comprehending line graphs. Journal of Experimental Psychology: General, v. 124, n. 1, p. 43-61, 1995.

SHAH, Priti; MAYER, Richard E.; HEGARTY, Mary. Graphs as aid to knowledge construction: signaling techniques for guiding the process of graph comprehension. Journal of Educational Psychology, v. 91, p. 690-702, 1999.

SHAH, Priti; HOEFFNER, James. Review of graph comprehension research: implications for instructions. Educational Psychology Review, n. 1, p. 47-69, mar. 2002.

SOFO, Francesco. Graphic literacy: Part I. A review of the literature. The Vocational Aspect of Education, v. 37, n. 98, p. 107-113, 1985.

VASCONCELLOS, Marco Antônio S. de. Economia: micro e macro. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ZACKS, Jeff; TVERSKY, Barbara. Bars and lines: a study of graphic communication. Memory & Cognition, v. 27, p. 1073-1079, 1999.

Downloads

Publicado

2020-04-17

Como Citar

HOFMANN, R. M. Desafios cognitivos da representação da oferta e da demanda em gráficos elaborados por estudantes universitários. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 10, p. 1–20, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.15867. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/15867. Acesso em: 27 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos