Formação de professores e preceptores no contexto de inovações curriculares

  • Victoria Maria Brant Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Elizabeth Menezes Teixeira Leher Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Maria Paula Cerqueira Gomes Instituto de Psiquiatria da UFRJ (IPUB), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5811-3302
  • Hulda Cristina Rocha Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.
  • Denise da Silva Mattos Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil.
  • Mirian Vieira Maia Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil.
  • Valéria Ferreira Romano Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6646-2879
Palavras-chave: Educação, Aprendizagem baseada em problema, Saúde

Resumo

Relato da experiência sobre o desenvolvimento de curso semipresencial de aperfeiçoamento oferecido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, denominado: “Formação pedagógica dos formadores dos profissionais da saúde: a preceptoria dos internatos em questão”. Norteado pela qualificação da formação médica e pela implementação de método ativo para formação pedagógica de formadores dos profissionais de saúde para o SUS, o curso usa a Aprendizagem Baseada em Problema (ABP) como método, além do apoio de uma ferramenta de autoria para a parte virtual. A utilização de método ativo foi avaliada como o diferencial nesse processo de formação pedagógica, pois, segundo os participantes do curso, a busca ativa, os trabalhos em grupo e as discussões nos fóruns virtuais foram potencialmente motivadores para aquisição de competências necessárias para estudar e responder as questões orientadoras de aprendizagem dos quatro módulos com os quais se desenvolve o curso e para promover mudanças nas suas práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victoria Maria Brant Ribeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Professora associada e pesquisadora do Programa de Pesquisa em Tuberculose e do Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Elizabeth Menezes Teixeira Leher, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Psicóloga graduada pela UFRJ (1982), especialista em Educação e Saúde (1988), mestre em Educação (1995) pela UFRJ e doutora em Educação (2002) pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Ativação de Mudanças na Formação Superior de Profissionais de Saúde - ENSP/Fiocruz (2013/2014). Aposentada pela UFRJ, desenvolveu atividades no Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (1983-2014), integrando a equipe responsável pelo Curso de Aperfeiçoamento Formação Pedagógica de Preceptores do Ensino em Saúde (2007-2014). Pesquisadora do grupo de pesquisa Educação e ComunicaçãoPPGE da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), desde 2003. Pesquisadora especialista visitante em Tecnologias Educacionais na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/ Fiocruz – Bolsista especialista visitante máster - Fiocruz/CNPq (março 2015-atual).

Maria Paula Cerqueira Gomes, Instituto de Psiquiatria da UFRJ (IPUB), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Psicóloga, professora associada do Instituto de Psiquiatria (IPUB) da UFRJ. Mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto Moreira Sales (IMS) da UERJ e doutora em Saúde Mental pelo IPUB-UFRJ. Pesquisadora na linha Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde (UFRJ). Coordenadora da Residência Multiprofissional de Saúde Mental Ipub-UFRJ.

Hulda Cristina Rocha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Médica formada pela UERJ (1979-1984), com residência médica em Anestesiologia pelo Hospital Clementino Fraga Filho da UFRJ (1985-1987) e mestrado em Educação em Saúde pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para Saúde, da UFRJ (2011-2012). Cursou Formação Pedagógica de Preceptores para Área da Saúde da UFRJ (2010) e Formação de Tutores na especialização do curso de Docência na Saúde na UFRGS/ EaD (2014). Tutora do Curso de Formação Pedagógica para Preceptores da Área da Saúde da UFRJ (2012) e do Curso Docência na Saúde UFRGS (2014-2015).

Denise da Silva Mattos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil.

Médica do Departamento de Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina (FM) da UFRJ. Mestre em Clinica Médica pela UFRJ; coordenadora adjunta do Programa Curricular Integrado Atenção Integral à Saúde da FM-UFRJ; tutora do curso de Formação de Preceptores da UFRJ.

Mirian Vieira Maia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil.

Médica Anestesiologista do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, e do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da UERJ. Mestre em Educação em Ciências e Saúde pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (Nutes), da UFRJ. Tutora do curso de Formação Pedagógica de Preceptores da UFRJ.

Valéria Ferreira Romano, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de janeiro, RJ, Brasil.

Professora adjunta da Faculdadede Medicina da UFRJ; médica da família, doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da UERJ; coordenadora do Laboratório de Ensino em Atenção Primária (Leap), da UFRJ; membro do Colegiado de Coordenação da Residência em Medicina de Família e Comunidade da UFRJ; docente permanente do Mestrado em Atenção Primária da UFRJ.

Referências

BOTTI, S. H. O.; REGO, S. T. A. Docente-clínico: o complexo papel do preceptor na residência medica. PHYSIS - Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 65-85, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos RH Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde – v. 3, n. 1, Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. CONSELHO Nacional de Educação. Câmara De Educação Superior. Resolução CNE/CES Nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução Nº 03, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. PHYSIS – Rev. Saúde Coletiva, v. 14, n. 1, p. 41-65, 2004.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunic., Saúde, Educ., v. 9, n. 16, p. 161-168, 2005.

CYRINO, E. G.; TORALLES-PEREIRA, M. L. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problema. Rio de Janeiro, Cad. Saúde Pública,v. 20, n. 3, p. 780-788, 2004.

GARCIA, M. A. A. Saber, agir e educar: o ensino-aprendizagem em serviços de Saúde. Interface _ Comunic, Saúde, Educ, v. 5, n. 8, p. 89-100, 2001.

LARROSA, J. B. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002.

MERHY, E. E. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas. Contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor Saúde. Interface _ Comunic, Saúde, Educ. (Botucatu), v. 4, n. 6, 2000.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: A. Nóvoa (coord.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote/Instituto de Inovação Educacional, 1992. p. 13-33.

RIBEIRO, V. M. B. (organizadora). Formação pedagógica de preceptores do ensino em saúde. Juiz de Fora: Ed. UFJF; 2011.

ROCHA, H. C. Avaliação da prática de preceptoria após formação pedagógica. 2012. 106 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Saúde) – Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, UFRJ, 2012.

Publicado
2016-01-07
Como Citar
RIBEIRO, V. M. B.; LEHER, E. M. T.; GOMES, M. P. C.; ROCHA, H. C.; MATTOS, D. DA S.; MAIA, M. V.; ROMANO, V. F. Formação de professores e preceptores no contexto de inovações curriculares. Revista Docência do Ensino Superior, v. 5, n. 2, p. 57-78, 7 jan. 2016.
Seção
Artigos