Práticas inovadoras no ensino de graduação na perspectiva de professores universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2016.2114

Palavras-chave:

Docência universitária, Práticas inovadoras, Ensino de graduação, Identidade docente

Resumo

Este trabalho traz reflexões sobre as práticas de docentes universitários que atuam como formadores em cursos de licenciatura. Objetiva apontar o que um grupo deles, que ministra aulas em diferentes cursos de uma universidade pública, entende por práticas inovadoras no ensino de graduação a partir da descrição que fazem das atividades que realizam. Os dados foram levantados com base em resumos apresentados num evento científico e foram analisados dentro do referencial de análise de conteúdo, de Bardin. Os resultados apontam que a maioria dos autores considera que as atividades desenvolvidas por eles são uma nova forma de trabalho para si, mas não necessariamente original; apresentam potencial de melhoria no processo de aprendizagem; fazem menção ao uso de metodologias ativas e não associadas, necessariamente, ao uso de tecnologias. Estudos sobre essa temática auxiliam na elucidação dos fatores que envolvem o processo de construção de uma identidade docente no ensino superior. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz S. C. Cortela, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Franca, SP, Brasil.

Doutora em Educação para Ciência pela UNESP, Bauru; licenciada em Física pela Universidade Federal de São Carlos e licenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Norte de Paraná. Docente do Departamento de Educação da UNESP, Bauru, e do Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciência, ministrando as disciplinas: Didática da Ciência, Metodologia e Prática de Ensino de Física, Docência no Ensino Superior: Abordagens de Ensino.

Downloads

Publicado

2016-10-10

Como Citar

CORTELA, B. S. C. Práticas inovadoras no ensino de graduação na perspectiva de professores universitários. Revista Docência do Ensino Superior, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 9-34, 2016. DOI: 10.35699/2237-5864.2016.2114. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/2114. Acesso em: 30 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos