A prática da escrita na formação inicial de professores de Química

Palavras-chave: Linguagem química, Inserção na pesquisa, Formação de professores, Prática da escrita

Resumo

O presente artigo versa sobre a prática da escrita na formação inicial de professores de Química e, em especial, sobre os sentidos atribuídos por licenciandos de um curso de Química às práticas de escrita vivenciadas no decorrer da sua formação. Tendo como aporte o referencial histórico cultural, compreende-se a linguagem como constitutiva do sujeito e como mediadora nas aulas de Química. Com uso de um questionário semiestruturado, foi possível indiciar as concepções dadas pelos licenciandos à prática da escrita na sua formação. Os resultados foram construídos mediante análise textual discursiva, e as categorias apontam que os graduandos compreendem três modos de uso da escrita: como modo de apropriação da linguagem química, como constitutiva na formação do professor e como prática de pesquisa. Tais resultados reforçam a importância da prática da escrita no contexto da formação do professor.

Biografia do Autor

Judite Scherer Wenzel, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Licenciada em Química (UFSM), mestre e doutora em Educação nas Ciências (UNIJUÍ). Professora da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Ensino de Ciências e Matemáticas (GEPECIEM), coordenadora do PIBID Química. Tem pesquisas nos seguintes temas: Educar pela Pesquisa, Formação de Professores, Significação Conceitual, Linguagem Química.

Joana Laura de Castro Martins, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Licencianda em Química Licenciatura na Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Cerro Largo, bolsista FAPERGS (2015-2017), monitora do curso de Química (2018).

Giulia Engroff Bratz, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Licencianda em Química Licenciatura na Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Cerro Largo, voluntária de pesquisa.

Referências

ALVES, Wanderson Ferreira. A formação de professores e as teorias do saber docente: contextos, dúvidas e desafios. Educação e Pesquisa [online], São Paulo, v. 33, n. 2, p. 263-280, maio/ago. 2007.

BARCELOS, Amanda Souza; BARBOSA, Ana Cristina; QUADROS, Ana Luiza de. Uma análise da participação dos licenciandos em Química na produção de artigos científicos: o caso da QNEsc. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 17, 2014. Ouro Preto. Anais do XVII Encontro Nacional de Ensino de Química. Ouro Preto: ENEQ, 2014. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf. Acesso em: 25 jan. 2018.

BARROS, Aline Araújo Dias et al. Estratégias de leitura na formação inicial em Química: uma análise de dois casos a partir do uso de literatura científica. In: ENCONTRO NACIONAL E ENSINO DE QUÍMICA, 16, 2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 12 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/8097/5836. Acesso em: 25 jan. 2018.

CABRAL, Wallace Alves; FLÔR, Cristhiane Carneiro Cunha. A produção de relatos escritos na disciplina de Estágio Supervisionado em Química. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA. 17, 2014. Ouro Preto. Anais do XVII Encontro Nacional de Ensino de Química. Ouro Preto: ENEQ, 2014. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xvii/anais_xvii_eneq.pdf. Acesso em: 25 jan. 2018.

CACHICHI, Ricardo Cenamo; COLLET, Lucia Scott Franco de Camargo Azzi. Utilizando a plataforma Moodle no apoio ao ensino presencial: uso de atividade de avaliação entre pares de um relatório para melhoria da escrita científica. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16, 2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 12 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/7984. Acesso em: 25 jan. 2018.

CALIXTO, Vivian dos Santos; CACCIAMANI, Jackson; LINDEMANN, Renata Hernandez. Escrita no Portfólio: o que contam os relatos acerca da Constituição do Professor de Química? In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16, 2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 12 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/7591. Acesso em: 25 jan. 2018.

DORNELES, Aline Machado et al. Monografias na licenciatura em Química: processo de produção no coletivo. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16,2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 9 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/7632/5424. Acesso em: 25 jan. 2018.

GARCIA, Viviane Martins et al. O desenvolvimento da argumentação e da linguagem científica por graduandos em Química mediante a produção textual. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16, 2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 12 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/view/8103. Acesso em: 25 jan. 2018.

JÚNIOR, Wilmo Ernesto Francisco. Análise das Perguntas e das Perguntas e Respostas Elaboradas por Licenciandos em Química em Atividades de Leitura. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 15, 2010. Brasília. Anais. Brasília: ENEQ, 2010. 12 p. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xv/resumos/R0641-1.pdf. Acesso em: 25 jan. 2018.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, William Steve. A Vida de Laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LEMKE, Jay L. Aprender a hablar ciencia. Buenos Aires: Paidós, 1997.

MALDANER, Otávio A. A Formação Inicial e Continuada de Professores de Química professor/pesquisador. Ijuí: Unijuí, 2000.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2011.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo; RAMOS, Maurivan Güntzel. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, Roque; LIMA, Valderez Marina do Rosário (org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação de novos tempos. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

MORTIMER, Eduardo Fleury. As Chamas e os Cristais Revisitados: estabelecendo diálogos entre a linguagem científica e a linguagem cotidiana no ensino das Ciências da Natureza. In: SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos; MALDANER, Otavio Aloisio (org.). Ensino de Química em Foco. Ijuí: Unijuí, 2011.

MOURA, Nielsen de; CABRAL, Wallace Alves; FLÔR, Cristhiane Carneiro Cunha. Escrita de relatos de experiência na visão dos estudantes da Licenciatura em Química à distância. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 8, 2016. Florianópolis. Anais. Florianópolis: ENEQ, 2016. 9 p. Disponível em: http://www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R1863-1.pdf. Acesso em: 25 jan. 2018.

QUEIROZ, Salete Linhares. Linguagem escrita nos cursos de graduação em química. In: Química Nova, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 143-146, 2001.

VIGOTSKI, Lev Semyonovich. A Construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo Bezerra, São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WENZEL, Judite Scherer. Formação do Pensamento Químico no âmbito do Componente Curricular: Química I e a Importância do professor pesquisador. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 2012. Salvador. Anais XVI ENEQ/X EDUQUI. Salvador: ENEQ, 2012. 8 p. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/anaiseneq2012/article/viewFile/8101/5838. Acesso em: 25 jan. 2018.

WENZEL, Judite Scherer. A escrita em processos interativos: (Re)significando conceitos e a prática pedagógica em aulas de Química. Curitiba: Appris, 2014.

Publicado
2019-04-24
Como Citar
WENZEL, J. S.; MARTINS, J. L. DE C.; BRATZ, G. E. A prática da escrita na formação inicial de professores de Química. Revista Docência do Ensino Superior, v. 9, p. 1-16, 24 abr. 2019.
Edição
Seção
Artigos