Perspectivas de avaliação da aprendizagem

dos dogmas, rituais e ritos à ética do bom senso

Palavras-chave: Avaliação da aprendizagem, Ética, Bom senso

Resumo

O artigo objetiva caracterizar como as práticas avaliativas, especialmente no ensino superior, se incrementaram enquanto doutrina, conjunto de dogmas, rituais e ritos, e como a ética do bom senso, de bases reflexiva, sensível e justa, contribui para o desvelamento da real natureza ontológica do ato de avaliar. É de cunho qualitativo, bibliográfico e possui a reflexão como instrumentalização no constructo de seu corpus. Este documento foi problematizado a partir da discussão da avaliação enquanto prática pedagógica reprodutora (doutrinas, rituais, ritos e dogmas), em que se buscaram fundamentos que evidenciam a ética do bom senso como rota para a reversão dessas praxes. Como principal resultado, desvela-se que a ética é temática indissociável ao plano praxiológico da avaliação da aprendizagem, sendo ambas categorias inseparáveis do processo ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

Sheyla Maria Fontenele Macedo, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Doutora em Educação (Universidade de Lisboa, Portugal), mestra em Educação (Universidade Federal do Estado do Ceará – 2008), psicopedagoga (Candido Mendes, RJ – 1999), pedagoga (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNI RIO – 1998). Professora efetiva e pesquisadora na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Temáticas: ética, avaliação, didática, formação docente, pedagogia humanista.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Amor Líquido: Sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

DOGMA. In: MICHAELIS: moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 1996.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma Prática da Construção da Pré-escola à Universidade. 17. ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.

LIMA, Valderez Marina do Rosário; GRILLO, Marlene Correro. Especificidades da avaliação que convém conhecer. In: GRILLO, Marlene Correro; GESSINGER, Rosana Maria (org.). Por que falar ainda em avaliação? Porto Alegre: EdipuCrs, 2010.

LYON, David. Pós Modernidade. São Paulo: Paulus, 1998.

MACEDO, Sheyla Maria Fontenele. A formação ética profissional do pedagogo na realidade brasileira – um estudo de caso. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Portugal, 2018.

MÉIER, Marcos. Avaliação na Educação. Marcos Muniz Melo (org.). 2007.

PECOTCHE, Carlos Bernardo González. Curso de Iniciação Logosófica. 18. ed. São Paulo: Editora Logosófica, 2008.

RAWLS, J. Uma teoria da Justiça. Tradução de Almiro Pisetta, Lenita Maria Rimoli Esteves. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

RICOEUR, Paul. Ética e Moral. Tradução de Antonio Campelo Amaral. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2011.

RITO. In: MICHAELIS: moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2015.

RITUAL. In: MICHAELIS: moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2015.

ROMÃO, José Eustáquio. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SAUL, Ana Maria. Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática da avaliação e reformulação de currículo. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

Publicado
2019-04-24
Como Citar
MACEDO, S. M. F. Perspectivas de avaliação da aprendizagem. Revista Docência do Ensino Superior, v. 9, p. 1-16, 24 abr. 2019.
Edição
Seção
Artigos