Aspectos de interesse e preparo dos enfermeiros de terapia intensiva sobre injúria renal aguda

Autores

  • Geórgia Alencar Melo Universidade Federal do Ceará, Departamento de Enfermagem, Fortaleza CE , Brazil, Universidade Federal do Ceará – UFC, Departamento de Enfermagem. Fortaleza, CE – Brasil
  • Renan Alves Silva Universidade Federal do Ceará, Departamento de Enfermagem, Fortaleza CE , Brazil, Universidade Federal do Ceará – UFC, Departamento de Enfermagem. Fortaleza, CE – Brasil
  • Letícia Lima Aguiar Universidade Federal do Ceará, Departamento de Enfermagem, Fortaleza CE , Brazil, Universidade Federal do Ceará – UFC, Departamento de Enfermagem. Fortaleza, CE – Brasil
  • Francisco Gilberto Fernandes Pereira Universidade Federal do Piauí, Departamento de Enfermagem, Picos PI , Brazil, Universidade Federal do Piauí – UFPI, Departamento de Enfermagem. Picos, PI – Brasil
  • Joselany Áfio Caetano Universidade Federal do Ceará, Departamento de Enfermagem, Fortaleza CE , Brazil, Universidade Federal do Ceará – UFC, Departamento de Enfermagem. Fortaleza, CE – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2018.49618

Palavras-chave:

Lesão Renal Aguda, Unidades Hospitalares de Hemodiálise, Enfermagem, Unidades de Terapia Intensiva, Educação Continuada

Resumo

Objetivou-se avaliar os aspectos de interesse e preparo de enfermeiros de terapia intensiva para atuar no cuidado a pacientes com injúria renal aguda. Trata-se de estudo transversal, avaliativo, realizado em sete hospitais públicos, com 136 enfermeiros, sendo avaliados o interesse e o preparo sobre o cuidado a pacientes com injúria renal aguda em terapia intensiva. A análise inferencial foi realizada por meio do teste qui-quadrado. Evidenciouse elevado interesse em aprender sobre a temática (n=125), sobre a gestão das máquinas (n=119) e em participar de curso teórico ou prático (n=126), visto que se sentem despreparados (n=88) e mencionam insegurança (n=111) em cuidar dos pacientes com injúria renal aguda. Não houve treinamento na admissão específico para a hemodiálise (n=136) e somente cinco enfermeiros relataram treinamento oferecido pela instituição. O interesse em aprender sobre a temática é elevado, no entanto, o preparo ainda é incipiente, o que demonstra a necessidade de mais investimentos em ações de capacitação ofertadas pela instituição voltadas para o enfermeiro intensivista que presta cuidado ao paciente com injúria renal aguda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hoste EA, Bagshaw SM, Bellomo R, Cely CM, Colman R, Cruz DN, et al. Epidemiology of acute kidney injury in critically ill patients: the multinational AKI-EPI study. Intensive Care Med. 2015[citado em 2017 out. 09];41(8):1411-23. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00134-015-3934-7

Susantitaphong P, Cruz DN, Cerda J, Abulfaraj M, Alqahtani F, Koulouridis I, et al. World Incidence of AKI: a meta-analysis. Clin J Am Soc Nephrol. 2013[citado em 2017 out. 09];8(9):1482-93. Disponível em: http://cjasn.asnjournals.org/content/8/9/1482.full.pdf+html

Guedes JR, Silva ES, Carvalho ILN, Oliveira MD. Incidência e fatores predisponentes de insuficiência renal aguda em unidade de terapia intensiva. Cogitare Enferm. 2017[citado em 2017 set. 10];22(2):e49035. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/49035

Thomé FS, Manfro RC, Barth JHD. Insuficiência renal aguda. In: Menna Barreto SS, Vieira SRR, Pinheiro CTS. Rotinas em terapia intensiva. 3ª ed. Porto Alegue: Artmed; 2001. p.263-74.

Nolêto ISC, Modesto AP, Mota TC, Sousa MEC, Carvalho TAB, Cariman SLS. Complicações graves evitáveis pela equipe de enfermagem ao paciente em hemodiálise. Rev Eletr Acervo Saúde. 2017[citado em 2017 ago. 30];9(3):1153-8. Disponível em: http://acervosaud.dominiotemporario.com/doc/24_2017.pdf

Ferreira MMC. Alguns factores que influenciam a aprendizagem do estudante de enfermagem. Millenium. 2016[citado em 2017 mar. 06];31(10):150-73. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium31/11.pdf

Aued GK, Bernardino E, Peres AM, Lacerda MR, Dallaire C, Ribas EM. Clinical competences of nursing assistants: a strategy for people management. Rev Bras Enferm. 2016[citado em 2017 mar. 06];69(1):130-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n1/en_0034-7167-reben-69-01-0142.pdf

Santos FC, Camelo SH. O enfermeiro que atua em unidades de terapia intensiva: perfil e capacitação profissional. Cult Cuid. 2015[citado em 2017 mar. 06];(43):127-40. Disponível em: http://rua.ua.es/dspace/handle/10045/52599

Lemos KCR, Lima FM, Nascimento KS, Lira MN. Current scenario of nephrology nursing and Recife metropolitan region. J Res Fundam Care. 2015[citado em 2017 mar. 06];7(2):2349-61. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3757/pdf_1544

Nascimento RAM, Assunção MSC, Silva Junior JM, Amendola CP, Carvalho TM, Lima EQ, et al. Nurses' knowledge to identify early acute kidney injury. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2017 mar. 06];50(3):399-404. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/0080-6234-reeusp-50-03-0399.pdf

Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 11, de 13 de março de 2014. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Kear T, Ulrich B. Patient safety and patient safety culture in nephrology nurse practice settings: issues, solutions, and best practices. Nephrol Nurs J. 2015[citado em 2017 mar. 06];42(2):113-22. Disponível em: https://www.annanurse.org/download/reference/journal/patientSafety2.pdf

Tunlind A, Granström J, Engström Å. Nursing care in a high-technological environment: Experiences of critical care nurses. Intensive Crit Care Nurs. 2015[citado em 2017 out. 01];31(2):116-23. Disponível em: http://www.intensivecriticalcarenursing.com/article/S0964-3397(14)00081-0/fulltext

Ricci Z, Benelli S, Barbarigo F, Cocozza G, Pettinelli N, Di Luca E, et al. Nursing procedures during continuous renal replacement therapies: a national survey. Heart Lung Vessel. 2015[citado em 2017 set. 23];7(3):224-30. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4593015/pdf/hlv-07-224.pdf

Bagherian B, Sabzevari S, Mirzaei T, Ravari A. Effects of technology on nursing care and caring attributes of a sample of Iranian critical care nurses. Intensive Crit Care Nurse. 2017[citado em 2017 out. 10];39:18-27. Disponível em: http://www.intensivecriticalcarenursing.com/article/S0964-3397(16)30102-1/fulltext

Oliveira WT, Haddad MCL, Vannuchi MTO, Rodrigues AVD, Pissinati PSC. Capacitação de enfermeiros de um hospital universitário público na gestão de custo. Rev Enferm UFSM. 2014[citado em 2017 mar. 06];4(3):566-74. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/12938

Oliveira NB, Silva FVC, Assad LG. Competências do enfermeiro especialista em nefrologia. Rev Enferm UERJ. 2015[citado em 2017 mar. 06];23(3):375-80. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/9789

Askenazi DJ, Heung M, Connor MJ Jr, Basu RK, Cerdá J, Doi K, et al. Optimal Role of the Nephrologist in the Intensive Care Unit. Blood Purif. 2017[citado em 2017 out. 10];43(1-3):68-77. Disponível em: https://www.karger.com/Article/FullText/452317

Publicado

10-12-2018

Como Citar

1.
Melo GA, Silva RA, Aguiar LL, Pereira FGF, Caetano J Áfio. Aspectos de interesse e preparo dos enfermeiros de terapia intensiva sobre injúria renal aguda. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 10º de dezembro de 2018 [citado 15º de junho de 2024];22(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49618

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)