Conhecimento e adesão da equipe de enfermagem aos equipamentos de proteção individual

Autores

  • Letícia Pinto Rodrigues Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Enfermagem, Uberaba MG , Brasil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Curso de Enfermagem. Uberaba, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-3040-9910
  • Marina Pereira Rezende Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Enfermagem, Uberaba MG , Brasil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Curso de Enfermagem. Uberaba, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0003-4054-8911
  • Andréa Mara Bernardes da Silva Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Enfermagem, Uberaba MG , Brasil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Curso de Enfermagem. Uberaba, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5126-1110
  • Lúcia Aparecida Ferreira Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Enfermagem, Uberaba MG , Brasil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Curso de Enfermagem. Uberaba, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-6469-5444
  • Bethania Ferreira Goulart Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Enfermagem, Uberaba MG , Brasil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Curso de Enfermagem. Uberaba, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2855-6767

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49744

Palavras-chave:

Equipe de Enfermagem, Equipamento de Proteção Individual, Riscos Ocupacionais, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivo: investigar o conhecimento e a adesão do uso dos equipamentos de proteção individual pelas equipes de Enfermagem das estratégias de saúde da família. Método: estudo descritivo, transversal de abordagem quantitativa. Participaram 48 profissionais. Foi aplicado questionário semiestruturado, contendo questões fechadas de múltipla escolha. Resultados: ficou evidente o conhecimento dos profissionais sobre o que é risco ocupacional. Houve conhecimento equivocado quanto à definição de riscos biológicos; 75% dos entrevistados não souberam associar os agentes aos tipos de riscos. A maioria relatou utilizar os equipamentos de proteção individual em todos os procedimentos; 13 profissionais referiram ter sofrido acidente de trabalho, sendo que quatro deles não estavam utilizando equipamentos de proteção. Conclusão: conhecimento parcial acerca da temática e adesão ao uso dos equipamentos, entretanto, os mais utilizados foram jaleco e luva. Sendo assim, é necessário realizar educação permanente para incentivar os profissionais a utilizarem os equipamentos na prática profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Lei no. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. 19 Set.1990[citado em 2018 maio 15]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº963, de 27 de maio de 2013. Institui a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013[citado 2018 maio 05]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0963_27_05_2013.html

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. Family Health Strategy Coverage in Brazil, according to the National Health Survey, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2018 maio 21];21(2):327-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n2/en_1413-8123-csc-21-02-0327.pdf

Paim JS. Modelos de Atenção à Saúde no Brasil. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012. p. 459-91.

Arantes LJ, Shimizu HE, Mérchan-Hamann E. The benefits and challenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: a literature review. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2018 maio 21];21(5):1499-509. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n5/en_1413-8123-csc-21-05-1499.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012[citado em 2018 maio 21]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Ferigollo JP, Fedosse E, Santos Filha VAV. Professional quality of life of public health. Cad Ter Ocup UFSCar. 2016[citado em 2018 maio 21];24(3):497-507. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/viewFile/1379/746

Mallmann DG, Sousa JC, Hammerschmidt KSA. Work accidents and their prevention in Brazilian scientific production of nurses: integrative review. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2018 jan. 15];9(1):49-54. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/21810/14398

Medeiros PA, Silva LC, Amarante IM, Cardoso VG, Mensch KM, Naman M, et al. Health status of primary healthcare professionals from Santa Maria, RS, Brazil. Rev Bras Ciênc Saúde. 2016[citado em 2018 jan. 15];20(2):115-22. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/18961/15739

Teles AS, Ferreira MPS, Coelho TCB, Araújo TM. Occupational accidents with nursing team: a critical review. Rev Saúde Col UEFS. 2016[citado em 2018 jan. 15];6(1):62-8. Disponível em: http://periodicos.uefs.br/index.php/saudecoletiva/article/view/1082/856

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Portaria nº 485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora n.º 32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde). Diário Oficial da União 11 nov 2005; Seção 1[citado em 2018 ago. 19]. Disponível em: http://sbbq.iq.usp.br/arquivos/seguranca/portaria485.pdf

Silva LCP, Juliani MCMS. Biosafety and occupational risk in primary care: a literature review. Rev Unin Cor. 2014[citado em 2018 jan. 15];12(1):262-81. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/1355/pdf_112

Machado ECM. The biological hazard that can affect family health units’ employees in Vale do Rio Pardo, Rio Grande do Sul, Brazil. Rev Saúde Desenvol. 2015[citado em 2018 jan. 15];7(4):60-5. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/download/369/271

Rezende KCAD, Tipple AFV, Siqueira KM, Alves SB, Salgado TA, Pereira MS. Adhesion to hand hygiene and use of personal protective equipment for nursing professionals in primary health care. Ciênc Cuid Saúde. 2012[citado em 2018 jan. 13];11(2):343-51. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/15204/pdf

Correa RA, Souza NVDO. Occupational risks faced by the nursing worker in a unit of hemodialysis. Rev Pesq Cuid Fundam Online. 2012[citado em 2018 ago. 19];4(4):2755-64. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1973/pdf_614

Silva GS, Almeida AJ, Paula VS, Villar LM. Knowledge and utilization of standard precaution measures by health professionals. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012[citado em 2018 ago. 19];16(1):103-10. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v16n1/v16n1a14.pdf

Mendes JM, Rodrigues TP, Morais LF. Riscos Biológicos e suas medidas preventivas na prática dos profissionais de enfermagem na atenção básica. REBES. 2014[citado em 2018 ago. 19];5(1):82-91. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/3159

Rondon EC, Tavares MS, Santos WL. Obstacles and made it easier for nursing professionals face apply to the use of epi’s. Rev Eletrônica Gestão Saúde. 2012[citado em 2018 jul. 20];3(3):1045-60. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/23059/16581

Ferraz L, Kessler M, Krauzer IM, Trindade LL, Silva OM. Family health strategy: occupational risks the technical and auxiliary nursing. Rev Recien. 2015[citado em 2018 jul. 20];5(13):20-8. Disponível em: http://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/91/159

Publicado

20-12-2019

Como Citar

1.
Rodrigues LP, Rezende MP, Silva AMB da, Ferreira LA, Goulart BF. Conhecimento e adesão da equipe de enfermagem aos equipamentos de proteção individual. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de dezembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49744

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.