Relacionamento interpessoal: identificação de comportamentos para trabalho em equipe em unidade coronariana

Autores

  • Bethania Ferreira Goulart Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Graduação em Enfermagem, Uberaba MG , Brazil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, Curso de Graduação em Enfermagem. Uberaba, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2855-6767
  • Bibiane Dias Miranda Parreira Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Graduação em Enfermagem, Uberaba MG , Brazil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, Curso de Graduação em Enfermagem. Uberaba, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0001-7369-5745
  • Letícia Gabriela de Almeida Noce Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Graduação em Enfermagem, Uberaba MG , Brazil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, Curso de Graduação em Enfermagem. Uberaba, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2156-6938
  • Silvia Helena Henriques Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto SP , Brazil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, SP -Brasil. http://orcid.org/0000-0003-2089-3304
  • Ana Lucia de Assis Simões Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Curso de Graduação em Enfermagem, Uberaba MG , Brazil, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, Curso de Graduação em Enfermagem. Uberaba, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2771-6733
  • Lucieli Dias Pedreschi Chaves Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto SP , Brazil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, SP -Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8730-2815

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49771

Palavras-chave:

Equipe de Assistência ao Paciente, Relações Interprofissionais, Comportamento Cooperativo, Equipe de Enfermagem

Resumo

Objetivo: identificar, na equipe multiprofissional da unidade coronariana, comportamentos facilitadores e dificultadores, para o trabalho em equipe, na perspectiva do relacionamento interprofissional. Metodologia: pesquisa descritiva/ abordagem qualitativa, utilizando-se técnica do incidente crítico, desenvolvida em unidade coronariana de um hospital público de Minas Gerais, Brasil. Coleta realizada em 2014, por meio de entrevista semiestruturada. Participaram 45 profissionais da equipe multiprofissional. Critério de inclusão: trabalhar na referida unidade há, no mínimo, 12 meses; critério de exclusão: estar afastado do trabalho à época da coleta definitiva dos dados e não ser localizado após três tentativas para agendamento/realização da entrevista. Análise de dados pautada na análise de conteúdo e na técnica do incidente crítico. Resultados: ocorrência de 218 comportamentos, sendo 113 positivos e 105 negativos, relacionados ao trabalho em equipe, quanto ao relacionamento interprofissional, emergindo três categorias: colaborar com o colega, trocar informações com outro agente e interagir com colega. Predomínio de comportamentos facilitadores para trabalho em equipe, destacando-se a comunicação entre os agentes. Conclusões: evidenciaram-se investimento e esforço dos profissionais para transpor obstáculos, na tentativa de implementar o trabalho em equipe como potência para atuar sobre o objeto de trabalho e atingir, com êxito, a finalidade do trabalho em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva JLBV, Oliveira ABC, Oliveira AGM, Oliveira KD, Oliveira FMC, Alves MRR. The practice of comprehensive care management: experience report. Rev Enferm UFPE on line. 2017[citado em 2015 jan. 15];11(2):792-7. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/download/9330/16790

Barbiani R, Nora CRD, Schaefer R. Nursing practices in the primary health care contexto: a scoping review. Rev Latino-Am Enferm. 2016[citado em 2015 jan. 15];24:e2721. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02721.pdf

Peduzzi M, Agreli HF. Trabalho em equipe e prática colaborativa na atenção primária à saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2018[citado em 2015 jan. 15];22(Suppl 2):1525-34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v22s2/1807-5762-icse-22-s2-1525.pdf

Gordo F, Abella A. Intensive care unit without walls: seeking patient safety by improving the efficiency of the system. Med Int. 2014[citado em 2015 jan. 15];38(7):438-43. Disponível em: http://www.medintensiva.org/en/linkresolver/intensive-care-unit-without-walls/S0210569 114000412/

Silva JAM, Peduzzi M, Orchard C, Leonello VM. Interprofessional education and collaborative practice in Primary Health Care. Rev Esc Enferm USP. 2015[citado em 2015 jan. 15];49(esp 2):16-24. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49nspe2/1980-220X-reeusp-49-spe2-0016.pdf

Brown S, Nelson J. The Use of interprofessional simulation among chronic pediatric populations: a review of the literature. Clin Simul Nurs. 2014[citado em 2015 jan. 15];10(4):e191-7. Disponível em: 10.1016/j.ecns.2013.10.006

Tubbesing G, Chen FM. Insights from exemplar practices on achieving organizational structures in primary care. J Am Board Fam Med. 2015[citado em 2015 jan. 15];28(2):190-4. Disponível em: 10.3122/jabfm.2015.02.140114.

Duarte MLC, Boeck JN. Teamwork in nursing and the limits and possibilities of the family health strategy. Trab Educ Saúde. 2015[citado em 2016 jan. 28];13(3):709-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v13n3/1981-7746-tes-13-03-0709.pdf

DAmour D, Oandasan I. Interprofessionality as the field of interprofessional practice and interprofessional education: an emerging concept. J Interprof Care. 2005[citado em 2015 jan. 15];19(Suppl. 1):8-20. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13561820500081604

Flanagan JC. A Técnica do incidente crítico. Arq Bras Psicol. 1973[citado em 2015 jan. 15];25(2):99-141. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/article/viewFile/16975/15786

Dela Coleta JA, Dela Coleta MF. A técnica dos incidentes críticos: 30 anos de utilização no Brasil na psicologia, administração, saúde e educação. Taubaté: Cabral; 2004.

Dela Coleta JA. A técnica dos incidentes críticos: aplicações e resultados. Arq Bras Psicol Aplic. 1974[citado em 2015 jan. 15];26(2):35-58. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/article/viewFile/17076/15875

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Gonçalves RBM. Práticas de saúde: processos de trabalho e necessidades. São Paulo: CEFOR; 1992.

Oliveira RM, Silva LMS, Guedes MVC, Oliveira ACS, Sánchez RG, Torres RAM. Analyzing the concept of disruptive behavior in healthcare work: an integrative review. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2015 jan. 15];50(4):690-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n4/pt_0080-6234-reeusp-50-04-0695.pdf

Ongpré C, Dubois C. Implementation of integrated services networks in Quebec and nursing practice transformation: convergence or divergence? BMC Health Serv Res. 2015[citado em 2015 jan. 15];15:84. Disponível em: 10.1186/s12913-015-0720-8

Barros ERS, Elerry AEL. Inter-professional collaboration in Intensive Care Unit: Challenges and opportunities. Rev Rene. 2016[citado em 2015 jan. 15];17(1):10-9. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/2106/pdf_1

Alexanian JA, Kitto S, Rak KJ, Reeves S. Beyond the team: understanding interprofessional work in two North American ICUs. Crit Care Med. 2015[citado em 2015 jan. 15];43(9):1880-6. Disponível em: 10.1097/CCM.0000000000001136

Dobbins MI, Thomas SA, Melton SL, Lee S. Integrated care and the evolution of the multidisciplinary team. Prim Care. 2016[citado em 2015 jan. 15];43(2):177-90. Disponível em: 10.1016/j.pop.2016.01.003.

Thistlethwaite JE, Forman D, Matthews LR, Rogers GD, Steketee C, Yassine T. Competencies and frameworks in interprofessional ducation: a comparative analysis. Acad Med. 2014[citado em 2015 jan. 15];89(6):869-75. Disponível em: 10.1097/ACM.0000000000000249

Scherer MDA, Oliveira CI, Carvalho WMES, Costa MP Specialization training courses on family health: what can training change in the work? Interface Comum Saúde Educ. 2016[citado em 2015 jan. 15];20(58):691-702. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v20n58/1807-5762-icse-1807-576220150020.pdf

Peduzzi M. Multiprofessional healthcare team: concept and typology. Rev Saúde Pública. 2001[citado em 2015 jan. 15];35(1):103-9. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf

Sussekid AC, Munan DB, Peixoto MKAV, Ribeiro LCM. Driving and restraining forces of teamwork in basic family healthcare units. Rev Baiana Enferm. 2016[citado em 2015 jan. 15];30(3):1-10. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/15962/pdf_73

Rêgo CCD, Macêdo SM, Andrade CRB, Maia VF, Pinto JTJM, Pinto ESG. Nurse working process of people with tuberculosis in primary health care. Rev Baiana Enferm. 2015[citado em 2015 jan. 15];29(3):218-28. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/download/13038/pdf_5

Camelo SHH. Teamworking In hospital institutions: an integrative revision. Cogitare Enferm. 2011[citado em 2015 jan. 15];16(4):734-40. Disponível em: http://ltc-ead.nutes.ufrj.br/constructore/objetos/O%20TRABALHO%20EM%20EQUIPE%20NA%20INSTITUI%c7%c3O%20HOSPITALAR.pdf

Polis S, Higgs M, Manning V, Gayle Netto, Fernandez R. Factors contributing to nursing team work in an acute care tertiary hospital. Collegian. 2017[citado em 2015 jan. 15];24(1):19-25. Disponível em: 10.1016/j.colegn.2015.09.002

Farrel K, Payne C, Heye M. Integrating interprofissional collaboration skills into the advanced practice registered nurse socialization process. J Prof Nurs. 2015[citado em 2015 jan. 15];31(1):5-10. Disponível em: 10.1016/j.profnurs.2014.05.006

Publicado

25-11-2019

Como Citar

1.
Goulart BF, Parreira BDM, Noce LG de A, Henriques SH, Simões AL de A, Chaves LDP. Relacionamento interpessoal: identificação de comportamentos para trabalho em equipe em unidade coronariana. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 25º de novembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49771

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)