Satisfação dos portadores de hiv/aids com o serviço de assistência especializada

Autores

  • Janaína Alves Guilherme Centro Universitário de Maringá, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Maringá PR , Brazil, Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde. Maringá, PR - Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5848-9468
  • Mirian Ueda Yamaguchi Centro Universitário de Maringá, Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Maringá PR , Brazil, UNICESUMAR, Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação - ICETI, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde. Maringá, PR - Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5065-481X
  • Ely Mitie Massuda Centro Universitário de Maringá, Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Maringá PR , Brazil, UNICESUMAR, Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação - ICETI, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde. Maringá, PR - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-7485-5066

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49773

Palavras-chave:

Assistência à Saúde, Qualidade da Assistência à Saúde, Satisfação do Paciente, Serviços de Saúde, Síndrome de Imunodeficiência Adquirida

Resumo

A avaliação da satisfação dos usuários com o serviço de saúde prestado é importante para melhorar o atendimento e desempenho das equipes de saúde, além de corroborar no direcionamento das políticas públicas. Objetivo: avaliar a satisfação dos portadores de HIV/AIDS com o Serviço de Assistência Especializada (SAE) de Maringá-PR, que abrange 30 municípios do noroeste do Paraná. Métodos: estudo transversal, analítico e de abordagem quantitativa. Por meio de entrevista obtiveram-se os dados sociodemográficos de 301 portadores de HIV/AIDS e aplicou-se o instrumento EUROPEP para avaliação da satisfação com o SAE. Resultados: 57,81% eram homens, 63,46% tinham 45 anos ou menos, 75,08% eram heterossexuais e 40,53% casados. As questões relacionadas aos profissionais de saúde: comunicação, cuidados médicos prestados, informações técnicas e apoio emocional obtiveram elevado grau de satisfação, com escores bom e muito bom. Por outro lado, os usuários indicaram como pontos negativos questões relacionadas à organização dos serviços: informações prestadas por telefone, contato por telefone e tempo de espera para atendimento das consultas. Conclusão: de modo geral, os portadores de HIV/AIDS encontram-se satisfeitos com os serviços dos profissionais do SAE. Espera-se que os indicadores negativos de satisfação apontados pelos usuários auxiliem na elaboração de estratégias organizacionais inovadoras para melhoria dos serviços de assistência especializada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brandão ALRBS, Giovanella L, Campos CEA. Avaliação da atenção básica pela perspectiva dos usuários: adaptação do instrumento EUROPEP para grandes centros urbanos brasileiros. Ciênc Saúde Colet. 2013[citado em 2016 out. 02];18(1):103-14. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000100012&script=sci_abstract&tlng=pt

Lorscheider JA, Geronimo K, Colacite J. Estudo da adesão à terapia antirretroviral para hiv/aids de pacientes atendidos no município de Toledo/PR. Acta Biomed Bras. 2012[citado em 2016 out. 15];3(1):41-51. Disponível em: http://www. actabiomedica.com.br/index.php/acta/article/view/35

Bellenzani R, Nemes MIB, Paiva V. Comunicação profissional-paciente e cuidado: avaliação de uma intervenção para adesão ao tratamento de HIV/Aids. Interface (Botucatu). 2013[citado em 2016 out. 02];17(47):803-34. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832013000400005&script=sci_arttext&tlng=es

Melchior R, Nemes MIB, Basso CR, Castanheira ERL, Alves MTSB, Buchalla CM, et al. Avaliação da estrutura organizacional da assistência ambulatorial em HIV/Aids no Brasil. Rev Saúde Pública. 2006[citado em 2016 out. 02];40(1):143-51. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102006000100022&script=sci_abstract&tlng=pt

Soares GB, Garbin CAS, Rovida TAS, Garbin AJI. Qualidade de vida de pessoas que vivem com HIV/AIDS assistidas no serviço especializado em Vitória (ES), Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2015[citado em 2016 out. 02];20(4):1075-84. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232015000401075&script=sci_arttext&tlng=pt

Nemes MIB, Caraciolo JMM, Santos MA, Alves AM, Yokaichiya CM, Prado RR, et al. Avaliação da qualidade dos serviços ambulatoriais do SUS que assistem adultos vivendo com HIV/Aids no Brasil: relatório da aplicação de 2010 e comparação com o resultado de 2007. Brasília: Departamento de DST Aids e Hepatites Virais, Secretaria de Vigilância em Saúde; São Paulo: Equipe de Pesquisa Qualiaids, Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2011[citado em 2016 out. 02]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_qualidade_servicos_ambulatoriais_sus.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST Aids e Hepatites Virais. HIV/AIDS 2015. Bol Epidemiol Aids. 2015[citado em 2016 out. 02];4(1). Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2015/boletim-epidemiologico-hivaids-2015

Tran BX, Nguyen NPT. Patient Satisfaction with HIV/AIDS Care and Treatment in the Decentralization of Services Delivery in Vietnam. PLoS One. 2012[citado em 2016 out. 02];7(10):e46680. Disponível em: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0046680

Grangeiro A, Escuder MML, Castilho EA. A epidemia de AIDS no Brasil e as desigualdades regionais e de oferta de serviço. Cad Saúde Pública. 2010[citado em 2016 out. 02];26(12):2355-67. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010001200014

Moreira CB, Rocha GD, Sousa AI, Fernandes HM. Caracterização dos indivíduos portadores de HIV/SIDA quanto aos hábitos de vida e a percepção de saúde geral. Motricidade. 2012[citado em 2016 out. 02]; 8(Supl. 2):116-26. Disponível em: http://revistas.rcaap.pt/motricidade/article/view/649/539

Almeida RS, Bourliataux-Lajoinie SB, Martins M. Instrumentos para mensuração de satisfação de usuários de serviços de saúde: uma revisão sistemática. Cad Saúde Pública. 2015[citado em 2016 out. 02];31(1):11-25. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2015000100011&script=sci_abstract&tlng=pt

Dansereau E, Masiye F, Gakidou E, Masters SH, Burstein R, Kumar S. Patient satisfaction and perceived quality of care: evidence from a cross-sectional national exit survey of HIV and non-HIV service users in Zambia. BMJ Open. 2015[citado em 2016 out. 02];5(12):e009700. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26719321

Baltussen R, Yazoume Y. Quality of care of modern health services as perceived by users and non-users in Burkina Faso. Int J Qual Health Care. 2006[citado em 2016 out. 02];18(1):30-4. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16234300

Raupp LM, Dhein G, Medeiros CRG, Grave MTQ, Saldanha OMFL, Santos MV et al. Doenças crónicas e trajetórias assistenciais: avaliação do sistema de saúde de pequenos municípios. Physis(Rio J.). 2015[citado em 2016 out. 02];25(2):615-34. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312015000200615

Grol R, Wendsing M, Mainz J, Jung HP Pereira P, Hearnshaw H, etal. Patients in Europe evaluate general practice care: an international comparison. Br J Gen Pract. 2000[citado em 2016 out. 02];50(460):882-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1313852/

Devnani M, Gupta AK, Wanchu A, Sharna RK. Factors associated with health service satisfaction among people living with HIV/AIDS: a cross sectional study at ART center in Chandigarh, India. AIDS Care. 2012[citado em 2016 out. 02];24(1):100-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21767229

Cooper V, Clatworthy J, Harding R, Whetham J. Emerge Consortium. Measuring quality of life among people living with HIV: a systematic review of reviews. Health Qual Life Outcomes. 2017[citado em 2016 out. 02];15(1):220. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5688651/pdf/12955_2017_Article_778.pdf

Lee YY, Lin JL. Do patient autonomy preferences matter? Linking patient-centered care to patientphysician relationship and health outcomes. Soc Sci Med. 2010[citado em 2016 out 02];71(10):1811-8. Disponível em: Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20933316

Pence BW, Gaynes BN, Adams JL, Thielman NM, Heine AD, Mugavero MJ, et al. Quinlivan EB. The effect of antidepressant treatment on HIV and depression outcomes: Results from a randomized trial. 2015 AIDS [citado em 2016 out. 02]; 29:1975-86. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26134881

Guzman JLD, Iriart JAB. Revelando o vírus, ocultando as pessoas: exames de monitoramento (CD4 e CVP) e relação médico-paciente no contexto da AIDS. Cad Saúde Pública. 2009[citado em 2016 out. 02];25(5):1132-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2009000500020&script=sci_abstract&tlng=pt

Bayrak T. Identifying collaborative technology impact areas. Technology em society 2015[citado em 2016 out. 02];42:93-103. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160791X15000366

Machado FSN, Carvalho MAP, Mataresi A, Mendonça ET, Cardoso LM, Yogi MS, et al. Utilização da telemedicina como estratégia de promoção de saúde em comunidades ribeirinhas da Amazônia: experiência de trabalho interdisciplinar integrando as diretrizes do SUS. Ciênc Saúde Colet. 2010[citado em 2016 out. 02];15(1):247-54. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232010000100030&script=sciabstract&tlng=pt

Natrielli Filho DG, Natrielli DG, Enokibara M. O uso da telemedicina com pacientes na Prática Clínica: uma visão da psicologia médica. Sao Paulo Med J. 2013[citado em 2016 out. 02];131(1):62-3. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802013000100062

Santiago RF, Mendes ACG, Miranda GMD, Duarte PO, Furtado BMASM, Souza WV. Qualidade do atendimento nas Unidades de Saúde da Família no município de Recife: a percepção dos usuários. Ciênc Saúde Colet. 2013[citado em 2016 out. 02];18(1):35-44. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000100005&script=sci_abstract&tlng=pt

Szwarcwald CL, Damacena GN, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Malta DC. Percepção da população brasileira sobre a assistência prestada pelo médico. Brasil, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016[citado em 2016 out. 02];21(2):339-50. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000200339&script=sci_abstract&tlng=pt

Publicado

25-11-2019

Como Citar

1.
Guilherme JA, Yamaguchi MU, Massuda EM. Satisfação dos portadores de hiv/aids com o serviço de assistência especializada. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 25º de novembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49773

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)