O uso de óleos essenciais no trabalho de parto e parto: revisão de escopo

Autores

  • Bibiana Amaral Paviani Faculdades Pequeno Príncipe e Feaes, Curitiba PR , Brasil, Faculdades Pequeno Príncipe e Feaes, Residência de Enfermagem em Obstetrícia. Curitiba, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5580-2092
  • Tatiane Herreira Trigueiro Universidade Federal do Paraná, Escola de Enfermagem, Curitiba PR , Brasil, Universidade Federal do Paraná - UFPR, Escola de Enfermagem. Curitiba, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0003-3681-4244
  • Rafaela Gessner Universidade Federal do Paraná, Escola de Enfermagem, Curitiba PR , Brasil, Universidade Federal do Paraná - UFPR, Escola de Enfermagem. Curitiba, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3855-0003

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49826

Palavras-chave:

Terapias Complementares, Óleos Voláteis, Aromaterapia, Trabalho de Parto, Parto, Salas de Parto

Resumo

Objetivo: descrever o estado atual dos conhecimentos sobre o uso de óleos essenciais no trabalho de parto e parto. Método: realizou-se revisão da literatura com o método scoping review, nas bases CINAHL, PubMed e Scopus, entre agosto de 2008 e agosto de 2018. Incluíram-se estudos experimentais, quasi-experimentais, controlados randomizados, não randomizados controlados, antes e depois de estudos e séries temporais interrompidas. Além disso, estudos observacionais analíticos, incluindo estudos prospectivos e retrospectivos de coorte, estudos caso-controle e estudos analíticos transversais foram considerados. Esta revisão também considerou projetos de estudos observacionais descritivos, incluindo séries de casos, relatos de casos individuais e estudos descritivos de corte transversal para inclusão. Foram também considerados estudos qualitativos de diferentes desenhos de pesquisa. Resultados: a revisão abrangeu oito estudos publicados entre 2010 e 2018, com enfoque na publicação pelo Oriente. Da análise, diversos óleos essenciais foram citados, bem como sua forma de aplicação, em destaque para a lavanda. A utilização dos óleos essenciais resumiu-se nas seguintes finalidades: diminuição da dor e da ansiedade, melhora da satisfação materna e diminuição da duração do trabalho de parto, náusea e vômito. Conclusão: os óleos essenciais podem ser uma alternativa adicional para as parturientes, pela sua eficácia para aliviar a dor, ansiedade, melhora da satisfação, simplicidade de uso, baixo custo e por não serem invasivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis. 2005[citado em 2018 jul. 30];15(1):145-76. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v15s0/v15s0a08.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 04 maio 2006, seção 1:14. Brasília: MS; 2006[citado em 2018 jul. 30]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html

Ministério da Saúde (BR). Glossário temático: práticas integrativas e complementares em saúde. Brasília: MS; 2018[citado em 2018 jul. 30]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/12/glossario-tematico.pdf

World Health Organization. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: WHO; 2018[citado em 2018 dez. 15]. Disponível em: http://www.uff.br/objnursing/index.php/nursing/article/view/546/124

Arksey H, O’Malley L. Scoping studies: towards a methodological framework. Int J Soc Res Meth. 2005[citado em 2018 nov. 18];8(1):19-32. Disponível em: https://www.york.ac.uk/inst/spru/pubs/pdf/Scopingstudies.pdf

Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-Am Enferm. 2007[citado em 2018 jun. 15];15(3):508-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n3/pt_v15n3a23.pdf

Liberati A, Altman DG, Tetzlaff J, Murow C, Gotzsche PC, Ioannidis JPA, et al. The PRISMA statement for reporting systematic reviews and metaanalyses of studies that evaluate healthcare interventions: explanation and elaboration. PLoS Med. 2009[citado em 2018 set. 15];6(7):e1000100. Disponível em: https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1000100

Janula R, Mahipal S. Effectiveness of aromatherapy and biofeedback in promotion of labour outcome during childbirth among. Health Sci J. 2016[citado em 2018 set. 15];9(1:9):1-5. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/330713433_Effectiveness_of_Aromatherapy_and_Biofeedback_in_Promotion_of_Labour_Outcome_during_Childbirth_am ong_Primigravidas

Kaviani M, Azima S, Alavi N, Tabaei MH. The effect of lavender aromatherapy on pain perception and intrapartum outcome in primiparous women. Br J Midwifery. 2014[citado em 2018 set. 15];22(2):125-8. Disponível em: https://www.magonlinelibrary.com/doi/abs/10.12968/bjom.2014.22.2.12

Yazdkhasti M, Pirak A. The effect of aromatherapy with lavender essence on severity of labor pain and duration of labor in primiparous women. Complement Ther Clin Pract. 2016[citado em 2018 set. 15];25:81-6. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1744388116300731?via%3Dihub

Kheirkhah M, Pour NSV, Nisani L, Haghani H. Comparing the effects of aromatherapy with rose oils and warm foot bath on anxiety in the first stage of labor in nulliparous women. Iran Red Crescent Med J. 2014[citado em 2018 set. 15];16(9):1-5. Disponível em: https://dx.doi.org/10.5812%2Fircmj.14455

Namazi M, Akbari SAA, Mojab F, Talebi A, Majd HA, Jannesari S. Aromatherapy with citrus arantium oil and anxiety during the first stage of labor. Iran Red Crescent Med J. 2014[citado em 2018 ago 19];16(6):e18371. Disponível em: https://doi.org/10.5812/ircmj.18371

Tanvisut R, Traisrisilp K, Tongsong T. Efficacy of aromatherapy for reducing pain during labor: a randomized controlled trial. Arch Gynecol Obstet. 2018[citado em 2018 dez. 16];297(5):1145-50. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00404-018-4700-1

Hamdamian S, Nazarpour S, Simbar M, Hajian S, Mojab F, Talebi A. Effects of aromatherapy with Rosa damascena on nulliparous women’s pain and anxiety of labor during first stage of labor. J Integr Med. 2018[citado em 2018 abr. 11];16(2):120-5. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2095496418300207?via%3Dihub

Heidari-fard S, Mohammadi M, Fallah S. The effect of chamomile odor on contractions of the first stage of delivery in primpara women: a clinical trial. Complement Ther Clin Pract. 2018[citado em 2018 abr. 11];32:61-4. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1744388118300343?via%3Dihub

Ahmed M, Hwang JH, Choi S, Han D. Safety classification of herbal medicines used among pregnant women in Asian countries: a systematic review. BMC Complement Altern Med. 2017[citado em 2018 abr. 11];17:489. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1186%2Fs12906-017-1995-6

Cunha AP, Roque OR. Aromaterapia: fundamentos e utilização. Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian; 2013.

Buchbauer G. On the biological properties of fragrance compounds and essential oils. Wien Med Wochenschr. 2004[citado em 2018 abr. 11];154(21-22):539-47. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/8093406_On_the_biological_properties_of_fragrance_compounds_and_essential_oils

Bansoni AL, Czepack MP. Os recursos vegetais aromáticos no Brasil. Vitória: EDUFES; 2008. 624p.

Domingos TS, Braga EM. Significado da Massagem com aromaterapia em saúde mental. Acta Paul Enferm. 2014[citado em 2018 abr. 11];27(6)579-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n6/1982-0194-ape-027-006-0579.pdf

National Association for Holistic Aromatherapy (NAHA). Exploring Aromatherapie. 2014[citado em 2018 abr. 11]. Disponível em: http://www.naha.org/explore-aromatherapy/about-aromatherapy

Tillett J, Ames D. The uses of aromatherapy in women's health. J Perinat Neonatal Nurs. 2010[citado em 2018 dez. 15];24(3):238-45. Disponível em: https://insights.ovid.com/pubmed?pmid=20697241

Oliveira CJR. Artigo de opinião e revisão: Instituto de Osmologia e Óleos Essenciais produzindo referências científicas. Braz J Natural Sci. 2019[citado em 2018 dez. 15];1(3). Disponível em: https://doi.org/10.31415/bjns.v1i3.33

Gayeski ME, Bruggemann OM. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática. Texto Contexto Enferm. 2010[citado em 2018 dez. 18];19(4):774-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n4/22.pdf

Williams LA. Neuroscience and physiology. New York: Bull Press; 2000.

Simbar M. Complementary therapies for pregnancy and childbirth. Tehran: Community Oriented Healthy; 2009. p. 34.

Amaral F, Silveira C. Manual técnico: cuidados naturais da cabeça aos pés. Brasilia: Wnf; 2018.

Borges MR, Madeira LM, Azevedo VMGO. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no hospital Sofia Feldman. REME - Ver Min Enferm. 2011[citado em 2018 dez. 15];15(1):105-13. Disponível em: http://www.sofiafeldman.org.br/wp-content/uploads/2011/08/Aspr%C3%A1ticas-integrativas.pdf

Silva MA, Sombra IVS, Silva JSJ, Silva JCB, Dias LRFM, Calado RSF, et al. Aromaterapia para alívio da dor durante o trabalho de parto. Rev Enferm UFPE Online. 2019[citado em 2018 dez. 21];12(2):455-63. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/237753/31358

Cullum N, Ciliska D, Haynes RB, Marks S. Enfermagem baseada em evidências: uma introdução. São Paulo: Artmed; 2015.

Barreto JA, Nunes JG, Aroucha EBL. Um olhar trimembrado sobre a implantação de serviços de práticas integrativas e complementares em saúde. In: Barreto, Alexandre Franca, organizadores. Práticas integrativas em saúde: proposições teóricas e experiências na saúde e educação. Recife: UFPE; 2014. p.155-74.

Publicado

17-02-2020

Como Citar

1.
Paviani BA, Trigueiro TH, Gessner R. O uso de óleos essenciais no trabalho de parto e parto: revisão de escopo. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 17º de fevereiro de 2020 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49826

Edição

Seção

Revisao Sistematica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)