Percepções de facilitadores sobre as tecnologias em saúde utilizadas em oficinas educativas com adolescentes

Autores

  • Gleice Adriana Araujo Gonçalves Universidade Regional do Cariri, Departamento Enfermagem, Crato CE , Brasil, Universidade Regional do Cariri - URCA, Departamento Enfermagem. Crato, CE - Brasil; Universidade Federal do Ceara - UFC, Enfermagem. Fortaleza, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-0518-6663
  • Kely Vanessa Leite Gomes da Silva Universidade Regional do Cariri, Departamento Enfermagem, Crato CE , Brasil, Universidade Regional do Cariri - URCA, Departamento Enfermagem. Crato, CE - Brasil; Universidade Federal do Ceara - UFC, Enfermagem. Fortaleza, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5179-8962
  • Rosely Leyliane dos Santos Universidade Regional do Cariri, Departamento Enfermagem, Crato CE , Brasil, Universidade Regional do Cariri - URCA, Departamento Enfermagem. Crato, CE - Brasil; Universidade Federal do Ceara - UFC, Enfermagem. Fortaleza, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3908-8834
  • Maria de Fátima Antero Sousa Machado Universidade Regional do Cariri, Departamento Enfermagem, Crato CE , Brasil, URCA, Departamento Enfermagem. Crato, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-2541-8441
  • Cristiana Brasil de Almeida Rebouças Universidade Federal do Ceará, Fortaleza CE , Brasil, UFC, Enfermagem. Fortaleza, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9632-5859
  • Viviane Martins da Silva Universidade Federal do Ceará, Fortaleza CE , Brasil, UFC, Enfermagem. Fortaleza, CE - Brasil http://orcid.org/0000-0002-8033-8831

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49982

Palavras-chave:

Tecnologia Biomédica, Adolescente, Educação em Saúde, Promoção da Saúde

Resumo

INTRODUÇÃO: a adolescência é uma fase da vida caracterizada por situações de vulnerabilidade que predispõem os adolescentes às situações de risco. Inovações tecnológicas podem promover à saúde dos adolescentes por meio de oficinas educativas para empoderá-los acerca do cuidado com sua saúde. OBJETIVO: conhecer a percepção de facilitadores sobre as tecnologias em saúde utilizadas em oficinas educativas com adolescentes. MÉTODO: estudo qualitativo realizado com 14 facilitadores do projeto de extensão Adolescer com Saúde. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada, submetidos à análise de conteúdo em modalidade temática. RESULTADOS: emergiram três categorias temáticas. Os facilitadores percebem as oficinas educativas como tecnologias em saúde adequadas e que potencializam a promoção da saúde. Apreendeu-se que a utilização das oficinas educativas pode contribuir para o êxito das ações, especialmente quando direcionadas aos adolescentes. CONCLUSÃO: os facilitadores percebem que as oficinas educativas, como tecnologias em saúde, são importantes. Evidenciou-se o uso recorrente de tecnologias leves e representam um recurso que fortalece ações de educação em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nietsche EA, Teixeira E, Medeiros HP. Tecnologias cuidativo-educacionais: uma possibilidade para o empoderamento do/a enfermeiro. Porto Alegre (RS): Moriá; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ceolin R, Dalegrave D, Argenta C, Zanatta EA. Situações de vulnerabilidade vivenciadas na adolescência: revisão integrativa. Rev Baiana Saúde Pública. 2015[citado em 2018 jun. 12];39(1):150-63. Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2015.v39.n1.a741

Pinto MB, Santos NCCB, Albuquerque AM, Ramalho MNA, Torquato IMB. Educação em Saúde para adolescentes de uma escola municipal: a sexualidade em questão. Ciênc Cuid Saúde. 2013[citado em 2018 maio. 15];12(3):587-92. Disponível em: www.dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i3.18470

Cabral JR, Cabral LR, Angelim RCM, Borba AKOT, Vasconcelos EMR, Ramos VP. Tecnologia educativa para promoção da qualidade de vida de pessoas que vivem com HIV. REME - Rev Min Enferm. 2016[citado em 2018 jun. 12];20:e941. Disponível em: http://www.reme.org.br/exportar-pdf/1075/e941.pdf

Valli GP, Cogo ALP. Blogs escolares sobre sexualidade: estudo exploratório documental. Rev Gaúcha Enferm. 2013[citado em 2018 jun. 12];34(3):31-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n3/a04v34n3.pdf

Santos RL. Tecnologias para processos educativos com adolescentes: uma análise dos artefatos [monografia]. Crato: Universidade Regional do Cariri; 2012.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2014.

Moraes MLS, Rabelo DBM, Áfio JC, Lavinas MCS, Santos MDA. Uso de tecnología blanda-dura en las prácticas de enfermería: análisis de concepto. Aquichan. 2016[citado em 2018 out. 12];16(2):230-9. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci _arttext&pid=S165759972016000200010&lnn

Paim LMD, Niestche EA, Lima LGR. História da tecnologia e sua evolução na assistência e no contexto de cuidado de Enfermagem. In: Niestche EA, Teixeira E. Tecnologias cuidativo- educacionais: uma possibilidade para o empoderamento do/a enfermeiro/a? Porto Alegre: Moriá; 2014. p.17-36.

Silva TF, Romano VF. O acolhimento e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família no município do Rio de Janeiro: fragmentos, perspectivas e reflexões. Rev Bras Med Fam Comun. 2015[citado em 2018 jul. 12];10(34):1-7. Disponível em: https://doi.org/10.5712/ rbmfc10(34)1010

Nobre RS, Moura JRA, Brito GR, Guimarães MR, Silva ARV. Vivenciando a extensão universitária através de ações de educação em saúde no contexto escolar. Rev APS. 2017[citado em 2018 set. 12]; 20(2):288-92. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15703

Áfio ACE, Balbino AC, Alves MDS, Carvalho LV, Santos MCL, Oliveira NR. Análise do conceito de tecnologia em Enfermagem aplicada ao paciente. Rev RENE. 2014[citado em 2018 jun. 12];15(1):158-65. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3108

Machado LDS, Ramos JLS, Machado MFAS, Antão JYFL, Santos SB, Marinho MNASB, et al. Processos participativos de promoção da saúde na escola. J Human Growth Develop 2015[citado em 2018 ago. 11];25(3):357-63. Disponível em: www.dx.doi.org/10.7322/ jhgd.106014

Azevedo IC, Vale LD, Araújo MG, Cassiano AN, Silva HS, Cavalcante RD. Compartilhando saberes através da educação em saúde na escola: interfaces do estágio supervisionado em Enfermagem. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2014[citado em 2018 jun. 12]; 4(1):1048-56. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/565

Dean SV, Lassi ZS, Imam AM, Bhutta ZA. Preconception care: promoting reproductive planning. Reprod Health. 2014[citado em 2018 jul. 13];11(Supl.3). Disponível em: www.reproductive-health-journal.biomedcentral.com/articles/10.1186/1742-4755-11-S3-S2

Higa EFR, Bertolin FH, Maringolo LF, Ribeiro TFSA, Ferreira LHK, Oliveira VASC. Intersectorality as a strategy for promoting adolescent sexual and reproductive health. Interface Comun Saúde Educ. 2015[citado em 2018 set. 12];19(Supl.1):879-91. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1801/180142195018.pdf

Luz RT, Coelho EAC, Teixeira MA, Barros AR, Carvalho MFAA, Almeida MS. Estilo de vida e a interface com demandas de saúde de adolescentes. REME - Rev Min Enferm. 2018[citado em 2018 ago. 15];22:e-1097. Disponível em: www.reme.org.br/artigo/detalhes/1235

Costa RF, Zeitoune RCG, Queiroz MVO, García CIG, García MJR. Adolescent support networks in a health care context: the interface between health, family and education. Rev Esc Enferm USP. 2015[citado em 2018 dez. 18];49(5):741-7. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342015000500741&lng =en&nrm=iso&tlng=pt

Zeferino MT, Cartana MHF, Fialho MB, Huber MZ, Bertoncello KCG. Percepção dos trabalhadores da saúde sobre o cuidado às crises na Rede de Atenção Psicossocial. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016[citado em 2018 ago. 20];20. Disponível em: www.redalyc.org/articulo.oa?id=127745807004

Robards F, Kang M, Usherwood T, Sanci L. How marginalized young people access, engage with, and navigate health-care systems in the digital age: systematic review. J Adolesc Health. 2018[citado em 2018 jun. 19] Disponível em: www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0370269317303453

Publicado

30-03-2020

Como Citar

1.
Gonçalves GAA, Silva KVLG da, Santos RL dos, Machado M de FAS, Rebouças CB de A, Silva VM da. Percepções de facilitadores sobre as tecnologias em saúde utilizadas em oficinas educativas com adolescentes. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 30º de março de 2020 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49982

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)