A CRISE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA E SEU LUGAR NAS IDEIAS SOCIAIS E ECONÔMICAS

Autores

  • Valder Jadson Costa Alves

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5094

Resumo

Este artigo tem por objetivo fazer uma análise crítica das principais correntes de interpretação da crise política e econômica brasileira, eclodida em 2013, que teve como pressuposto a crise financeira mundial de 2008. Após uma breve contextualização, será apresentado o diagnóstico e a visão ortodoxa da crise, que identificamos como a teoria advinda da Síntese Neoclássica; posteriormente a visão heterodoxa, que entendemos como a teoria Pós-Keynesiana; e por fim argumentaremos em base à Teoria Marxista sobre a crise, que entendemos não se encaixar nem na ortodoxia e nem na heterodoxia econômica. A conclusão revela um diagnóstico distinto para a crise brasileira entre as três visões uma vez que além das divergências entre economistas ortodoxos e heterodoxos, o conceito chave para a análise econômica, que para estes situa-se em torno da taxa de investimento, para os economistas “críticos da Economia Política” situa-se em torno da taxa de lucro.

PALAVRAS-CHAVE: Crise Brasileira; Ortodoxia; Heterodoxia; Marxismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

ALVES, V. J. C. A CRISE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA E SEU LUGAR NAS IDEIAS SOCIAIS E ECONÔMICAS. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 3, n. 1, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5094. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/5094. Acesso em: 26 out. 2021.