A crise brasileira contemporânea e seu lugar nas ideias sociais e econômicas

Autores

  • Valder Jadson Costa Alves Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5094

Palavras-chave:

Crise Brasileira, Ortodoxia, Heterodoxia, Marxismo

Resumo

Este artigo tem por objetivo fazer uma análise crítica das principais correntes de interpretação da crise política e econômica brasileira, eclodida em 2013, que teve como pressuposto a crise financeira mundial de 2008. Após uma breve contextualização, será apresentado o diagnóstico e a visão ortodoxa da crise, que identificamos como a teoria advinda da Síntese Neoclássica; posteriormente a visão heterodoxa, que entendemos como a teoria Pós-Keynesiana; e por fim argumentaremos em base à Teoria Marxista sobre a crise, que entendemos não se encaixar nem na ortodoxia e nem na heterodoxia econômica. A conclusão revela um diagnóstico distinto para a crise brasileira entre as três visões uma vez que além das divergências entre economistas ortodoxos e heterodoxos, o conceito chave para a análise econômica, que para estes situa-se em torno da taxa de investimento, para os economistas “críticos da Economia Política” situa-se em torno da taxa de lucro.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valder Jadson Costa Alves, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Mestrando em Economia pela PUC-SP e Economista (UFC). Contato: jadsonalves35@gmail.com. http://orcid.org/0000-0002-2349-8169    

Referências

CALLINICOS, Alex. Bonfire of illusions. New York: John Wiley, 2010.

CARDIM DE CARVALHO, Fernando. BrettonWoods aos 60 anos. In: Novos Estudos CEBRAP, 2004, Nº 70.

CHICK, Victoria. Macroeconomia após Keynes: um reexame da teoria geral; trads. Jefferson Chaves Boechat, Daniel Camarinha. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

DATHEIN, Ricardo. Crescimento, investimento e taxa de lucro na economia brasileira.XI Encontro da ANPEC sul, 2008. Disponível em <http://www.economiaetecnologia.ufpr.br/XI_ANPEC-Sul/artigos_pdf/a2/ANPEC-Sul-A2-03-crescimento_investimento.pdf>

DEQUECH, D. Neoclassical, mainstream, orthodox, and heterodox economics. Journal of Post Keynesian Economics, 2007, 30(2).

EICHENGREEN, Barry. A globalização do capital. São Paulo: Editora 34, 2000.

ENGELS, Friedrich. Carta à J. Bloch. In: PEÑA, Milcíades. O que é marxismo. São Paulo: Sundermann, 2014.

FRANCINI, Paulo; SOUZA, Rogério César de. Análise IEDI: indústria. Disponível em <http://www.iedi.org.br/artigos/top/analise/analise_iedi_20140924_industria.html>

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Brasília: Universidade de Brasília, 1963.

HANSEN, Alvin Harvey. Economic issues of the 1960s. New York : McGraw-Hill, 1960.

HARMAN, Chris. A taxa de lucro e o mundo atual, 2007. Disponível em <https://www.marxists.org/portugues/harman/2007/mes/taxa.htm>

HARVEY, David. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2003

HICKS, John Richard. Value and capital: an inquiry into some fundamental principles of economic theory. Oxford: Clarendon Press, 1965.

IBGE. Revista Contas Nacionais. Rio de Janeiro, 2016, nº 52.

KLIMAN, Andrew. Thefailure of capitalist production. London: Pluto press, 2012.

_____. Harvey versus Marx on Capitalism’s Crises Part 1 and 2: Getting Marx Wrong and Getting Profitability Wrong. London: Pluto press, 2015.

LAVOIE, Marc. Foundations of post-keynesian economic analysis. Cheltenham: Edward Elgar, 1992.

_____. Introduction to post-keynesian economics. Basing stoke -New York: Palgrave Macmillan, 2006.

LÊNIN, Vladimir Ilitch. O imperialismo: fase superior do capitalismo;trad. Olinto Beckerman. São Paulo: Global, 1987.

MANDEL, Ernest. Sobre o fascismo. Sel. de textos L. Trotsky; trad. M. Rodrigues. Lisboa: Antidoto, 1976.

MARTINS, Carlos Eduardo. Globalização, dependência e neoliberalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I, vol I. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2011.

_____. O Capital: crítica da economia política. Livro III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. V. 5.

_____. Grundrisse: manuscritos economicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política; trad. Mario Duayer ... et al. São Paulo: Boitempo, 2011

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich.A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas: 1845-1846; trad. Rubens Enderle, Nelio Schneider, Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Boitempo, 2009.

_____. Manifesto do partido comunista. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.

NEIBURG, F. (2004). Economistas e culturas econômicas no Brasil e na Argentina. Tempo Social, 16(2).

OXFAM. Uma economia para o 1%. Filipinas, 2014, disponível em <http://www.oxfam.org.br/sites/default/files/arquivos/Informe%20Oxfam%20210%20-%20A%20Economia%20para%20o%20um%20por%20cento%20-%20Janeiro%202016%20-%20Relato%CC%81rio%20Completo.pdf>

PAULANI, Lêda. O Brasil na crise da acumulação financeirizada. IV Encuentro Internacional Economia Politica y Derechos Humanos, 9 a 11 de setembro, 2010.

PIKETTY, Thomas. O Capital no Século XXI. Rio de Janeiro: Intrinseca, 2014.

PRADO Jr, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense 2012.

KEYNES, J. Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1983, Coleção Os Economistas.

RODRIGUES, Edgar. História do Movimento Anarquista no Brasil. Piracicaba: Ateneu Diego Gimenez, 2010.

SAMUELSON, Paul Anthony. Economics: an introductoryan alysis. New York: McGraw-Hill, 1967.

SAUVIAT, Catherine. Os fundos de pensão e os fundos mútuos: principais atores da finança mundializada e do novo poder acionário. In: CHESNAIS, Fraçois (org). Finança Mundializada. São Paulo: Boitempo, 2005.

TAVARES, Maria da Conceicao; ASSIS, J. Carlos de (Jose Carlos de). O grande salto para o caos: a economia política e a política econômica do regime autoritário. Rio de Janeiro: J. Zahar Editor, 1985.

WILLIAMS, R. Base e superestrutura na teoria da cultura marxista. In: WILLIAMS, R. Cultura e materialismo. São Paulo: UNESP, 2011.

Downloads

Publicado

19-07-2018

Como Citar

ALVES, V. J. C. A crise brasileira contemporânea e seu lugar nas ideias sociais e econômicas. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 238–274, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5094. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5094. Acesso em: 21 maio. 2024.