A iniciação científica no ensino jurídico brasileiro

Autores

  • Elenice Rolemberg Santos Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2021.33075

Palavras-chave:

Ciência, Iniciação Científica, Pesquisa, Ensino, Jurídico

Resumo

Esta pesquisa está situada no debate entre a importância e relevância da iniciação científica no ensino jurídico brasileiro. O estudo teve como objetivo demonstrar a importância da iniciação científica e como se deu o desenvolvimento da mesma no Brasil, analisar como a Iniciação Científica é desenvolvida no curso de Direito. Para tanto utilizou-se da técnica de pesquisa exploratória, um estudo que envolve levantamento bibliográfico, analise de dados disponibilizados pelos órgãos de fomento do desenvolvimento à pesquisa nas universidades brasileiras para confirmar ou refutar a hipótese de que a iniciação científica é relevante para a ciência e para a sociedade. Entretanto, mesmo diante deste avanço, a Iniciação Científica tem maior relevância no ensino jurídico para os estudantes que desejam seguir a carreira acadêmica, visto que, será necessária uma qualificação específica para isto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Rolemberg Santos, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Direito pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe; Graduanda em Espanhol pela Universidade Federal do Ceará; Pós-Graduanda em Lei Geral de Proteção de Dados pela Faculdade Legale; Bolsista de iniciação científica no Instituto Brasileiro de Ciências Criminais; Intercambista na Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2860-8678. Contato: elenicersantos07@gmail.com

Referências

BARIANI, Isabel Cristina Dib. Estilos Cognitivos Universitários e Iniciação Científica. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Campinas, 1998.

BOBERG, Hiudéa T. R. A importância da iniciação científica no curso de direito. Revista do Curso de Mestrado em Ciência Jurídica da Fundinopi, v. 1, n. 4, 2004.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. São Paulo: Saraiva, 1996.

CONSELHO NACIONAL DAS FUNDAÇÕES ESTADUAIS DE AMPARO À PESQUISA. O Confap. Disponível em: < https://confap.org.br/pt/confap/apresentacao> Acesso em: 25 de fev. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. O CNPq. Disponível em: < http://memoria2.cnpq.br/web/guest/apresentacao_institucional> Acesso em: 25 de fev. 2021.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. CAPES. Relatório bibliométrico revela desempenho e tendências da pesquisa brasileira. Disponível em: <http://www-periodicos-capes-gov-br.ezl.periodicos.capes.gov.br/index.php?option=com_pnews&component=NewsShow&cid=774&mn=71&> Acesso em: 19 de fev. 2021.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. CAPES. História e missão. Disponível em: < https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/historia-e-missao> Acesso em: 25 de fev. 2021.

CORTELA, Beatriz Salemme Côrrea; BASTOS, Fernando; GATTI, Sandra R. T. Políticas educacionais, formação de professores e prática pedagógica: contribuições da pesquisa. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2020.

DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISAS NO BRASIL. Censos DGP. Disponível em: < http://lattes.cnpq.br/web/dgp> Acesso em: 25 de fev. 2021.

ENRICONE, Délcia. A pesquisa na formação do educador do Direito. Revista Direito & Justiça, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 9-18, junho 2007.

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Sobre a Finep. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/a-finep-externo/sobre-a-finep> Acesso em: 25 de fev. 2021.

FRATTARI, Rafhael. O projeto de pesquisa e a iniciação científica em Direito. Revista Meritum, v.9, jan. 2014.

GALLIANO, Alfredo Guilherme. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Harbra, 1986.

INSTITUTO DE FÍSICA DA USP. Docentes. Disponível em: <https://portal.if.usp.br/pg/pt-br/como-fa%C3%A7o-para-orientar-eou-coorientar> Acesso em: 03 de mar. 2021.

INSTITUTO DE QUÍMICA. Norma sobre Orientadores e Coorientadores. Disponível em: <https://www.iqm.unicamp.br/p%C3%B3s-gradua%C3%A7%C3%A3o/norma-sobre-orientadores-e-coorientadores> Acesso em: 03 de mar. 2021.

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. INCT. Disponível em: < http://inct.cnpq.br/> Acesso em: 25 de fev. 2021.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Editora Perspectiva S.A, 1997.

MAIA, Newton Freire. A ciência por dentro. Petrópolis: Editora Vozes, 1990.

MASSI, L.; GIORDAN, M. Formação do orientador de pesquisas acadêmicas: um estudo bibliográfico nacional e internacional. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 14, 30 ago. 2017.

MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares. Estudos sobre a iniciação científica no Brasil: a revisão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p.173-197, jan./abr. 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes curriculares do curso de Direito. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/dir_dire.pdf> Acesso em: 25 de fev. 2021.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES 67/2003. Processo nº 23001.000029/2003-38. Relatores Conselheiros: José Carlos Almeida da Silva e Lauro Ribas Zimmer. Aprovado em: 11/03/2003. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2003/pces067_03.pdf> Acesso em: 26 de fev. 2021.

MONTEIRO, Claudia. Servilha.; MEZZAROBA, Orides. Manual de metodologia da pesquisa no direito. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

NANTES, Eliza Adriana Sheuer; GUERRA JUNIOR, Antonio Lemes; PINHO, Ednéia de Cássia Santos; SIMM, Sanches Fogaça Juliana. Os desafios da orientação na prática da Iniciação Científica a distância. Revista estudos e pesquisas sobre ensino tecnológico, v. 04, n. 08, nov. 2018.

NÓBREGA, Maria Helena da. Orientados e orientandos no século XXI: desafios da pós-graduação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 1055-1076, jul./set. 2018.

NUNES, Marisa Fernandes. As metodologias de ensino e o processo de conhecimento científico. Educar em Revista, n. 9, jan./dez. 1993.

PILLING, Sergio. Agências de fomento à pesquisa no país. Disponível em: <https://www1.univap.br/spilling/MES/Fomento%20a%20pesquisa%20no%20Pais.pdf> Acesso em: 22 de fev. 2021.

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. O PIBIC. Disponível em: < https://pages.cnpem.br/pibic/sobre-o-pibic/> Acesso em: 26 de fev. 2021.

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Orientador. Disponível em: < http://www2.ufac.br/pibic/menu/orientador> Acesso em: 03 de mar. 2021.

SAKAMOTO, Cleusa Kazue; SILVEIRA, Isabel Orestes. Como fazer projeto de iniciação científica. São Paulo: Editora Paulus, 2019.

SILVA, Taiane Oliveira Miranda; DINIZ, Márcia Sumire Kurogi. A relevância dos programas de iniciação científica na graduação na perspectiva de uma instituição de ensino superior em Anápolis-Go. Anais dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu Uni EVANGÉLICA, v.04, n.02, ago.- dez. 2020.

SIQUEIRA, Fabio; KARLMEYER-MERTENS, Roberto; FUMANGA, Mario; BENEVENTO, Claudia. Do conhecimento científico e pesquisa acadêmica. Livro: Como elaborar projeto de pesquisa: linguagem e método. e método. Ed. FGV, 2008. Ed. FGV, 2008.

SOUZA, José Gileá de. Etapas Básicas de um projeto de pesquisa científica. Revista Direito Unifacs – Debate virtual, n. 214, 2018.

VILELA JÚNIOR, Guanis de Barros. Problema e Hipóteses de Pesquisa. Disponível: < https://docplayer.com.br/11276322-Problema-e-hipoteses-de-pesquisa-dr-guanis-de-barros-vilela-junior.html> Acesso em: 03 de mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

SANTOS, E. R. A iniciação científica no ensino jurídico brasileiro. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 1–16, 2021. DOI: 10.35699/2525-8036.2021.33075. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e33075. Acesso em: 20 out. 2021.