Necropolítica como gestão do luto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2022.39331

Palavras-chave:

Necropolítica, Luto, Perda

Resumo

O artigo, de natureza bibliográfica, discute a necropolítica como um dispositivo de poder que não só provoca a morte como busca impedir que o sofrimento gerado pela morte produza sensibilidade e comoção no espaço público, por meio de uma gestão do luto. A tese defendida é de que o luto, mais que um mero estado emocional de reação à perda, é capaz de levar à tomada de consciência sobre relações de dominação e restituir o estatuto de perdas humanas às mortes que a necropolítica tenta invisibilizar. Inicialmente, o artigo revisita a formulação do conceito de necropolítica em Achille Mbembe, mostrando como se pode expandir seu escopo original para compreender o luto como objeto do controle necropolítico. Em seguida, retoma a reflexão freudiana do luto como processo de recuperação da capacidade de engajamento com o mundo pela ressignificação da perda sofrida. Na sequência, relê as ideias de Freud à luz dos aportes oferecidos por Judith Butler, sobre a distribuição desigual da condição de ser passível de luto, e por Angela Harris, sobre o papel das emoções na crítica social, para teorizar sobre a possibilidade de uma experiência do luto que funcione como mecanismo de articulação política contra-hegemônica. Ao final, o artigo aborda alguns aspectos da administração da pandemia de covid-19 no Brasil como breve exemplo da gestão necropolítica do luto e das possibilidades de sua subversão à luz dos argumentos apresentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heitor Moreira Lurine Guimarães, Universidade Federal do Pará

Graduando do Curso de Bacharelado em Direito pela Universidade Federal do Pará, Brasil. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica na Universidade Federal do Pará (PIBIC-UFPA) no período de agosto de 2019 a julho de 2020. Ganhador do Prêmio Horácio Schneider- Destaque de Iniciação Científica da UFPA em 2021. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3676-614X. Contato: hguimaraes631@gmail.com.

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz. Necropolítica e neoliberalismo. Caderno CRH, v. 34, p. 1-10, e021023, 2021.

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu, v. 53, p. 1-16, e185305, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa da assembleia. Trad. Fernanda Siqueira Miguens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Trad. Sérgio Tadeu Lamarão e Agnaldo da Cunha. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Trad. Andreas Lieber. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Politeia, 2019.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FRANCO, Fábio Luis. Governar os mortos: necropolítica, desaparecimento e subjetividade. São Paulo: Ubu, 2021.

FREUD, Sigmund. O Eu e o Id, “Autobiografia” e outros textos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

FREUD, Sigmund. Neurose, psicose, perversão (obras incompletas de Sigmund Freud, vol. 5). Trad. Maria Rita Salzano Moraes. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

HARRIS, Angela P. Compaixão e Crítica. Tradução de Ana Luiza de Oliveira Pereira, Alba Fernanda Pinto de Medeiros, Mylla Cristina Henrique Bezerra Cardoso e Lucas do Couto Gurjão Macedo Lima. Revista Direito e Práxis. v. 12, n. 2, p. 1473-1498, 2021. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/59786.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Trad. Renata Santini. São Paulo: N-1, 2018.

RODRIGUES, Carla. O luto entre clínica e política: Judith Butler para além do gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

SAFATLE, Vladimir. Bem-vindo ao Estado suicidário. N-1 Edições. Disponível em: https://www.n-1edicoes.org/textos/23. Acesso em 08 de agosto de 2022.

SILVA, Lúcia Conceição; MORAIS, Eduardo Santos; SANTOS, Matheus S. Covid-19 e população negra: desigualdades acirradas no contexto da pandemia. Thema, v. 18, p. 301-318, 2020. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/ view/1814.

WERMUTH, Maiquel Angêlo Dezordi; MARCHT, Laura Mallmann; MELLO, Letícia. Necropolítica: racismo e políticas de morte no Brasil contemporâneo. Revista de Direito da Cidade v. 12, n. 2, p. 1053-1083, 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

GUIMARÃES, H. M. L. Necropolítica como gestão do luto. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 1–24, 2022. DOI: 10.35699/2525-8036.2022.39331. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e39331. Acesso em: 27 set. 2022.