Aspectos da vida cotidiana na vida do trabalhador

o estranhamento do trabalho e da cidade

Autores

  • Leonardo Luiz Cordeiro Ferreira da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2017.5031

Palavras-chave:

Tempo de trabalho, Alienação, Lazer

Resumo

A vida cotidiana do trabalhador da atual sociedade é marcada pela falta de tempo, não lhe sobrando muito tempo para desempenhar outras atividades sem que sejam as profissionais. Parte deste tempo, o trabalhador usa para se deslocar de casa ao trabalho e para volta a casa, evidenciando um modelo precário de transporte público. Além deste excessivo tempo gasto no transporte público, acrescenta-se o fato de como a sociedade moderna coloca o trabalho como atividade central (DAL ROSSO, 2006), desta maneira, a cultura do trabalho como atividade central afasta o ser humano de si, retirando-os o tempo para atividades de lazer, cuidados com suas saúdes, cuidado com a casa, com os filhos e familiares, para estudos e qualificação. Assim sendo, será aqui analisado como esta falta de tempo contribui para alienação e estranhamento deste trabalhador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Luiz Cordeiro Ferreira da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Contato: llcordeiro@gmail.com

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2011.

_______________. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

________________. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

________________. Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho. Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho, v. 1, 2008, pp. 1-14

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH, 2007.

DA COSTA, Mônica Hallak. A diferença entre as categorias alienação e estranhamento nos manuscritos econômico-filosóficos de Karl Marx de 1844. Revista On-Line de Educação e Ciências Humanas, N°3, Ano II, 2005, pp. 1-7

DAL ROSSO, Sadi. Jornada de trabalho: duração e intensidade. Ciência e cultura, v. 58, n. 4, 2006, p. 31-34

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 2015.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. 1974.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Tradução de Enilce Rocha e Lucy Magalhães, Juiz de Fora: UFJF, 2005.

FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. O custo dos deslocamentos nas principais áreas urbanas do brasil. Rio de Janeiro; 2015. Disponível em: <http://www.firjan.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=2C908A8F4F8A7DD3014FB26C8F3D26FE&inline=1>. Acesso em: 10 de mar. de 2009

HARVEY, David. “A liberdade da cidade”. In: _________ Cidades Rebeldes: Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015, p. 27-34.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

MARX, Karl. Manuscritos Econômicos-Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008.

____________. O Capital: crítica da economia política: Livro 1: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: teses sobre Feuerbach. São Paulo: Centauro, 2006.

MONDARDO, Marcos Leandro. O Corpo enquanto “primeiro” território de dominação: O biopoder e a sociedade de controle. Mato Grosso do Sul, 2009. Disponível em: < http://bocc.unisinos.br/pag/mondardo-marcos-o-corpo.pdf>. Acesso em: 21 de maio de 2017.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. O trabalho duplicado: a divisão sexual no trabalho e na reprodução: um estudo das trabalhadoras do telemarketing. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PADILHA, Valquíria. “Consumo e lazer reificado no universo onírico do shopping center”. In: PADILHA, V. (org.). Dialética do lazer. São Paulo: Cortez, 2006, p. 126-155.

RODRIGUES, Juciano Martins. “Qual o estado da mobilidade urbana no Brasil”. In: DE PAULA, M. e BARTELT, D. D. (org). Mobilidade Urbana no Brasil: desafios e alternativas. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll Brasil, 2016, pp. 12-23.

RUSSELL, Bertrand. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

RYBCZYNSKI, Witold. Esperando o fim de semana. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SENNETT, Richard; SANTARRITA, Marcos. A corrosão do caráter. Rio de janeiro: Record, 1999.

SOUZA, Jessé; ARENARI, Brand. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

TUMOLO, Paulo Sergio. Trabalho, alienação e estranhamento: visitando novamente os “Manuscritos” de Marx. GT Trabalho e Educação, n. 09, 2004, p. 1-12

Downloads

Publicado

28-07-2017

Como Citar

SILVA, L. L. C. F. da. Aspectos da vida cotidiana na vida do trabalhador: o estranhamento do trabalho e da cidade. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 380–396, 2017. DOI: 10.35699/2525-8036.2017.5031. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5031. Acesso em: 16 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos