Coleções Privadas em Acervos de Museus de Arte Públicos

o caso da Cid Collection

Autores

Palavras-chave:

Colecionadores de arte, Colecionismo privado, MAC-USP

Resumo

O presente artigo discute a formação do patrimônio cultural brasileiro por meio de colecionismo privado. Elegemos, como estudo de caso, a Cid Collection, composta principalmente por fotografias e atualmente sob a guarda provisória do MAC-USP, segundo decreto judicial de 2005.

Biografia do Autor

Jane Aparecida Marques, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Jane Aparecida Marques. Livre Docente. Professora do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte e do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo, ambos da Universidade de São Paulo. E-mail: janemarq@usp.br.

Patricia Branco Cornish, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Mestranda do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo (MAC-USP). Tema de Pesquisa Mestrado: Coleções de Arte Privadas no Brasil. 

Iniciou seus estudos em história da arte e

curadoria através de cursos de especialização no Courtauld Institute of Art e Central Saint Martins, em Londres (Grã-Bretanha) onde viveu por mais de uma década. Formada em administração pela FEA-USP (1994), trabalhou em análise de investimentos e crédito no mercado financeiro brasileiro e internacional. Em 2004, obteve o titulo de MBA pela IESE Business School (2004), em Barcelona na Espanha. 

E-mail: patriciacornish@usp.br

Referências

AMARAL, Aracy A. Textos do Trópico de Capricórnio: Bienais e artistas contemporâneos no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1996. v. 3.

BANCO Santos cria instituto cultural. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 jan. 2002. Ilustrada. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1201200214.htm>. Acesso em: 10 jul. 2015.

BARROS, Guilherme. O novo Brasil da mostra do redescobrimento. São Paulo: Centro Universitário Belas Artes, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Cultural Reproduction and social reproduction. In: BROWN, Richard (org.) Knowledge, Education, and cultural change. Londres: Tavistock Publications, 1973, p. 71-112.

BOURDIEU, Pierre. Distinction: a social critique of the judgement of taste. Londres: Routledge, 1984.

BULHÕES, Maria Amélia (org.). As novas regras do Jogo: o sistema de arte no Brasil. Porto Alegre: Zouk Editora, 2014.

BULHÕES, Maria Amélia. Artes Plásticas: participação e distinção. Brasil nos anos 60/70. São Paulo: FFLCH Universidade de São Paulo, 1990. Tese de Doutorado.

CIDADE DE SÃO PAULO. Resolução N. 14/CONPRESP/2005. Publicado pela Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo. Diário Oficial de Cidade de São Paulo, São Paulo, p. 18, 23 dez. 2005.

COSTA, Helouise. Da fotografia como arte à arte como fotografia: a experiência do Museu de Arte contemporânea da USP na década de 1970. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.16. n.2. p. 131-173. jul.- dez 2008.

CRIMP, Douglas. On the museum’s ruins. Cambridge, Massachusets: The MIT Press, 1993.

DIMAGGIO, Paul e USEEM, Michael. Cultural democracy in a period of cultural expansion: the social composition of arts audiences in the United States. Social Problems, v. 26, n. 2, p. 179-97, Dez. 1978.

KANTOR, Sybil Gordon. Alfred H. Barr Jr. and the intellectual origins of the Museum of Modern Art. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2002.

MAGALHÃES, Ana Gonçalves. Pintura italiana do entre guerras nas Coleções Matarazzo e as origens do acervo do antigo MAM: arte e crítica de arte entre Itália e Brasil. Tese (Livre Docência em História da Arte) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MEGA-EXPOSIÇÃO traz estátuas chinesas milenares a São Paulo. Folha Online, São Paulo, 19 fev. 2003. Ilustrada. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/ folha/ilustrada/ult90u30831.shtml>. Acesso em: 10 jul. 2015.

MOSTRA do Redescobrimento é inaugurada em SP. Folha de S. Paulo, São Paulo, 24 abr. 2000. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fol/brasil500/500mostra.htm>.Acesso em: 15 julho 2015.

“O TESOURO dos Mapas” mostra a formação do Brasil. Agência Brasil – Empresa Brasileira de Comunicação. Brasília, DF, 01 dez. 2002. Disponível em: <http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2002-12-01/tesouro-dos-mapas-mostra-formacao-do-brasil>. Acesso em: 10 jul. 2015.

PIZA, Daniel. 22ª Bienal de SP quer ser a ‘ONU’ da Arte. Folha de S. Paulo, p. 1. 26 jul. 1994.(Ilustrada). Disponível em: <http://acervo.folha.com.br/fsp/1994/07/26/21/>. Acesso em: jun. 2015.

TEXTO da exposição e textos de curadoria por Helouise Costa para a mostra Fotógrafos da Cena Contemporânea no site do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo, nov. 2011. Disponível em: http://www.mac.usp.br/mac/EXPOSI%C7OES/2011/fotografos/textos.htm. Acesso em: jun. 2015.

TUTTOILMONDO, Joana. Presente nos museus: processos de formação de acervos de arte contemporânea brasileira. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

THOMPSON, Donald N. The $12 million stuffed shark: the curious economics of contemporary art. New York: Palgrave Macmillan, 2008.

VIEIRA, Ana Maria Leitão. O Instituto Cultural Banco Santos, S.l., 14 mar. 2013. Disponível em: http://anamuseologa.blogspot.com.br/2013/03/o-instituto-cultural-banco-santos. html>. Acesso em: 15 jul. 2015.

WU, Chin-Tao. A privatização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2006.

Downloads

Publicado

2015-11-26

Como Citar

MARQUES, J. A.; CORNISH, P. B. Coleções Privadas em Acervos de Museus de Arte Públicos: o caso da Cid Collection. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 144–159, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15694. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta