Das lágrimas à indiferença

O “ocaso da vanguarda” em dois filmes brasileiros

  • Luís Alberto Rocha Melo Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Brasil
Palavras-chave: Historiografia Audiovisual, Melodrama, Cinema Experimental

Resumo

Este artigo apresenta dois estudos de caso inseridos na pesquisa “Historiografia audiovisual do cinema no Brasil”: os longas-metragens Cinema de lágrimas (Nelson Pereira dos Santos, 1995) e Avanti Popolo (Michael Wahrmann, 2014). Ambos tematizam o ocaso de determinadas concepções de vanguarda que marcaram a história recente do cinema brasileiro. Cinema de lágrimas estabelece um contraponto à “tradição moderna” instituída pelo Cinema Novo, deslocando o marco zero para o melodrama latino-americano dos anos 1930-50. Em Avanti Popolo, o alvo é a geração que ficou conhecida sob o signo da contracultura e do experimentalismo dos anos 1970.

Biografia do Autor

Luís Alberto Rocha Melo, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Brasil

Professor-adjunto IV do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens (PPG-ACL) no Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora (IAD/UFJF). Foi coordenador do PPG-ACL de 2015 a 2018. Mestre em Comunicação, Imagem e Informação pela Universidade Federal Fluminense (Niterói, 2006), com a dissertação "Argumento e roteiro: o escritor de cinema Alinor Azevedo". Doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (Niterói, 2011), com a tese "Cinema independente: produção, distribuição e exibição no Rio de Janeiro (1948-1954)". Através do Grupo de Pesquisa Historiografia Audiovisual, do qual é líder, desenvolve a pesquisa Historiografia Audiovisual do Cinema no Brasil, financiada pelo CNPq e pela Fapemig (https://historiografiaaudiovisual.com.br/). É um dos autores do livro em dois volumes Nova História do Cinema Brasileiro (org. Fernão Ramos e Sheila Schvarzman, Ed. SESC, 2018). Organizou, com Alessandra Brum e Sérgio Puccini, o livro Cinema em Juiz de Fora (Ed. UFJF, 2017). Assina diversos capítulos para livros, no Brasil e no exterior, e textos para catálogos de mostras. De 2001 a 2013 foi redator da revista eletrônica de cinema Contracampo (contracampo.com.br). De janeiro de 2012 a janeiro de 2014 integrou a equipe de redatores da nova fase da revista impressa Filme Cultura (filmecultura.com.br). 

Referências

ALLEN, Robert C.; GOMERY, Douglas. Teoría e práctica de la historia del cine. Barcelona: Paidós, 1996.

ALBERA, François. La vanguardia en el cine. Trad. espanhol: Heber Cardoso. Buenos Aires: Manatial, 2009.

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas: Papirus, 2012.

AUTRAN, Arthur. O pensamento industrial cinematográfico brasileiro. São Paulo: Hucitec Editora, 2013.

BELTING, Hans. O fim da História da Arte. Trad.: Rodnei Nascimento. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Cia de Bolso, 2009.

BERNARDET, Jean-Claude. Historiografia clássica do cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 1995.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Trad.: José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CAPELATO, Maria Helena et al. (Org.). História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda, 2007.

CASETTI, Francesco. Teorías del cine: 1945-1990. Madri: Cátedra, 2005.

COELHO, Renato. O cinema e a crítica de Jairo Ferreira. São Paulo: Alameda, 2015.

DAHL, Gustavo. “Uma reinvenção do cinema?”. Filme Cultura, n. 18, ano IV, p. 34-39, jan-fev 1971.

FERREIRA, Jairo. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000.

FERREIRA, Jairo. Jairo Ferreira e convidados: crítica de invenção: os anos do São Paulo Shimbum. GAMO, Alessandro (Org.). São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FOSTER, Lila. Cinema amador brasileiro: histórias, discursos e práticas (1926-1959). 266f. Tese (Doutorado em Comunicação e Artes) Escola de Comunicações e Artes - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2016.

GALVÃO, Maria Rita. Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/Embrafilme, 1981.

GALVÃO, Maria Rita. Crônica do cinema paulistano. São Paulo: Ática, 1975.

LAGNY, Michèle. Cine e historia: problemas y métodos en la investigación cinematográfica. Barcelona: Bosch Casa Editorial, 1997.

LUNA, Rafael de; BOUILLET, Rodrigo; BRAGANÇA, Gustavo. A invenção do Cinema Marginal: de 20 de outubro a 8 de dezembro de 2007 (Caderno de curso). Rio de Janeiro: Associação Cultural Tela Brasilis; Cinemateca do Museu de Arte Moderna, 2007.

MACHADO JR. Rubens. A experimentação cinematográfica superoitista no Brasil: espontaneidade e ironia como resistência à modernização conservadora em tempos de ditadura. In: AMORIM, Lara Santos de; FACONE, Fernando Trevas (Org.). Cinema e memória: o Super-8 na Paraíba nos anos 1970 e 1980. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013. p. 34-55.

MORETTIN, Eduardo. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. In: CAPELATO, Maria Helena et al. (Org.). História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda, 2007. p. 39-64.

MORETTIN, Eduardo. Humberto Mauro, Cinema, História. São Paulo: Alameda, 2013.

NAPOLITANO, Marcos et al. (Org.). História e documentário. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

OROZ, Silvia. Melodrama: o cinema de lágrimas na América Latina. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora, 1992.

PARANAGUÁ, Paulo Antônio. Le cinéma en Amérique Latine: le miroir éclaté, historiographie et comparatisme. Paris: L’Harmattan, 2000.

PAZ, Octavio. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

PUPPO, Eugênio. Catálogo da mostra Cinema Marginal brasileiro e suas fronteiras. São Paulo: Heco Produções; Centro Cultural Banco do Brasil, 2004.

RAMOS, Fernão Pessoa; SCHVARZMAN, Sheila (Org.). Nova História do cinema brasileiro (2 vols.). São Paulo: Edições SESC, 2018.

SCHVARZMAN, Sheila. Humberto Mauro e as imagens do Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

STAM, Robert. O espetáculo interrompido: literatura e cinema de desmistificação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno (1880-1950). São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

XAVIER, Ismail. “Cinema político e gêneros tradicionais: a força e os limites da matriz melodramática”. In: ______. O olhar e a cena: melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p.129-141. Publicação original: “Cinéma politique et genres traditionels: force et limites de la matrice mélodramatique”. Cinémas d’Amérique Latine, no 1, Dossier: Le Mélo. Toulouse: 1993. p. 46-51.

Publicado
2019-05-17
Como Citar
MELO, L. A. R. Das lágrimas à indiferença. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 102 - 122, 17 maio 2019.
Seção
Artigos - Seção aberta