GIA e PORO

Práticas artísticas colaborativas e a produção pública do espaço urbano

  • Ludmila Britto Universidade Federal da Bahia (UFBA), Brasil
  • Marcelo Faria Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Brasil
Palavras-chave: Espaço Público, Práticas Colaborativas, GIA e PORO

Resumo

Este texto discute a importância da ação de alguns coletivos artísticos como parte importante de produção social do espaço nas cidades contemporâneas. Compreende a cidade como um conjunto de territórios – como um espaço de multiterritorialidade –, dotada de fronteiras, e esses territórios são definidos a partir de múltiplas trajetórias que nela se manifestam. Investiga algumas ações dos coletivos GIA e PORO e procura interpretar sua importância como ação contra-hegemônica de produção do espaço, abrindo possibilidades de interpretação e apropriação espacial da cidade, concebendo-a como espaço público.

Biografia do Autor

Ludmila Britto, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Brasil

Ludmila Britto é artista visual e pesquisadora em Artes Visuais. É doutora em História da Arte pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia – PPGAV-UFBA. É professora de História da Arte da  Universidade Federal da Bahia-UFBA. É integrante do GIA – Grupo de Interferência Ambiental.

 

Marcelo Faria, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Brasil

Marcelo Faria é mestre em Geografia Humana pela USP, Doutor em Educação pela FACED – UFBA. Professor adunto B do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana-BA.

Referências

ABRAHÃO, Sérgio Luís. Espaço Público: do Urbano ao Político. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

ARANTES, Otília et al. A Cidade do Pensamento Único: Desmanchando Consensos. Petrópolis: Vozes, 2013.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

ARENDT, Hannah. Trabalho, Obra, Ação. Arendt, H. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 7, p. 175-201, 2005.

APABLAZA, Rosa; BRAIT, Felipe. Cartografia sobre Coletivos de Intervenções Urbanas no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

BISHOP, Claire. Artificial Hells: Participatory Art and Politics of Spectatorship. Londres: Verso, 2012.

CAMPBELL, BrigidaTERÇA NADA, Marcelo. (org). Intervalo Respiro: Pequenos Deslocamentos. São Paulo: Radical Livros, 2011.

CARERI, Francesco. Walkscapes: O Caminhar como Prática Estética. São Paulo: Editora G. Gili, 2013.

CORREIA, Adriano. (org.) Hannah Arendt e a condição humana. Salvador: Quarteto, 2006.

DE CERTEAU, Michel . A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. São Paulo: Vozes, 1998.

FOUCAULT, Michel. Security, Territory, Population: Lectures at the College de France 1977-1978. New York: Galimard, 2004.

FREIRE, Cristina. Poéticas do Processo: Arte Conceitual no Museu. São Paulo: Iluminuras, 1999.

FREIRE, Cristina. Arte Conceitual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

FREIRE, Cristina; LONGONI, Ana. (org.) Conceitualismos do Sul. São Paulo: Annablume; USP-MAC; AECID, 2009.

HAESBAERT, Rogério. Multi/transterritorialidade e contornamento: do trânsito por múltiplos territórios ao contorno dos limites fronteiriços. In: FRAGA, Nilson (org.). Territórios e fronteiras: (re)arranjos e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2011.

HAESBAERT, Rogério. Viver no Limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

KILLIAN, Ted. Public and Private, Power and Space. In: LIGHT, A.; SMITH, J. Philosophy and Geography II: The Production of Public Space. New York: Orwman & Littlefield Publishers Inc., 1998. p.115-134.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MASSEY, Doreen. A Global sense of Place. In: MASSEY, Doreen. Space, Place and Gender. Cambridge: Cambridge Press, 1994. p. 146 -156.

MUÑOZ, Alejandra Hernandez.Entre dois nadas...o GIA. 2004. Disponível em: <http://giabahia.blogspot.com/>. Acesso em: 18 out. 2019.

NAIL, Thomas. Theory of the border. New York: Oxford University Press, 2016.

PAIM, Cláudia. Coletivos e Iniciativas Coletivas: Modos de Fazer na América Latina. 2009. 294 f. Tese (Doutorado em Artes Visuais) - Programa de Pós-graduação em Artes Visuais, Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível: Estética e Política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: EDUSP, 2014.

WACHTER, Ellen Mara de. Co-Art: Artists on Creative Colaboration. New York, London: Phaidon, 2017.

Publicado
2019-11-22
Como Citar
BRITTO, L.; FARIA, M. GIA e PORO. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 148-171, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção temática