Suspender o tempo e o espaço

O corpo visto sob a lente do conceito japonês de Ma

Palavras-chave: Espaço ma, Corpo, Processo criativo

Resumo

Ma significa vazio, espaço, tempo ou pausa e sua origem está correlacionada às ideias de transitoriedade e incompletude características da estética Zen-budista. Mais do que um conceito, ma é um modus operandi na vida cotidiana japonesa, que ilustra um intervalo de espaço-tempo disponível para a materialização de eventos em potencial, onde infinitas combinações sígnicas podem acontecer. Neste artigo, abordaremos a aplicação de ma enquanto princípio condutor da criação bem como da apreciação de obras na área das artes do corpo. O corpo será tratado com um corpo-em-processo com total disponibilidade para a interação com outras mídias na produção de sentido.

Biografia do Autor

Maria Cristina Elias Meneghetti, Universidade Anhembi Morumbi, Brasil

Artista, coreógrafa e Doutoranda. Graduada em Direito pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP). Concluiu mestrado em estudos de movimento na Royal Central School of Speech and Drama (Universidade de Londres, RU) e, atualmente, é doutoranda no Departamento de Pós-graduação em Design, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo. Em 2013, ganhou o Prêmio FUNARTE - Mulheres nas Artes Visuais e, em 2017 o Prêmio Temporada de Projetos Paço das Artes. Já realizou performances no MIS, MAM e Paço das Artes (São Paulo), Festival VERBO(Galeria Vermelho), Uferstudios e Radialsystem (Berlim), Galeria Stefania Miscetti (Roma) e Museu MAXXI (Roma), Festival Dança em Foco (Rio de Janeiro), Festival Plataforma (Berlim), Festival Transfusão (São Paulo), entre outros. Está a realizar o último ano do Doutorado em Design da Universidade Anhembi Morumbi.

Priscila Arantes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), Brasil

Curadora, Professora e Diretora do Museu Paço das Artes (São Paulo). Graduada em filosofia pela Universidade de São Paulo, possui mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e pós doutorado pela Pennsylvania State University (USA) e UNICAMP . É professora do Mestrado e Doutorado em Design da Universidade Anhembi Morumbi, coordenadora do grupo cadastrado no CNPq Design, Arte e Memória: perspectivas contemporâneas e professora de pós graduação e graduação da PUC/SP desde 2002 atuando no curso Arte: História, Crítica e Curadoria. É diretora e curadora do Paço das Artes, instituição da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo desde 2007 e entre 2007 e 2011 foi diretora adjunta do MIS (Museu da Imagem e Som). Entre os prêmios recebidos destacam-se o prêmio da Getty Foundation (USA), em 2012 e o 48 Prêmio Jabuti (finalista) pela publicação Arte@Mídia:perspectivas da estética digital (FAPESP/SENAC).

Referências

AKAGI, M. Entrevista cedida a Paul McIness. Revista Metrópolis, 31 ago. 2018. Disponível em: https://metropolisjapan.com/akaji-maro-dairakudakan-interview/? gclid=Cj0KCQjwgOzdBRDlARIsAJ6_HNmmGe08op17sKMDmmUVNLsgJSFhdCUf2nUGb5LTJEtezXepwYO-O4aAjHXEALw_wcB. Acesso em: 8 out. 2018.

BARBA, E. The Paper Canoe. Nova York: Routledge, 1995.

BARBA, E.; Savarese, N. A Dictionary of Theatre Anthropology. Nova York: Routledge, 2006.

FERRARA, L. Leitura sem palavras. São Paulo: Ática, 2002.

GREINER, C. Butô: pensamento em evolução. São Paulo: Escrituras, 1998.

GREINER, C. A arte de viver entre. In: Okano, M. Ma: entre-espaço da arte e comunicação no Japão. São Paulo: Annablume; Fapesp; Fundação Japão, 2012. Prefácio.

GRUBER, M. “Form und Wandlung. Schauspiel als Weg am Beispiel des Aikido und anderen Arten der Körperarbeit”. In Schettgen, Peter org. Heilen statt Hauen. Aikido-Erweiterungen in Therapie und beruflicher Bildungsarbeit. Augsburg: 2002. p. 117-134.

HIJIKATA, T. Dançarina doente. In: HIJIKATA, T. Obras completas (Zenshû), t.I. Tóquio: Kawade Shobô Shinsha, 2005.

IBRI, I. A. Kósmos Noetós: A arquitetura metafísica de Charles S. Peirce. São Paulo: Paulus, 2015.

INADA, N. Hijikata Tatasumi: o corpo pós-morte (Em Japonês Hijikata Tatsumi Zetsugo no Shintai). Toquio: NHK Shuppan, 2008.

KALGREN, B. Analytic Dicitionary of Chinese and Sino-Japanese. Paris: Paul Geuthner, 1923.

KEENE, D. Japanese Aesthetics. Philosophy East and West, University of Hawaii Press, v. 19, n. 3, p. 293-306,1969.

KERCKHOVE, D. The skin of Culture. In: GENOSKO, G. (ed.) Marshall McLuhan: Critical evaluations in cultural theory. v. II. Londres: Routledge, 2019. p. 148-158.

KOMPARU, K. The Noh Theatre: Principles and Perpsectives. Nova York: Wheatherhill: 1983.

KUNICHI, U. Hijikata Tasumi: Pensar um corpo esgotado. Trad.: Greiner, C.; Filho, E. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MANN, J. When Buddhists Attack. Vermont: Tuttle Publishing, 2012.

MASAKAZU, Y. On The Art of the Noh Drama: The major treatises of Zeami. Princeton: Princeton University Press, 1984.

MORIOKA, M. How to create Ma – The living pause. International Journal for Dialogical Science, v. 9, n. 1, p. 81-95, 2015.

NHAT HANH, T. Call me by My True Names – The Collected Poems of Thich Nhat Hanh. Berkeley: Parallax Press, 2005.

NITSCHKE, Gunter. MA: the Japanese sense of place in old and new architecture and planning. Tokyo: Architectural Design, 1966.

OKANO, M. MA: entre-espaço da arte e comunicação no Japão. São Paulo: Annablume; Fapesp: Fundação Japão, 2012.

OKANO, M. O espaço Ma e Hélio Oiticica. In: GREINER, Christine; FERNANDES, Ricardo Muniz. (org.). Tokyogaqui: Um Japão imaginado, São Paulo: SESC, 2008. p. 176-187.

OKOMURA, S. Lion’s Roar. Dharma Dictionary Kokoro. Disponível em: https://www.lionsroar.com/dharma-dictionary-kokoro/. Acesso em: 8 set. 2018.

PILGRIM, R. B. Intervals (Ma) in Space and Time: Foundations for a Religio-Aesthetic Paradigm in Japan”. In: WEI-HSUN FU, Charles; HEINE, Steven (ed.). Japan in traditional and postmodern perspectives. Nova York: State University of New York Press, 1995. p. 55-79.

RANDOM, M. La stratégie de l’invisible. Paris: Félin, 1985.

RICHIE, D. A Tractate on Japanese Aesthetics. Berkeley, CA: Stone Bridge Press, 2007.

SAMTEN, L. A Roda da Vida. São Paulo: Peirópolis, 2010.

SHIODA, G. Dynamic Aikido. Tokyo: Kodansha International, 1977.

SUZUKI, D.T. An introduction to Zen-Buddhism. Grove: New York, 1964.

SUZUKI, D.T. Zen and Japanese Culture. Princeton: U.P., 1959, 1973.

SUZUKI, D.T. Tôyôteki na mikata (A visão oriental). Tokyo: Shunju-sha, 1992.

SUZUKI, S. Mente Zen, Mente de Principiante. Trad. Odete Lara. São Paulo: Palas Athena, 1996.

VIALA, Jean; MASSON-SEKINE. Nourit. Butoh: shades of darkness. Tóquio: Shufunotomo co. Ltd., 1988.

WENDELL, E. Wilson. Mushin and Zanshin. 2010. Disponível em: <https://mineralogicalrecord.com/wilson/pdfs/Concepts--Mushin%20and%20Zanshin.pdf > Acesso em: 8 jun. 2019.

Wylie-Marques, K. Opening the Actor's Spiritual Heart: The Zen Influence on Noh Training and Performance. Journal of Dramatic Theory and Criticism, p. 131-160, 2003.

YUSA, M. Riken no Ken. Zeami's Theory of Acting and Theatrical Appreciation. Monumenta Nipponica. v. 42, n. 3, p. 331-345, Autumn, 1987.

Zeami, M. The Flowering Spirit. Trad.: William S. Wilson. Londres: Kodansha International, 2006.

Publicado
2019-11-22
Como Citar
MENEGHETTI, M. C. E.; ARANTES, P. Suspender o tempo e o espaço. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 312-341, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção aberta